O ESPAÇO NÃO FORMAL E O ENSINO DE CIÊNCIAS: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE CIÊNCIAS E PLANETÁRIO DO PARÁ

Endell Menezes de Oliveira, Ana Cristina Pimentel Carneiro de Almeida

Resumo


A todo o momento, outras formas de se fazer e pensar o ensino batem às portas das escolas e convidam para repensar a relação desta com a comunidade. Os espaços não formais de educação, cada vez mais, vêm constituindo um campo de investigação na área do ensino de ciências. Os Museus de Ciências tornam-se espaços atrativos para o público em geral e em especial ao escolar, onde professores buscam outras maneiras de ensinar e de potencializar a aprendizagem na educação básica. Nesta perspectiva, o objetivo deste trabalho foi o de analisar como ocorre o ensino de ciências no Centro de Ciências e Planetário do Estado do Pará (CCPP). O trabalho tem uma abordagem de cunho qualitativo, utilizando como estratégia o estudo de caso (único e holístico), e para a descrição e análise dos dados utilizou-se a Análise Textual Discursiva (ATD). Os sujeitos da pesquisa são graduandos de licenciatura (biologia, física e química) que atuam como monitores no CCPP. A partir dos dados obtidos observa-se que a divisão entre ensino de ciências formal/não formal/ informal é uma linha tênue, permeável, que permite que características transpassem as definições herméticas da literatura da área. Constatou-se que ocorrem diversas características formais/informais no ensino de ciências não formal. O ensino de ciências híbrido aflora na pesquisa como possibilidade de mistura de espaços, de públicos, metodologias e objetivos. Considera-se com a discussão que o campo do ensino de ciências não formal vem se constituindo como área de investigação expoente e de encontro inevitável para as escolas, universidades e para a sociedade como um todo.


Palavras-chave


Ensino de Ciências; Educação Científica; Espaço Não Formal

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, G. O., Zanitti, M. H. R., Carvalho, C. L., Dias, E. W., Gomes, A. D. T., & Coelho, F. O. (2017). O Planetário como ambiente não formal para o ensino sobre o sistema solar. Revista Latino-Americano de Educação em Astronomia, (23), 67-86. Recuperado de http://www.relea.ufscar.br/index.php/relea/article/view/279

Ballalai, R. (1983). Educação formal e educação não-formal: momento de síntese. Em Aberto, Brasília, 2(18), 1-10. http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.2i18.2467

Bendrath, E. A. A. (2014). Educação Não-Formal a partir dos relatórios da UNESCO. (Tese de doutorado.) Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente: UNESP. Recuperado de http://www2.fct.unesp.br/pos/educacao/teses/2014/dr/eduard_bendrath.pdf

Bordenave, J. D. (1977). Comentários ao documento básico do Prof. Pierre Furter. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 1, 63-69.

Carron, G., & Carr-Hill, R. A. (1991). Non formal education: information and Planning issues. IIEP Reaserch Report, Paris, 90. Recuperado de https://www.assonur.org/sito/files/unesco%20and%20non%20formal%20education.pdf

Cascais, M. G. A., & Fachín-Terán, A. (2014). Educação formal, informal e não formal na educação em ciências. Ciência em Tela, 7(2). Recuperado de http://www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/0702enf.pdf

Catarino, G. F. C., Queiroz, G. R. P. C., & Barbosa-Lima, M. C. A. (2017). O formal, o não formal e as outras formas: a aula de física como gênero discursivo. Revista Brasileira de Educação. 22(69), 499-517. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782017226925

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, (22), 89-100. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a09.pdf

Coombs, P. H., & Ahmed, M. (1974). Attacking rural poverty: How nonformal educational can help. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. (Tradução: Luciana de Oliveira da Rocha, 2a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Demo, P. (1977). Comentários a Furter e ao seminário. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 1(1), 71-76.

Fávero, O., & Valla, O. (1977). Educação extra-escolar no Brasil: revisão de conceitos básicos. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 1(1), 53-61. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/fe/article/view/60421

Furter, P. (1977a). Existe a formação extra-escolar? Os problemas dos diagnósticos e dos inventários. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 1(1), 5-61.

Furter, P. (1977b). Os paradoxos da educação extra-escolar ou “a gênese está no fim”; comentários à guisa de conclusão para o seminário sobre O Estudo da Educação Extra-Escolar no Brasil. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 1(2), 3-15.

Gadotti, M. (2005). A questão da educação formal/ não-formal. Institut International Des Droits De’Enfant (IDE) Droit à l’éducation: solution à tous les problèmes ou problème sans solution? Sion (Suisse).

