PROFESSORES DE BIOLOGIA E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS: FORMAÇÃO CONTINUADA EM SUAPE-PE

Leandro Tavares Santos Brito, Monica Lopes Folena Araújo

Resumo


No estado de Pernambuco há o Complexo Industrial Portuário de Suape – CIPS, localizado nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e de Ipojuca. Essa região é caracterizada pela ocorrência de diversos conflitos socioambientais oriundos da instalação de empresas. Esse é o ambiente de atuação de professores de Biologia que, tradicionalmente, são os profissionais mais dedicados às atividades relacionadas a Educação Ambiental – EA. O CIPS oferece cursos voltados a EA cujo público-alvo também são professores, podendo ser considerados como uma formação continuada. Diante disso, emerge a questão norteadora: como a formação continuada de professores de Biologia que atuam no entorno da região de Suape, oferecida pelo próprio CIPS, pode contribuir para a prática docente no que diz respeito à abordagem do enfrentamento de conflitos socioambientais? Traçamos como objetivo geral a compreensão de como essa formação continuada pode contribuir para atividades do professor direcionadas a essa abordagem. Procedemos uma entrevista semiestruturada com análise de possíveis materiais relacionados a suas práticas educativas ambientais. Para o tratamento dos dados procedemos a Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados da pesquisa indicaram que apenas um dos sujeitos realizou atividades que se aproximam da abordagem dos conflitos socioambientais, porém não por influência da formação continuada. Percebemos que a formação não abordou conflitos socioambientais, distanciando-se da linha crítica da EA e assemelhando-se à EA ingênua.


Palavras-chave


Formação continuada; Educação ambiental; Suape; Conflitos socioambientais; Professor de Biologia

Texto completo:

PDF

Referências


Angelo, J. A. C. (2014). Da formação à prática do professor de Biologia: representações sociais e docência em educação Ambiental. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB. Recuperado de https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/4845

Araújo, M. L. F. (2016). A educação ambiental no mundo e no Brasil: sementes plantadas. In G. F. de. Oliveira (Org.). Formação de educadores socioambientais (pp. 11–30). Recife, PE: MXM Gráfica e Editora.

Araújo, M. L. F., & Oliveira, M. M. de. (2008). Interdisciplinaridade e educação ambiental: elementos indispensáveis na relação sociedade – natureza. Tecnologia & Cultura, 10(12), 17–22. Recuperado de http://www.cefet-rj.br/arquivos_download/comunicacao/revista/ano10_ed12.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (2a ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bassoli, F., & Lopes, J. G. da S. (2015). A formação de professores em grupos colaborativos: concepções, dificuldades e contribuições. In F. Bassoli, J. G. da S. Lopes & E. T. Cesar (Orgs.) Contribuições de um centro de ciências para a formação continuada de professores (pp. 57–80). São Paulo, SP: Editora Livraria da Física.

Boni, V., & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em tese, 2(1), 68–80. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/viewFile/%2018027/16976

Brito, L. T. S., & Araújo, M. L. F. (2017). Implicações socioambientais das atividades do Complexo Industrial Portuário de Suape – PE: um foco na Ilha de Tatuoca. In G. Seabra (Org.). Educação ambiental: natureza, biodiversidade e sociedade (pp.939–947). Ituiutaba, MG: Barlavento.

Brito, L. T. S., Brito, B. W. da C. S., Santos, A. Q., Juvenal, B. L. C., & Araújo, M. L. F. (2017). Concepções socioambientais de estudantes do 3º ano do ensino médio: a influência das aulas de ecologia. In Anais do IV Congresso Nacional de Educação. João Pessoa, PB. Recuperado de https://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV073_MD4_SA14_ID781_11092017232555.pdf

Carvalho, I. C. de M. (2012). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. (6a ed). São Paulo, SP: Cortez.

Confortin, R., & Caimi, F. E. (2014). Saberes e sabores da docência: o que move o professor de Biologia na/para a sala de aula?. In X ANPED SUL. Florianópolis, SC. Recuperado de http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/631-0.pdf

Ecycle. (2019). Ecologia acústica: sons podem servir para analisar saúde ambiental. Recuperado de https://www.ecycle.com.br/component/content/article/63-meio-ambiente/4039-ecologia-acustica-os-sons-podem-servir-para-analisar-a-biodiversidade-e-a-saude-de-um-habitat-assinatura-sonora-informacao-ferramenta-medicao-afericao-geofonia-biofonia-musica-cerebro-antrofonia-bernie-krause.html

Formosinho, J. (2009). A academização da formação de professores. In J. Formosinho (Coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente (pp. 73–92) Porto, Portugal: Porto Editora.

García, C. M. (1999). Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto, Portugal: Porto Editora.

Guimarães, S. S. M. (2010). O saber ambiental na formação dos professores de Biologia. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/101550

Imbernón, F. (2009). Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo, SP: Cortez.

Loureiro, C. F. B. (2004). Educação ambiental transformadora. In P. P. Layrargues (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira (pp. 65–84). Brasília, DF: MMA.

Loureiro, C. F. B. (2012). Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo, SP: Cortez.

Martins, H. H. T. de S. (2004). Metodologia qualitativa de pesquisa. Revista Educação e Pesquisa, 30(2), 289–300. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ep/v30n2/v30n2a07.pdf

Pimentel, A. (2001). O método da análise documental: seu uso numa pesquisa histórica. Cadernos de Pesquisa, (114), 179–195. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/cp/n114/a08n114

Oliveira, D. M. de. (2015). Avaliação, gestão e formação de professores na cultura do desempenho. In F. Bassoli, J. G. da S. Lopes, & E. T. Cesar (Orgs.) Contribuições de um centro de ciências para a formação continuada de professores (pp. 93–55). São Paulo, SP: Livraria da Física.

Silva, A. G. da. (2015). Do Engenho Massangana ao Porto de Suape: a realidade local como temas para aulas de sociologia no ensino médio de Pernambuco. Mestrado Profissional em Ciências Sociais para o Ensino Médio, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, PE. Recuperado de http://basilio.fundaj.gov.br/mp_cienciassociais/index.php?option=com_content&view=article&id=966&Itemid=224

Suape – Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros. (2016). Recuperado de http://www.suape.pe.gov.br/pt/index.php

Torres, J. R., Ferrari, N., & Maestrelli, S. R. P. (2014). Educação ambiental crítico-transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana. In C. F. B. Loureiro, & J. R. Torres (Orgs.). Educação ambiental: dialogando com Paulo Freire (pp. 13–80). São Paulo, SP: Cortez.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n2p259

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License