ESTÁGIO SUPERVISIONADO & IMAGINÁRIO: A ARTICULAÇÃO DA IDENTIDADE, DA AUTORIA, DAS RELAÇÕES DE PODER E DA ALTERIDADE NA CONSTRUÇÃO DO DIÁRIO DE PRÁTICA

André Luis Silva, Odete Pacubi Baierl Teixeira

Resumo


Este trabalho analisa como o imaginário de um professor em formação inicial articula as relações de poder, a construção de identidade, o processo de autoria e as relações de alteridade. Para isso, analisamos o discurso de um licenciando a partir de seus dezenove relatos em diário de prática produzidos durante as atividades de estágio no âmbito da disciplina anual “Prática de Ensino e Estágio Supervisionado II”, componente curricular de um curso de licenciatura em Física. Concluímos que a identidade docente, o processo de autoria e as relações de poder e de alteridade estabelecidas entre o licenciando e o outro são interdependentes, móveis e articuladas pelo licenciando dialeticamente nas mobilizações das imagens sobre o discurso escolar durante as escolhas de estratégias didáticas. Discutimos sobre algumas implicações desses resultados na formação de professores, assim como indicamos possibilidades formativas na interação entre o docente e o licenciando, com base nas informações que os licenciandos oferecem em seus relatos.

Palavras-chave


Estágio curricular supervisionado; Imaginário; Diário de prática; Estratégias didáticas; Formação inicial de professores

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. J. P. M. (2012). O imaginário de estudantes de licenciatura sobre exercícios em aulas de física. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, 22(23), 57-71. DOI: 10.14572/nuances.v22i23.1750

André, M., & Cruz, G. B. (2012). A produção do conhecimento didático na RBEP (1998-2010). Revista brasileira de estudos pedagógicos, Brasília, 93(234), (número especial), 443-462. Recuperado de http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/449

Bakhtin, M. M. (2010a). Problemas da poética de

Dostoievski (5a ed.). Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bakhtin, M. M. (Volochínov, V.). (2010b). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem (14a ed.). Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. M. (2011). Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes.

Bastos, F., Nardi, R., Diniz, R. E. S. & Caldeira, A. M. A. (2004). Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem em Ciências: revisitando os debates sobre construtivismo. In R. Nardi; F. Bastos & R.E.S. Diniz (Orgs.), Pesquisas em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores (5a ed.), (pp. 9-55). São Paulo: Escrituras.

Bejarano, N. R. R., & Carvalho, A. M. P. (2003). Tornando-se professor de ciências: crenças e conflitos. Ciência e Educação, Bauru, 9(1), 1-15. DOI: 10.1590/S1516-73132003000100001

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto Editora.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Pérez, D. (2011). Formações de professores de ciências: tendências e inovações (10a. ed.). São Paulo: Cortez.

Carvalho, A. M. P., & Gonçalves, M. E. R. (2000). Formação continuada de professores: o vídeo como tecnologia facilitadora da reflexão. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, (111), 71-94. DOI: 10.1590/S0100-15742000000300004

Cavalheiro, J. S. (2008). A concepção de autor em Bakhtin, Barthes e Foucault. Signum: Estud. Ling., Londrina, 2(11), 67-81.

Chamlian, H. C. (2001). A disciplina: uma questão crucial na didática. In A. D. Castro & A. M. P. Carvalho. (Orgs.), Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média (pp. 75-93). São Paulo: Pioneira.

Davis, C., & Luna, S. (1991). A questão da autoridade na educação. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, (76), 65-70. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1056

Deleuze, G. (2008). Política. (Post-scriptum sobre as sociedades de controle). Conversações (7a ed.), (pp. 219-226). Tradução de Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Editora 34.

Felício, H. S., & Oliveira, R. A. (2008). A formação prática de professores no estágio curricular. Educ. Rev., Curitiba, 2(32), 215-232. DOI: 10.1590/S0104-40602008000200015

Fiorin, J. L. (2006). Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática.

Foucault, M. (2002). A verdade e as formas jurídicas (3a ed.). Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: NAU.

Foucault, M. (2006). Ditos e Escritos – Estética: literatura e pintura; música e cinema (2a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2009). Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes.

Galiazzi, M. C, & Lindemann, R. H. (2003). O diário de estágio: da reflexão pela escrita para a aprendizagem sobre ser professor. Olhar de professor, Ponta Grossa, 6(1), 135-150. Recuperado de http://www.revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/viewFile/1396/1041

Garrido, E. (2001). Sala de aula: espaço de construção do conhecimento para o aluno e de pesquisa e desenvolvimento profissional para o professor. In A. D. Castro & A. M. P. Carvalho. (Orgs.), Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média (pp. 124-141). São Paulo: Pioneira.