Gohn, M. G. (2009). Educação não-formal, educador (a) social e projetos sociais de inclusão social. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, 1(1), 28-43. Recuperado de http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/viewFile/1/5

Gohn, M. G. (2006). Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Avaliação e políticas públicas em Educação, 14(50), 7-38. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n50/30405.pdf

Garcia, V. A. (2009). A educação não-formal como acontecimento. (Tese de doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-18082015-135957/pt-br.php

Hoopers, W. (2006). Non-Formal Education and basic education reform: a conceptual review. International Institute for Educational Planning. UNESCO, Paris. Recuperado de https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000144423

Jacobucci, D. F. C. (2008). Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em extensão, 7(1),55-66. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20390/10860

INEP - Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais. (1980). Tipologias da educação extra-escolar. Anexos (Série estudos e pesquisas, 5). Brasília. Recuperado de http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002520.pdf

La Belle, T. J. (1982). Formal, nonformal and informal education: a holistic perspective on lifelong learning. International Review of Education, 28(2), 158-175. Recuperado de https://link.springer.com/article/10.1007/BF00598444

Marranghello, G. F., Lucchese, M. M., Kimura, R. K., Irala, C. P., Dummer, L. M. E., & Machado, J. P. O. (2018). Planetário da UNIPAMPA e a divulgação da ciência na região da campanha Sulriograndense. Revista Pesquisa e Debate em Educação, 8(2), 423-444. Recuperado de http://www.revistappgp.caedufjf.net/index.php/revista1/article/view/251

Marandino, M. (2017). Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciência e Educação (Bauru), 23(4), 811-816. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320170030001

Moraes, L. D., & Silveira, I. F. (2019). O Estado da Arte da pesquisa em educação não formal em Astronomia no Brasil: uma análise de Teses e Dissertações. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 10(3), 188-203. http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2261/1137

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2011). Uma tempestade de Luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. In R. Moraes (Org.). Análise textual discursiva. (4a. ed.). Ijuí, RS: Uniiuí.

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2006). Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação (Bauru), 12(1), 117-128. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v12n1/08.pdf

Oliveira, M. M. (2014). Como fazer pesquisa qualitativa. (6a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Planetário. Centro de Ciências e Planetário do Estado do Pará. Recuperado de https://paginas.uepa.br/planetario/

Queiroz, A. G. A., Teixeira, H. B., Veloso, A. S., Fachín-Terán, A. F., & Queiroz, A. G. (2011). Caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. Revista Areté, Manaus, 4(7), 12-23. Recuperado de http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/20

Resende, K. A. A. (2017). Interação entre o planetário e a escola: justificativas, dificuldades e propostas. (Dissertação de mestrado em Ensino). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de https://www.iag.usp.br/pos/sites/default/files/d_kizzy_a_resende_corrigida.pdf

Rogers, A. Looking again at non-formal and informal education: towards a new paradigm.(2004). In Non-formal education: flexible schooling or participatory education? Hong Kong: The University of Hong Kong. Recuperado de http://www.infed.org/biblio/non_formal_paradigm.htm

Santos, J. R. V., & Dalto, J. O. (2012). Sobre análise do conteúdo, análise textual discursiva e análise narrativa: investigando produções escritas em matemática. V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Anais... Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de http://www.sbem.com.br/files/v_sipem/PDFs/GT08/CC03178308997_A.pdf

Santos, L. F. F., Pedrosa, L. L., & Aires, J. A. (2017). Contribuições da Educação Não Formal para Educação Formal: Um estudo de visitas de alunos da Educação Básica ao Departamento de Química da UFPR. ACTIO: Docência em Ciências, Curitiba, 2(1), 456-473. http://dx.doi.org/10.3895/actio.v2n1.6804

Szymanski, H. (2004). Entrevista Reflexiva: um olhar psicológico sobre a entrevista em pesquisa. In H. Szymanski (Org.). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília, DF: Liver Livro.

Vasconcelos, S. M., & Bastos, M. P. F. A. (2017). Ciência está em tudo! Belém, PA: Marques.

Yano, V. T. B. (2017). Formação inicial e subjetividade docente no Centro de Ciências e Planetário. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém, PA. Recuperado de http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/8499

Yano, V. T., Gonçalvez, C. J. G., Elias Filho, M. R., Castro, S. M. V., & Silva, M. D. B. (2015). A importância do espaço não formal Centro de Ciências e Planetário do Pará “Sebastião Sodré da Gama” para o Ensino de Física no Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Ciências Naturais, 1(1), 66-71. Recuperado de https://paginas.uepa.br/seer/index.php/rbecn/article/view/484




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p345

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License