ADULTERAÇÃO DO LEITE: UMA PROPOSTA INVESTIGATIVA VIVENCIADA POR UM GRUPO DE ESTUDANTES SURDOS NA PERSPECTIVA BILÍNGUE

Carla Patricia Araújo Florentino, Pedro Miranda Junior

Resumo


O conhecimento químico possibilita a compreensão das transformações que ocorrem na Natureza, bem como contribui para a formação de cidadãos críticos e preparados para a tomada de decisões na solução de problemas do cotidiano. A aprendizagem de conceitos químicos é mais efetiva quando os estudantes participam do processo de construção desses conhecimentos. Este trabalho é um recorte de uma dissertação de mestrado que teve como objetivo analisar de que forma ocorre a construção de conceitos químicos durante uma Sequência de Ensino Investigativa (SEI) com a temática adulteração do leite, desenvolvida com um grupo de estudantes surdos do ensino médio em uma perspectiva bilíngue. A pesquisa foi realizada numa abordagem qualitativa utilizando-se da pesquisa-ação. A SEI foi realizada em três etapas: i) concepções iniciais, problematização e levantamento de hipóteses; ii) atividade experimental; iii) sistematização e discussão pós-experimento. Os dados da pesquisa foram coletados a partir da observação participante, da gravação das aulas, das produções dos estudantes, dos questionários aplicados antes e após a SEI e da entrevista semiestruturada. Em cada etapa buscou-se analisar as possibilidades de construção de conceitos químicos a partir do tema abordado. Os resultados indicaram que a SEI possibilitou aos estudantes uma argumentação mais fundamentada ao discutir o tema abordado e na solução do problema proposto, contribuindo para a apreensão de conceitos químicos, promovendo desenvolvimento intelectual e autonomia. Além disso, o debate do tema e a comunicação em sala de aula na língua materna do surdo (Libras) propiciaram a construção de conceitos científicos e promoveram maior envolvimento dos estudantes nas atividades realizadas.


Palavras-chave


ensino de química; estudantes surdos; sequência de ensino investigativa; bilinguismo

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto.

Cachapuz, A., Gil-Pérez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J., & Vilches, A. (2011). A necessária renovação do ensino das Ciências. São Paulo, SP: Cortez.

Campello, A. R. S. (2008). Aspectos da visualidade na educação de surdos (Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC). Recuperado de

http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/91182

Capecchi, M. C. V. M. (2013). Problematização no Ensino de Ciências. In A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula (pp. 21–40). São Paulo, SP: Cengage Learning.

Capovilla, F. C., Raphael, W. D., & Mauricio, A. C. L. (2009). Novo Deit-Libras: dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira baseado em linguística e neurociências cognitivas. São Paulo: INEP/CNPq/EDUSP. Recuperado de https://repositorio.usp.br/single.php?_id=001788461

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativa. In A. M. P. Carvalho (Org), Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula (pp. 1-20). São Paulo, SP: Cengage Learning.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. (2005). Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais- Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial de União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm

Fernandes, S., & Moreira, L. C. (2014). Políticas de Educação Bilíngue para Surdos: O contexto brasileiro. Educar em Revista, (2), 51-69. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.37014

Fernandes, S. (1998). Surdez e Linguagem: É possível o diálogo entre as Diferenças? (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR). Recuperado de https://hdl.handle.net/1884/24321

Gomes, E., & Catão, V. (2014). Mediação do conhecimento científico articulada pelo professor durante uma aula sobre transformações químicas para estudantes surdos In XVII Encontro Nacional de Ensino de Química - ENEQ, Ouro Preto, MG. Recuperado de http://www.sbq.org.br/eneq/xvii/anais_xvii_eneq.pdf

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, Diário Oficial de União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. (2002). Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. Diário Oficial de União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

Lei n. 12.319, de 1º de setembro de 2010. (2010). Regulamenta a profissão de tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, Diário Oficial de União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12319.htm

MEC. (1994). Ministério da Educação. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Brasília: MEC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

MEC. (1999). Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio (PCNEM). Brasília, DF: MEC/SEB. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf

MEC. (2002). Ministério da Educação. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio (PCN+). Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEB. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf

Moraes, R (Org). (2011). Construtivismo e ensino de ciências: Reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Nascimento, S. P. F., & Costa, M. R. (2014). Movimentos surdos e os fundamentos e metas das escolas bilíngues de surdos: Contribuições ao debate institucional. EDUCAR em Revista (2), 159-178. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.37021

Oliveira, W. D., Melo, A. C. C., & Benite, A. M. C. (2012). Ensino de ciências para deficientes auditivos: um estudo sobre a produção de narrativas em classes regulares inclusivas. REIEC em Revista, 7(1), 1-9. Recuperado de http://ppct.caicyt.gov.ar/index.php/reiec/issue/view/462

Pimenta, M. L. (2008). Produção e compreensão textual: Um estudo comparativo junto a universitários surdos e ouvintes (Tese de doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília. DF). Recuperado de https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/3991/1/2008_MeireluceLeitePimenta.pdf

Pozo, J. I., & Crespo, M. A. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: Do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico (5a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Quadros, R. M. (1997). A educação de surdos: A aquisição da linguagem. Porto Alegre, RS: Artmed.

Quadros, R. M. (2000). Alfabetização e o ensino da língua de sinais. Textura, Canoas, (3), 53-62. Recuperado de http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/view/888/665

Queiroz, T. G. B., Silva, D. F. E., Macedo, K. G., & Benite, A. M. C. (2010). Estudos sobre o papel da linguagem no ensino de ciências/química para aluno surdo. In Anais da 33ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Águas de Lindoia, SP.

Razuck, R. S. C. R., & Razuck, B. F. (2010). A importância da abordagem no processo de inclusão de alunos surdos no ensino de química. In: XV Encontro Nacional de Ensino de Química - ENEQ, Brasília, DF. Recuperado de http://www.sbq.org.br/eneq/xv/lista_area_11.htm

Rosito, B. A. (2011). O ensino de ciências e a experimentação. In R. Moraes (Org.), Construtivismo e ensino de ciências: Reflexões epistemológicas e metodológicas (pp. 195-208). Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Saldanha, J. C. (2011). O ensino de química em Língua de Brasileira de Sinais (Dissertação de mestrado, Universidade Básica do Grande Rio “Prof. José de Souza Herdy” - UNIGRANRIO, Duque de Caxias, RJ). Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/190706

Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: O papel do professor. In A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula (pp. 41-62). São Paulo: Cengage Learning.

Sedano, L. (2013). Ciências e Leitura: Um encontro possível. In A. M. P. Carvalho (Org.), Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula (pp. 77-92). São Paulo, SP: Cengage Learning.

Sousa, S. F & Silveira, H. E. (2011). Terminologias químicas em Libras: A utilização de sinais na aprendizagem de alunos surdos. Química Nova Na Escola, 33(1), 37-46. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc33_1/06-PE6709.pdf

Thiollent, M. (2011). Metodologia Da Pesquisa-Ação (18a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Trivinos, A. N. S. (2013). Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas.

Vygotsky, L. (2007). Pensamento e Linguagem. (Lisboa, Portugal: Relógio D’água Editores.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n3p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License