CIÊNCIA, IDEOLOGIA, LITERATURA E EUGENIA: APROXIMAÇÕES ENTRE AS IDEIAS BIOLÓGICAS DE RENATO KEHL E O DISCURSO CIENTÍFICO DO LIVRO “O PRESIDENTE NEGRO”, DE MONTEIRO LOBATO

Leonardo Turazzi Tramontina, Fernanda Aparecida Meglhioratti

Resumo


A presente investigação se insere no âmbito de trabalhos voltados à História da Ciência e ao Ensino de Ciências e de Biologia e objetiva explicitar algumas ideias biológicas presentes na primeira metade do século XX que estiveram associadas ao movimento eugênico, bem como, refletir sobre como essas ideias ressoaram no campo da literatura ficcional daquele momento histórico. Para tanto, por meio da análise historiográfica documental, investigamos dois importantes autores da época: Renato Ferraz Kehl (1889-1974) e Monteiro Lobato (1882-1948). Buscamos traçar algumas aproximações entre os discursos biológicos presentes no âmbito acadêmico com outras instâncias sociais, em específico, com a literatura, evidenciando assim relações que se estabelecem entre ciência e sociedade. Foram apontadas aproximações e/ou distanciamentos nos discursos dos autores em relação as seguintes temáticas: Questão racial; Determinismo Biológico e Visão da Ciência; Conflitos entre ambiente versus hereditariedade; Visão a respeito da mulher. Por fim, foi discutido como a análise do movimento eugênico e as obras desses autores podem contribuir para o entendimento da articulação entre ciência e pensamento literário de uma época. No campo educacional, concluiu-se que o estudo dessa temática pode auxiliar a entender que a ciência está imersa em valores políticos, sociais, econômicos, culturais e que os discursos científicos influenciam outras instâncias sociais. Destacou-se também que é importante ver a ciência com um olhar crítico, de modo a combater discursos que possam levar a discriminação e a exclusão social. Além disso, o estudo contribui com a reflexão a respeito de uma obra literária, contextualizando-a em relação ao período em que foi escrita.

Palavras-chave


História da Ciência; Eugenia; Literatura; Ensino de Biologia

Texto completo:

PDF

Referências


Abib, J. A. D. (1998). Virada social na historiografia da psicologia e independência institucional da psicologia. Psicologia − Teoria e Pesquisa, 14(1). Recuperado de http://ojs.bce.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/17311

Alves Filho, A. (2016). O racismo em Monteiro Lobato segundo leituras de afogadilho. Passagens: Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, 8(2), 355-407. http://dx.doi.org/10.15175/1984-2503-20168208

Arruda, S. M., & Laburú, C. E. (1998). Considerações sobre a função do experimento no ensino de ciências. In R. Nardi (Org.). Educação em Ciências da Pesquisa à Prática Docente, 2, 53-60.

Bartel, C. E. (2014). Manifestações de racismo e de intolerância no Brasil Contemporâneo. História Unicap, 1(1), 104-118. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5615906.pdf

Beltran, M. H. R., Rodrigues, S. P., & Ortiz, C. E. (2011). História da Ciência em sala de aula − Propostas para o ensino das teorias da evolução. História da Ciência e Ensino: construindo interfaces, 4, 49-61. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/hcensino/article/view/7365

Brandão, G. O., & Ferreira, L. B. M. (2009). O ensino de Genética no nível médio: a importância da contextualização histórica dos experimentos de Mendel para o raciocínio sobre os mecanismos de hereditariedade. Filosofia e História da Biologia, 4(1), 43-63. Recuperado de http://www.abfhib.org/FHB/FHB-04/FHB-v04-02.html

Brasil. (2004). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF: MEC. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484184/Diretrizes+curriculares+nacional+para+a+educa%C3%A7%C3%A3o+das+rela%C3%A7%C3%B5es+%C3%A9tnico-raciais+e+para+o+ensino+de+hist%C3%B3ria+e+cultura+afro-brasileira+e+africana/f66ce7ca-e0c8-4dbd-8df3-4c2783f06386?version=1.2

Borim, D. C. D. E. (2015). Análise do potencial didático do livro de ficção científica no ensino de ciências. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Educação. Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://dippg.cefet-rj.br/ppcte/attachments/article/81/2015%20-%20AN%C3%81LISE%20DO%20POTENCIAL%20DID%C3%81TICO%20DO%20LIVRO~.pdf

