A ARGUMENTAÇÃO EM TAREFAS DE MANUAIS ESCOLARES PORTUGUESES DE BIOLOGIA E DE GEOLOGIA

Paulo Almeida, Orlando Figueiredo, Cecília Galvão

Resumo


A argumentação é uma dimensão transversal ao processo de construção do conhecimento científico, à qual é reconhecida uma importância cada vez maior. Os documentos oficiais portugueses, como o programa da disciplina de biologia e geologia, do ensino secundário, num reconhecimento desta situação, preveem o envolvimento dos alunos em situações que permitam desenvolver competências inerentes ao processo de argumentação científica. Sendo os manuais escolares um instrumento fortemente mediador da ação docente, torna-se pertinente compreender de que forma, podem (ou não) contribuir para a criação de contextos de sala de aula que levem os alunos a envolver-se em atividades de argumentação, em aulas de ciências. Assim, apresenta-se e discute-se a análise realizada às tarefas de dois manuais escolares, um de biologia e outro de geologia, do 11.º ano, adotados na escola de um dos autores deste trabalho e à forma como eles procuram promover o desenvolvimento de competências de argumentação científica nos alunos. Os resultados indiciam algumas diferenças significativas entre os dois manuais analisados, na abordagem que fazem às temáticas do programa e à forma como potenciam o desenvolvimento de competências de argumentação científica nos alunos.

Palavras-chave


argumentação científica; ensino da biologia e geologia; manuais escolares

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License