A DISCIPLINA DE BIOLOGIA NO CURRÍCULO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

Jennifer Caroline de Sousa

Resumo


O Currículo Oficial do Estado de São Paulo foi produzido em um contexto de profunda renovação de documentos curriculares no Brasil. Atualmente, o cenário construído a partir da recente homologação da Base Nacional Comum Curricular imputa às unidades federadas uma nova fase de remodelamento de seus currículos. Neste trabalho se apresenta uma análise do currículo de Biologia proposto para a rede estadual de São Paulo tomando como questões centrais a relação entre os pressupostos teóricos e a definição de conteúdos e habilidades para esse componente curricular e a compatibilização entre a oferta de um núcleo comum de conhecimentos e a representação da diversidade. A análise de conteúdo realizada sobre o documento curricular base e os Cadernos do Professor permitiu inferir que o currículo de Biologia ainda atende a um perfil mais academicista com a valorização de conteúdos e habilidades que requerem o domínio de conceitos estritos da ciência de referência e não inclui de forma expressiva a representatividade cultural. Considerando o poder de legitimação dos currículos prescritivos sobre determinadas perspectivas na educação, aqui se defende a necessidade da problematização dos novos perfis curriculares em atual processo de construção com relação aos aspectos mencionados e às demandas do nosso contexto sociocultural.

Palavras-chave


Currículo; Ensino de Biologia; Educação Básica

Texto completo:

PDF

Referências


Anjos, S. R. S., & Roxo, V. M. M. S. (2014). Relações étnico-raciais no Ensino de Biologia: institucionalização da lei 10.639/03. Cadernos PDE, 1, 2-22. Recuperado de http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_ufpr_bio_artigo_silvia_regina_santos.pdf

Ayres, A. C. M., Lima-Tavares, D., Ferreira, M. S., & Selles, S. E. (2012). Licenciaturas de curta duração (1965 e 1974) e disciplina escolar ciências: aproximações sócio-históricas. In S. E. Selles & M. Cassab (Orgs.). Currículo, docência e cultura (pp. 53-74). Niterói, RJ: EdUFF.

Bago, M. L., Pérez, R. J., & Bernal, B. V. (2013). ¿Qué metodología empleamos cuando enseñamos sexualidad y reproducción humana en la ESO? Estudio de un caso. In IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias. (pp. 2042-2046). Girona, España. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/307725/397701

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Batista, A. A. G., Barretto, E. S. S., Gusmão, J. B., & Ribeiro, V. M. (2015). Renovação dos documentos curriculares dos anos finais do ensino fundamental nos estados brasileiros: (2009-2014). Cadernos Cenpec, 5(2), 138-165. http://dx.doi.org/10.18676/cadernoscenpec.v5i2.336

Caldeira, A. M. A., & Silva, P. R. (2012). O papel da alfabetização científica na Educação Básica. In E. M. Zanata, A. M. A. Caldeira, & R. M. Lepre (Orgs.). Cadernos de Docência na Educação Básica I (pp. 9-18). São Paulo, SP: Cultura Acadêmica.

Cassab, M. (2012). Cadernos escolares: fontes para o estudo histórico da disciplina escolar Biologia. In S. E. Selles, & M. Cassab (Orgs.). Currículo, docência e cultura (pp. 25-51). Niterói, RJ: Eduff.

Chalmers, A. F. (1993). O que é ciência, afinal? São Paulo, SP: Brasiliense.

Chion, A. R., Bonan, L., & Meinard, E. (2005). Salud sexual y salud reproductiva: necesidad de una separación. In VII Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias. (pp. 1-5). Granada, España. Recuperado de https://ddd.uab.cat/pub/edlc/edlc_a2005nEXTRA/edlc_a2005nEXTRAp250salsex.pdf

Dávila, J. (2005). As relações entre raça e estado no Brasil: contribuições para discussão no Ensino de Biologia. In M. Marandino, S. E. Selles, M. S. Ferreira, & A. C. R. Amorim (Orgs.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 15-36). Niterói, RJ: Eduff.

Dussel, I. (2009). A transmissão cultural assediada: metamorfoses da cultura comum na escola. Cadernos de Pesquisa, 39(137), 351-365. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742009000200002

Forquin, J. C. (1993). Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre, RS: Artmed.

Fourez, G. (2003). Crise no Ensino de Ciências? Investigações em Ensino de Ciências, 8(2), 109-123. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/542/337

Goodson, I. (1997). A construção social do currículo. Lisboa, Portugal: Educa.

Guimarães, L. B. (2008). Uma ética relativa ao ‘cuidado de si’ e o Ensino de Biologia. In M. G. Pereira, & A. C. R. Amorim (Orgs.). Ensino de Biologia: fios e desafios na construção de saberes (pp. 259-272). João Pessoa, PB: Editora Universitária/UFPB.

