PERCEÇÕES DO BEM-ESTAR ANIMAL EM CRIANÇAS DO 1º CICLO

António Almeida, Clara Vasconcelos, Joana Torres

Resumo


Este estudo procura verificar a perceção das crianças acerca do bem-estar dos animais, de estimação, domésticos e selvagens, tendo sido entrevistadas 123 crianças entre os 8 e os 10 anos a frequentar o 1º ciclo de escolaridade. As perguntas procuraram gerar argumentação antropocêntrica (centrada no ser humano) e/ou argumentação biocêntrica (centrada no interesse dos outros seres), apelando a aspetos vivenciais e valores da criança. Os resultados evidenciam uma elevada incidência de argumentação biocêntrica, associada a uma vivência de contato com os animais onde a natureza se encontra gerida (zoológicos e outros parques temáticos com animais), contrariando a ideia de que a criança durante a infância possui uma visão exclusivamente utilitária dos animais e, por isso, centrada no ser humano. Algumas possuem mesmo uma perceção do seu papel ecológico, avançando com argumentos de caráter ecocêntrico.

Palavras-chave


relação criança-animal; antropocentrismo;biocentrismo; ecocentrismo

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License