Hofstein, A., & Lunetta, V. (2004). The laboratory in science education: foundations for twenty-first century. Science & Education, 88(1), 28-54. DOI:10.1002/sce.10106

Luckesi, C. (2005). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições (17a ed). São Paulo: Cortez.

Melo, J. R. B. (2014) O discurso Bivocal. In Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso (GEGe). Palavras e contrapalavras: constituindo o sujeito em alter-ação. (pp. 112-119) São Carlos: Pedro & João Editores.

Monteiro, M. A. A. (2006). Um estudo da autonomia docente no contexto do ensino de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental. 2006. 305 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência, Faculdade de Ciências, UNESP, Bauru).

Morin, E. (1977). O Cinema ou o Homem Imaginário. Tradução de António-Pedro Vasconcelos. Lisboa: Relógio d’Água.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro (2a ed.). Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez, Brasília/DF: UNESCO.

Morin, E. (2003). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução de Eloá Jacobina. (8a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo (3a ed.). Tradução de Eliane Lisboa. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. (2011). Ética e imaginário: os complexos imaginários. In A. Pena Vega; C. R. S. Almeida; I. Petraglia. (Orgs.), Edgar Morin: ética, cultura e educação (4a ed.), (pp. 89-103). São Paulo: Cortez.

Mortimer, E. F. (1995). Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? In III Escola de Verão para Professores de Prática de Ensino de Física, Química e Biologia, 1994, Serra Negra. Coletânea. São Paulo: FEUSP, p. 56-74.

Nardi, R., & Castiblanco, O. (2014). Didática da Física. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Nóvoa, A. (1995). Formação de professores e profissão docente. In A. Nóvoa. (Org.), Os professores e a sua formação (2a. ed.), (pp. 15-33). Tradução de Graça Cunha et. al. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Orlandi, E. L. P. (1995). Texto e discurso. In O Texto em Perspectiva. Organon, Porto Alegre, 29(23), 111-118.

Orlandi, E. L. P. (1997). As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas, S. R: Editora da Unicamp.

Orlandi, E. L. P. (2005). Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.

Orlandi, E. L. P. (2008). Discurso e Leitura (8a ed). São Paulo: Cortez.

Orlandi, E. L. P. (2009). O que é linguística (2a ed.)São Paulo: Brasiliense.

Paula, L. de. (2013). Círculo de Bakhtin: uma Análise Dialógica de Discurso. Revista de Estudos da Linguagem. Belo Horizonte, 21(1), 239-258. DOI: 10.17851/2237-2083.21.1.239-258

Pêcheux, M. (1988). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio (Coleção Repertórios). Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi et. al. Campinas: Editora da Unicamp.

Pêcheux, M. (1997). Análise automática do discurso (AAD-69). In Gadet, F. & Hak,T. (Orgs.), Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux (pp. 61-161). Tradução de Bethania S. Mariani et al. Campinas: Editora da UNICAMP.

Pimenta, S. G., Fusari, J. C., Almeida, M. I., & Franco, M. A. R. S. (2013). A construção da Didática no GT Didática – análise de seus referenciais. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 18(52), 143-241. DOI:10.1590/S1413-24782013000100009

Pimenta, S. G., & Lima, M. S. L. (2012). Estágio e Docência – Teoria e Prática: Diferentes Concepções. In T. S. A. M. Brabo; A. P. Cordeiro& S. G. C. Milanez. (Orgs.), A formação da pedagoga e do pedagogo: pressupostos e perspectivas (pp. 133-152). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Popkewitz, T. S. (1995). Profissionalização e formação de professores: algumas notas sobre a sua história, ideologia e potencial. In A. Nóvoa. (Org.), Os professores e a sua formação (2a. ed.), (pp. 35-50). Tradução de Graça Cunha et. al. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Posner, G. J., Strike, K. A., Hewson, P.W., & Gertzog, W. A. (1982). Accommodation of a scientific conception: toward a theory of conceptual change. Science Education, 66(2), 211-27.DOI: 10.1002/sce.3730660207

Sommer, L. H. (2007). A ordem do discurso escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 12(34), 57-67. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a05v1234.pdf

Sorpreso, T. P., Almeida, M. J. P. (2008). Aspectos do imaginário de licenciandos em Física numa situação envolvendo a resolução de problemas e a questão nuclear. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, 25(1), 77-98. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/download/2175-7941.2008v25n1p77/5762

Souza, A. P. G., Carneiro, R. F. C., Perez, S. M., Oliveira, E. R., Reali, A. M. M. R., & Oliveira, R. M. M. A. (2012). A escrita de diários na formação docente. Educação em revista, Belo Horizonte, 28(1), 181-210. DOI: 10.1590/S0102-46982012000100009

Zabalza, M. A. (1994). Diários de aula. Tradução de José Augusto Pacheco e José Machado. Portugal: Porto Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p195

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License