Caldeira, A. M. D. A., Brando, F. D. R., Bertolli Filho, C., Talamoni, A. C. B., Andrade, M. A. B. S. D., Oliveira, T. B. D., ..., & Terrazzan, E. A. (2011). In A. M. de A. Caldeira. Ensino de ciências e matemática, V: História e Filosofia da Ciência. Coleção PROPG Digital (UNESP). São Paulo, SP: Cultura Acadêmica. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/109190/ISBN9788579832147.pdf

Carneiro, M. L. T. (2006). A tolerância como virtude. Revista USP (69), 6-13. Recuperado de http://www.periodicos.usp.br/revusp/article/download/13508/15326

Carmo, V. A., & Martins, L. A. P. (2006). Charles Darwin, Alfred Russel Wallace e a seleção natural: um estudo comparativo. Filosofia e História da Biologia, 1, 335-350. Recuperado de http://www.abfhib.org/FHB/FHB-01/FHB-v01-20-Viviane-Carmo_Lilian-Martins.pdf

Castañeda, L. A. (2003). Eugenia e casamento. História, 10(3), 901-930. https://doi.org/10.1590/S0104-59702003000300006

Chagas, L., & Chagas, A. T. (2017). A posição da mulher em diferentes épocas e a herança social do machismo no Brasil. Psicologia. Pt – O Portal dos Psicólogos, 1-8. Recuperado de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1095.pdf

Carvalho, L. D. de, & Souza, V. S. de (2017). Continuidades e rupturas na história da eugenia: uma análise a partir das publicações de Renato Kehl no pós-Segunda Guerra Mundial. Perspectiva, 35(3), 887-910. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2017v35n3p887

D’Ambrosio, M., Freitas, A. L., Santos, F., & Megid Neto, J. (2016). Concepções alternativas de ingressantes em Ciências Biológicas sobre evolução: uma abordagem quantitativa e qualitativa. Revista da SBEnBio, (9), 2006-2017. Recuperado de http://sbenbio.org.br/revistas/renbio-edicao-9/

El-Hani, C. N. (2006). Notas sobre o ensino de história e filosofia da ciência na educação científica de nível superior. In C. C. Silva (Org.). Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Editora Livraria da Física, 3-21. Recuperado de http://www.academia.edu/download/11813578/Notas_sobre_ensino_de_HPS_na_educacao_superior.pdf

Fiorin, J. L. (1990). Tendências da análise do discurso. Cadernos de Estudos Linguísticos, 19, 173-179. https://doi.org/10.20396/cel.v19i0.8636834.

Fiuza, D. H. (2016). A propaganda da eugenia no Brasil: Renato Kehl e a implantação do racismo cientifico no Brasil a partir da obra “Lições de Eugenia”. AEDOS, 8(19), 85-107. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/aedos/article/view/68669/40555

Galvão, C. (2006). Ciência na literatura e literatura na ciência. Interacções, 2(3), 32-51. Recuperado de https://repositorio.ipsantarem.pt/bitstream/10400.15/225/1/C3.pdf

Góes, A. C. de S., Borim, D. C. D. E., Kaufman, D., dos Santos, A. C. C., de Siqueira, A. E., & Vallim, M. A. (2018). A obra "Admirável Mundo Novo" no ensino interdisciplinar: fonte de reflexões sobre Ciência, Tecnologia e Sociedade. Ciência & Educação (Bauru), 24(3), 563-580. https://dx.doi.org/10.1590/1516-731320180030003.

Góes, W. L. (2015). Racismo, eugenia no pensamento conservador brasileiro: a proposta de povo em Renato Kehl. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/124368

Habib, P. A. B. B. (2007). Saneamento, eugenia e literatura: os caminhos cruzados de Renato Kehl e Monteiro Lobato. (1914-1926). ANPUH–. XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, São Leopoldo, RS. Recuperado de http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/anpuhnacional/S.24/ANPUH.S24.0436.pdf

Hartmann, A. M., & Zimmermann, E. (2007). O trabalho interdisciplinar no ensino médio: a reaproximação das “Duas Culturas”. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 7(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4037

Hobsbawm, E. (2009). A era do capital: 1848-1875. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Kehl, R. (1929). A eugenia no Brasil: esboço histórico e bibliográfico. 1º Congresso Brasileiro de Eugenia, Rio de Janeiro, 48-52. Recuperado de http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=acebib coc_r&pagfis=9788

Kehl, R. (1951). A interpretação do homem. Rio de Janeiro, RJ: Livraria Francisco Alves.

