ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA COM O JOGO “GALÁPAGOS” PARA O ENSINO DE CONTEÚDOS DE EVOLUÇÃO BIOLÓGICA

Samuel Itxai Silva Lobo, Gabriel Menezes Viana

Resumo


Discutiremos, no presente texto, as análises conduzidas sobre uma experiência compartilhada entre quatro graduandos do curso de Ciências Biológicas com um jogo didático por nós desenvolvido para o ensino de Evolução Biológica (EB). Nosso objetivo foi verificar as potencialidades em termos de ensino e aprendizagem desse conteúdo através das relações construídas entre os jogadores e o jogo. Fizemos o uso de uma abordagem qualitativa de pesquisa. Nossa coleta de dados utilizou-se da gravação em áudio e vídeo dos participantes jogando. Em seguida, transcrevemos parte das falas que teciam relações com o conteúdo de EB. Para a seleção dos eventos, buscamos por controvérsias, momentos em que houve discordância entre os jogadores e o jogo, assim como identificamos ocasiões em que o jogo evidenciou situações em torno do ensino-aprendizagem de conceitos de EB. Nossos resultados identificaram três categorias, a saber: i) Estabelecendo controvérsias: jogabilidade e realidade se chocam; ii) Identificando lacunas em torno da aprendizagem de conteúdos de Ciências; e iii) Ampliando ou ressignificando sentidos dos conceitos de EB aprendidos. Percebemos que o jogo permite diferentes relações entre a realidade (mundo físico) com o mundo jogado (mundo virtual), mas que foi preciso fazer adaptações para que essas relações se mostrassem possíveis. Consideramos que o jogo elaborado apresenta um significativo potencial de recurso auxiliar no ensino de conteúdos tão abstratos e complexos como os da EB, ao mesmo tempo em que entretém e permite uma interação maior entre os aprendizes-jogadores.


Palavras-chave


Evolução Biológica; Jogo didático; Teoria Ator-Rede

Texto completo:

PDF

Referências


Alencar, G. M., Rodrigues, J. V, Gomes, M. C., & Araujo C. S. O. (2019). Utilização de jogos didáticos no processo de ensino-aprendizagem em biologia. Revista Areté / Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 11(24), 216-226. Recuperado de http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/1544/946

Almeida, F. D., Amaral, J. W. R., de Pieri, M. S., & Mattar, J. (2017). The game of method: Board games as support for teaching research courses. Research, Society and Development, 6(2), 148-170. http://dx.doi.org/10.17648/rsd-v6i2.154

MEC – Ministério da Educação. (2018). BNCC: Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base.. Secretaria de Educação Básica. Brasília, DF: MEC/SEB. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Cabrera, W. B. (2006). A Ludicidade para o Ensino Médio na Disciplina de Biologia: Contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil. Recuperado de https://www.sapili,org/livros/pt/cp025038.pdf

Carneiro, A. P. N. (2004). A Evolução Biológica aos olhos de professores não licenciados. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica. Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/87246

Esteban, M. P. S. (2010). Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre, RS: AMGH.

Freire, L. D. L. (2006). Seguindo Bruno Latour: Notas para uma antropologia simétrica. Comum, 11(26), 46-65. Recuperado de https://www.facha.edu.br/pdf/Comum26.pdf

Goedert, L., Leyser, V., & Delizoicov, N. C. (2006). A Formação do Professor de Biologia na UFSC e o Ensino da Evolução Biológica. Contexto e Educação, 21(76), 13-41. https://dx.doi.org/10.21527/2179-1309.2006.76.13-41

Gonzaga, G., Miranda, J. C., Ferreira, M. L., Costa, R. C., Freitas, C. C. C., & Oliveira Faria, A. C. de (2017). Jogos didáticos para o ensino de ciências. Revista Educação Pública, 17(7), 1-12. Recuperado de https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/17/7/jogos-didticos-para-o-ensino-de-cincias

Latour, B. (2000). Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo, SP: Unesp.

Latour, B. (2012). Reagregando o social: Uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador, BA: Edufba.

Latour, B., Rifiotis, T., Petry, D. F., & Segata, J. (2015). Faturas/fraturas: Da noção de rede à noção de vínculo. Ilha Revista de Antropologia, 17(2), 123-146. https://dx.doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n2p123

Lauer, T. E. (2000). Jelly Belly® jelly beans & evolutionary principles in the classroom: Appealing to the students' stomachs. The American Biology Teacher, 62(1), 42-46. https://dx.doi.org/10.1662/0002-7685(2000)062[0042:JBJBEPorgeous2.0.CO;2

Lüdke, M., & André, M. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas (2a ed.). São Paulo, SP: EPU.