Habermas, J. (2014). Técnica e ciência como “ideologia”. São Paulo, SP: Unesp.

Krasilchik, M. (1986). Prática de Ensino de Biologia (2a ed.). São Paulo, SP: Harper & Row do Brasil.

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85-93. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000100010

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (2015). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas (2aa ed.). Rio de Janeiro, RJ: E.P.U.

Macedo, E. (2005). Esse corpo das ciências é o meu? In M. Marandino, S. E. Selles, M. S. Ferreira, & A. C. R. Amorim (Orgs.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 131-140). Niterói, RJ: Eduff.

Macedo, E. (2015). Base Nacional Comum para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educação & Sociedade, 36(133), 891-908. http://dx.doi.org/10.1590/ES0101-73302015155700

Maturana, H. (2002). Emoções e linguagem na Educação e na Política. Belo Horizonte, MG: Ufmg.

Mesko, A. S. R. (2018). O Programa “Educação – Compromisso de São Paulo” e as estratégias de implementação das políticas empresariais na Gestão Escolar. 2018. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/331690/1/Mesko_AndressaDeSousaRodrigues_M.pdf

Moreira, A. F., & Silva, T. T. (2013). Currículo, cultura e sociedade (12a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Ricardo, E. C. (2010). Discussão acerca do ensino por competências: problemas e alternativas. Cadernos de Pesquisa, 40(140), 605-628. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742010000200015

Sacristán, J. G. (1995). Currículo e Diversidade Cultural. In T. T Silva, & A. F. Moreira (Orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais (pp. 82-113). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sacristán, J. G. (1998). O currículo: os conteúdos do ensino ou uma análise prática? In J. G. Sacristán, & A. I. Pérez-Gómez (Orgs.). Compreender e transformar o currículo (pp. 119-148). (4a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Sampaio, M. M. F. (Org.). (2010). Relatório de análise de propostas curriculares de ensino fundamental e médio. Brasília, DF: MEC/SEB. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relatorio_seb_anlisepropostas_ef_em.pdf

SEE/SP - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2008). Proposta Curricular do Estado de São Paulo. São Paulo, SP: SEE. Recuperado de http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/18/arquivos/PropostaCurricularGeral_Internet_md.pdf

SEE/SP - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2012). Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Recuperado de https://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/780.pdf

SEE/SP - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2014a). Caderno do Professor: Biologia – 2º ano do Ensino Médio (vol. 1, ed. 2014-2017). São Paulo, SP: SEE. Recuperado de https://docs.google.com/file/d/1J1DtoTpJykPtDB3t3lVleZx94RPcpwhy/view

SEE/SP - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2014b). Caderno do Professor: Biologia – 3º ano do Ensino Médio (vol. 2, ed. 2014-2017). São Paulo, SP: SEE. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/0B8yEu8H8nQ_zWTYwZHJQQ0FMTTA/view

SEE/SP - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2016). Matriz de Avaliação Processual: biologia, física e química, ciências da natureza (encarte do professor). São Paulo, SP: SEE. Recuperado de https://midiasstoragesec.blob.core.windows.net/001/2018/10/5bd086f1c28f3-5bd086f1c28f7biologia-fisica-e-quimica-pdf.pdf

Selles, S. E., & Ferreira, M. S. (2005). Disciplina escolar Biologia: entre a retórica unificadora e as questões sociais. In M. Marandino, S. E. Selles, M. S. Ferreira, & A. C. R. Amorim (Orgs.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 50-62). Niterói, RJ: Eduff.

Silva, E. P. Q. (2005). Quando o corpo é uma (des)construção cultural. In M. Marandino, S. E. Selles, M. S. Ferreira, & A. C. R. Amorim (Orgs.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 141-150). Niterói, RJ: Eduff.

Trivelato, S. (2005). Que corpo/ser humano habita nossas escolas? In M. Marandino, S. E. Selles, M. S. Ferreira, & A. C. R. Amorim (Org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 121-130). Niterói, RJ: Eduff.

Verrangia, D. (2014). Educação científica e diversidade étnico-racial: o ensino e a pesquisa em foco. Interacções, (31), 2-27. https://doi.org/10.25755/int.6368

Vilela, M. L., Gomes, M. M., Cassab, M., & Azevedo, M. (2012). Conhecimentos escolares de Biologia: investigando seleções e mediações didáticas de professores. In S. E. Selles, & M. Cassab (Orgs.). Currículo, docência e cultura (pp. 99-118). Niterói, RJ: Eduff.

Young, M. F. D. (2011). O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, 16(48), 609-681. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n48/v16n48a05.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p325

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License