Kehl, R. (1929). Educação e eugenia. Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 1(9), 1-2. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/159808/per159808_1929_00009.pdf

Kehl, R. (1929). Limitação da natalidade. Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 1(12), 1-2. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/159808/per159808_1929_00012.pdf

Kehl, R. (1929). Que é eugenia? Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 1(10), 2-3. Recuperado de http://memoria.bn.br/DocReader/159808/42

Kehl, R. (1931). A campanha da eugenia no Brasil. Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 3(33), 1-2. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/159808/per159808_1931_00033.pdf

Kehl, R. (1931). Só há um caminho.... Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 3(31), 1. Recuperado de http://memoria.bn.br/DocReader/159808/180

Kehl, R. (1932). A eugenia na pratica individual. Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 4(40), 4-6. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/159808/per159808_1932_00040.pdf

Kehl, R. (1933). Hildegart. Boletim de Eugenia, Rio de Janeiro, 5(41), 3. Recuperado de http://memoria.bn.br/docreader/159808/328

Kehl, R. (1958). Tipos vulgares: introdução à psicologia da personalidade (contribuição à psicologia prática). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Kinoshita, C., & Rocha, H. P. (2013). Renato Kehl, Víctor Delfino e Alfredo Verano: circulação de ideias eugênicas entre Brasil e Argentina. In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação, Cuiabá, MT. Recuperado de http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe7/pdf/03-%20FONTES%20E%20METODOS%20EM%20HISTORIA%20DA%20EDUCACAO/RENATO%20KEHL%20VICTOR%20DELFINO%20E%20ALFREDO%20VERANO.pdf

Kripka, R. M. L., Scheller, M., & Bonotto, D. L. (2015). Pesquisa documental: considerações sobre conceitos e características na pesquisa qualitativa. VI Simpósio Internacional de Educação e Comunicação. Atas, 243-247. Recuperado de https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2015/article/view/252

Lewontin, R. C. (2000). Biologia como ideologia: a doutrina do DNA. Tradução e revisão: Francisco A. Moura Duarte, Francine Muniz e José Tadeu Sales. Ribeirão Preto, SP: FUNPEC-RP.

Lobato, M. (1959). A barca de Gleyre (Vol. 2). Globo Livros.

Lobato, M. (2009). O presidente negro. Globo Livros.

Martins, A. F. P. (2007). História e filosofia da ciência no ensino: há muitas pedras nesse caminho... Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 24(1), 112-131. https://doi.org/10.5007/%25x.

Martins, L. A. P. (1993). A teoria da progressão dos animais de Lamarck. 403 f. Dissertação (Mestrado em Genética). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/317264

Martins, L. (2015). A herança de caracteres adquiridos nas teorias “evolutivas” do século XIX, duas possibilidades: Lamarck e Darwin. Filosofia e História da Biologia, 10(1), 67-84. Recuperado de http://www.abfhib.org/FHB/FHB-10-1/FHB-10-1-05-Lilian-Pereira-Martins.pdf

Martins, L. A. P., & Prestes, M. E. (2016). Mendel e depois de Mendel. Genética na Escola, v. 11, n. 2, 2016. Recuperado de https://docs.wixstatic.com/ugd/b703be_5ecd53b0f4e542a0b407dcab76c4d1ec.pdf

Martins, L. A. C. P. (2005). História da ciência: objetos, métodos e problemas. Ciência & Educação (Bauru), 11(2), 305-317. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n2/10.pdf

Masiero, A. L. (2014). A psicopatologia na obra de Renato Ferraz Kehl. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 7(2), 164-178. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202014000200005

Matthews, M. S. (1995). História, filosofia e ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 12(3), 164-214. https://doi.org/10.5007/%25x

Meglhioratti, F. A., de Andrade, M. A. B. S., & Caldeira, A. M. A. (2010). Ensino de Biologia: a necessária compreensão das relações entre biologia e ideologia. In: Ferraz, D. F. et al. As ciências biológicas em diferentes contextos. Cascavel: Editora e Gráfica Universitária – EDUNIOESTE, 9-26.

Moraes, P. R. B. de. (1997). O Jeca e a cozinheira: raça e racismo em Monteiro Lobato. Revista de Sociologia e Política, (08), 99-112. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/rsp/article/view/39322

Moreira, F. M. (2011). O cânone literário brasileiro: preconceito e eugenia em "O Presidente Negro", de Monteiro Lobato. (Dissertação de mestrado em Letras.). Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI. Recuperado de http://www.fw.uri.br/NewArquivos/pos/dissertacao/26.pdf

Nalli, M. (2005). Antropologia e racismo no discurso eugênico de Renato Kehl. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política, 1(47), 119-146. Recuperado de http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/ar ticle/view/47/40

Oki, M. D. C. M., & Moradillo, E. F. D. (2008). O ensino de história da química: contribuindo para a compreensão da natureza da ciência. Ciência & Educação (Bauru), 14(1), 67-88. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000100005.