Moraes, T. S., Marques, M. F. O., Carvalho, & F. L. de Q. (2015). O uso de jogos educativos e o impacto no ensino: Uma experiência para o ensino de ciências e biologia. In L. Alves (Coord.). Anais do Seminário Tecnologias Aplicadas à Educação e Saúde. Salvador, Bahia, BA. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/staes/article/view/1619

Nobre, S. B., & Farias, E. F. (2016). Jogo Digital como estratégia para o ensino de Biologia Evolutiva. Revista Tecnologias na Educação, 17,1 -17. Recuperado de http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2016/09/Art32-ano8-vol17-dez2016.pdf

Oleques, L. C., Boer, N., & Temp, D. S. (2011). Evolução biológica como eixo integrador no ensino de biologia: concepções e práticas de professores do ensino médio. In I. Martins (Org.). Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Campinas, São Paulo, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1066-1.pdf

Oliveira, N. C. de, Serafim, N. T., Teixeira, M. R., & Falone, S. Z. (2016). A produção de jogos didáticos para o ensino de biologia: contribuições e perspectivas. Ciclo Revista, 1(2) 47-60. Recuperado de https://www.ifgoiano.edu.br/periodicos/index.php/ciclo/article/view/239/152

Pompermayer, E. M., de Siqueira, C. F. R., Costa, M. E. H., & de Mello Brunauth, R. (2017, September). Jogos de tabuleiro no ensino de matemática: desenvolvendo múltiplas habilidades. In C. L. O. Groenwald (Org.). VII Congresso Internacional de Ensino de Matemática. Canoas, Rio Grande do Sul, RS. Recuperado de http://www.conferencias.ulbra.br/index.php/ciem/vii/paper/viewFile/7641/4254

Rudolph, J. L., & Sterwart, J. (1998). Evolution and the nature of science: On the historical discord and its implications for education. Journal of Research in Science Teaching, 35(10), 1069-1089. https://dx.doi.org/10.1002/(SICI)1098-2736(199812)35:10<1069::AID-TEA2>3.0.CO;2-A

Santos, F., & Dias, C. (2013). Fascículo-Evolução. Belo Horizonte: CAED-UFMG. http://labs.icb.ufmg.br/lbem/aulas/grad/evol/FasciculoEvolucao_UFMG_2013.pdf

Santos, M. S. dos, Castro, É. A., Schmitt, M. A. R., Peres, A., Santos, K. G., Pinheiro, R. N., & Vasconcelos, R. (2016). A combinação de jogos de tabuleiro com jogos digitais no processo de aprendizagem. In R. Nakamura (Coord.). Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames). São Paulo, SP. Recuperado de http://www.sbgames.org/sbgames2016/downloads/anais/157141.pdf

Selles, S. E., & Ferreira, M. S. (2005). Disciplina escolar Biologia: entre a retórica unificadora e as questões sociais. Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói, RJ: Eduff, 50-62.

Sepúlveda, C., & El-Hani, C. N. (2004). Quando visões de mundo se encontram: Religião e ciência na trajetória de formação de alunos protestantes de uma licenciatura em ciências biológicas. Investigações em Ensino de Ciências, 9(2), 137-175. https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/533/328

Settlage Jr., J. (1994). Conceptions of natural selection: A snapshot of the sense-making process. Journal of Research in Science Teaching, 31(5), 449-457. https://dx.doi.org/10.1002/tea.3660310503

Silva, J. B. da, & Vallim, M. A. (2015). Estudo, desenvolvimento e produção de materiais didáticos para o ensino de biologia. Revista Aproximando, 1(1), 1-5. Recuperado de http://latic.uerj.br/revista/ojs/index.php/aproximando/article/view/44/59

Silva, K. J. D. F. da, Sobreira, A. C. M., Bezerra, M. A., Silva, M. O., & de Castro Martins, M. M. M. (2016). A utilização de jogos didáticos no ensino biologia: Uma revisão de literatura. In P. Castro (Coord.) III CONEDU – Congresso Nacional de Educação. Natal, Rio Grande do Norte, RN. Recuperado de https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD1_SA18_ID2890_09082016202740.pdf

Silva, L. L. S. da (2019). Desenvolvendo jogos de tabuleiro como instrumento de aprendizagem geopolítica: Observações metodológicas e relato de experiência a partir do jogo Nilo. Revista de Geopolítica, 10(2), 119-134. Recuperado de http://revistageopolitica.com.br/index.php/revistageopolitica/article/view/229/230

Tripicchio, A. C. C. L. (2005). Fixismo e evolução: epistemologia da biologia. (Dissertação de mestrado.) Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Recuperado de http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/278874

Zuanon, A. C. A., Diniz, R. H. S., & Nascimento, L. H. do. (2010). Construção de jogos didáticos para o ensino de Biologia: Um recurso para integração dos alunos à prática docente. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 3(3), 49-59 . https://dx.doi.org/10.3895/S1982-873X20100003




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n1p405

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License