Oliveira, J. A. de, Cioglia, E., & Gomes, S. A. (2012). Entre Deus e o diabo: o pensamento de Maquiavel à luz do mito do maquiavelismo. Direito Izabela Hendrix, 8(8), 50-54. HTTP://DX.DOI.ORG/10.15601/2237-955X/DIH.V8N8P50-54.

Orlandi, E. P. (1999). Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes.

Pena, S. D. (2005). Razões para banir o conceito de raça da medicina brasileira. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 12(2), 321-346. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702005000200006

Pinheiro, N. A. M., Silveira, R. M. C. F., & Bazzo, W. A. (2007). Ciência, tecnologia e sociedade: a relevância do enfoque CTS para o contexto do ensino médio. Ciência & Educação (Bauru), 13(1), 71-84. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132007000100005

Ribeiro, F. C. (2015). “O Presidente Negro”: uma distopia de Monteiro Lobato. CADUS-Revista de Estudos de Política, História e Cultura. 1(1), 76-81. Recuperado de http://revistas.pucsp.br/polithicult/article/view/23770/17043

Rocha, D., & Deusdará, B. (2005). Análise de conteúdo e análise do discurso: aproximações e afastamentos na (re) construção de uma trajetória. Alea: Estudos Neolatinos, 7(2), 305-322. https://dx.doi.org/10. 1590/S1517-106X2005000200010

Sá-Silva, J. R., de Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 1-15. Recuperado de https://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/6

Silva, A. L. D. S., & Goellner, S. V. (2008). " Sedentárias" e coquettes à margem: corpos e feminilidades desviantes na obra de Renato Kehl. Pensar a Prática: revista da pós-graduação em Educação Física. Goiânia. 11(3) (set./dez. 2008), p. 251-259. Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/87005

Silva, A. L. S. (2008). A perfeição expressa na carne: e educação física no projeto eugênico de Renato Kehl-1917 a 1929. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) – Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS. Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/14736

Silva, C. C., & de Andrade Martins, R. (2003). A teoria das cores de Newton: um exemplo do uso da história da ciência em sala de aula. Ciência & Educação, 9(1), 53-65. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000100005.

Silva, M. C., & Mendes, O. M. (2015). As marcas do machismo no cotidiano escolar. Caderno Espaço Feminino, 28(1), 90-99. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/31723

Silveira, É. (2005). Sanear para integrar: a cruzada higienista de Monteiro Lobato. Estudos Ibero-Americanos, 31(1), 181-200. http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2005.1.1332

Silveira, F. L. D., & Ostermann, F. (2002). A insustentabilidade da proposta indutivista de "descobrir a lei a partir de resultados experimentais". Caderno Brasileiro de Ensino de Física. 19, 7-27. https://doi. org/10.5007/%25x.

Silveira, M. P. D. (2013). Literatura e ciência: Monteiro Lobato e o ensino de Química. Tese (Doutorado em Ciências) - Interunidades de Ensino de Ciências da Universidade de São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-01122014-153625/pt-br.php

Smaniotto, E. I. (2012). Eugenia e literatura no Brasil: apropriação da ciência e do pensamento social dos eugenistas pelos escritores brasileiros de ficção científica (1922 a 1949). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/100996

Soihet, R. (2000). A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres e a militância feminista de Bertha Lutz. Revista Brasileira de Educação, (15), 97-117. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000300007&lng=en&tlng=pt

Souza, V. S. D. (2006). A política biológica como projeto: a eugenia negativa e a construção da nacionalidade na trajetória de Renato Kehl (1917-1932). (Dissertação de mestrado em História das Ciências da Saúde), Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/6134

Vannucchi, A. I. (1996). História e filosofia da ciência: da teoria para a sala de aula. Dissertação. - Universidade de São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-15062005-164939/pt-br.php

Vimieiro-Gomes, A. C. (2016). Biotipologia, regionalismo e a construção de uma identidade corporal brasileira no plural, década de 1930. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 23(1). Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702016000900111&script=sci_arttext&tlng=es

Wegner, R., & Souza, V. S. D. (2013). Eugenia ‘negativa’, psiquiatria e catolicismo: embates em torno da esterilização eugênica no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 20(1), 263-288. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702013005000001.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n1p213

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License