UM OLHAR PARA OS TRANSGÊNICOS NAS ÁREAS DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÔES PARA A FORMAÇÂO DE PROFESSORES

André Luís Franco da Rocha, Gladis Teresinha Slonski

Resumo


Considerando a relevância da dimensão política e social da alimentação e dos processos de sua produção, o estudo teve como objetivo identificar como os transgênicos estão sendo reconhecidos nos trabalhos científicos ligados às áreas de pesquisa no Ensino de Ciências e Educação Ambiental. Além disso, analisamos como os trabalhos buscam discutir pedagogicamente a temática. Para tanto, realizamos um levantamento bibliográfico nos principais periódicos das respectivas áreas. Dentre os trinta periódicos selecionados inicialmente, oito continham artigos relacionados ao tema “transgênicos”, sendo selecionados para a análise quatorze artigos publicados entre 2007 e 2015.  Foram analisados os focos temáticos de investigação dos trabalhos, buscando construir categorias de análise que expressassem as formas de apropriação do tema “transgênicos” nas áreas, intentando refletir sobre a importância e possíveis efeitos desta produção na formação de professores de Ciências e Biologia. Observamos em nossas análises que os artigos, em sua maioria, parecem voltados a avaliar os professores, propondo, quando presentes, indicações metodológicas genéricas, que não possibilitam um subsídio pedagógico e formativo mais concreto aos professores atuantes nas escolas.

Palavras-chave


Transgênicos; Controvérsias sociocientíficas; Ensino de Ciências; Educação ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


Altarugio, M. H.,Diniz, M. L., & Locatelli, S. W. (2010). O Debate como Estratégia em Aulas de Química. Química Nova na Escola, 32(1), 26-30.

Auler, D., & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica Para quê? Ensaio-Pesquisa em Educação em Ciências,3(1), 1-13. doi: 10.1590/1983-21172001030104

Auler, D., & Delizoicov, D. (2006). Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de Ciências. Revista Electrônica de Enseñanza de lãs Ciências, 5(2), 337-355.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica (1999). Parâmetros curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC.

Brasil. Parecer CNE/CP 9/2001, de 08 de maio de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, 18 jan. 2002.

Brasil. Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005. Portal do Planalto, 2005.

Brum, W. P., & Schuhmacher, E. (2014). Ética no ensino de Ciências. Ensaio-Pesquisa em Educação em Ciências,16(1), 189-209. doi: 10.1590/1983-21172014160112

Campaner, G., & De Longhi, A. L. (2007). La argumentaciónenEducación Ambiental. Uma estratégia didáctica para La escuela media. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias. 6(2), 442-456.

Delizoicov, D. (2004). Pesquisa em ensino de ciências como ciências humanas aplicadas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 21(2),145-175.

Delizoicov, D. (2005). Resultados da pesquisa em ensino de Ciências: comunicação ou extensão? Caderno Brasileiro de Ensino de Física,22(3), 364-378.

Delizoicov. D.,Angotti, J. A., & Pernambuco. M. M. (2011). Ensino de Ciências: Fundamentos e métodos. (4a ed.) São Paulo: Cortez.

Duso, L., & Hoffmann, M. B. (2013). A discussão das controvérsias sociocientíficas na pesquisa em educação em Ciências: uma revisão narrativa a partir de periódicos no Brasil. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista.3(2), 66-85.

Fonseca, V. B., & Bobrowski, V. L. (2015). Biotecnologia na escola: a inserção do tema nos livros didáticos de Biologia. Revista Acta Scientiae. 17(2), 496-509.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra, Rio de Janeiro.

Freire, P. (2008). Conscientização: Teoria e prática da libertação. São Paulo: Centauro Editora.

Freire. P., & Shor. I. (2011). Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. (13a ed.) São Paulo: Paz e Terra.

Galvão, C., & Reis, P., & Freire, S. (2011). A discussão de controvérsias sociocientíficas na formação de professores. Ciência & Educação. 17(3), 505-522. doi: 10.1590/S1516-73132011000300001

Genovese, C. L. C. R., & Genovese, L. G. R., & Carvalho. W. L. P. (2015). Transgênicos, conformismo e consumo: algumas reflexões para o Ensino de Ciências. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. 8(4), 148-157.

Giroux, H. A. (1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Artes Médicas, Porto Alegre.

Guedes, V. L., & Quitério, J. (2013). Organismos Geneticamente Modificados e educação ambiental: entre polêmicas e o fazer ciência. Educação Ambiental em Ação. 46(1), 1-5.

Klein, T. A. S., & Laburú, C. E. (2012). Multimodos de representação e teoria da aprendizagem significativa: possíveis interconexões na construção do conceito de biotecnologia. Ensaio-Pesquisa em Educação em Ciências, 14(2), 137-152. doi: 10.1590/1983-21172012140209

Krasilchik. M. (1987). O professor e o Currículo de Ciências. São Paulo: EPU.

Krasilchik. M. (2000) Reformas e realidade: o caso do ensino de Ciências. São Paulo em perspectiva, 14(1), 85-93. doi: 10.1590/S0102-88392000000100010

Krasilchik, M. (2008). Prática de Ensino de Biologia. (4a ed.) São Paulo: EDUSP.

Libâneo, J. C. (2013). Didática.(2a ed.) São Paulo: Cortez.

Magalhães Jr, C. A. O., & Pietrocola, M. (2010). Análise de Propostas Para a Formação de Professores de Ciências do Ensino Fundamental. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 3(2), 31-58.

Marcelo Garcia, C. (1999). Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora.

Oliveira, V. L. B., & Rezler. M. A. (2006). Temas contemporâneos no ensino de Biologia do ensino médio. Revista Acta Scientiae, 8(1), 95-104.

Pedrancini, V. D., Corazza-Nunes, M. J., Galuch, M. T. B., Moreira, A. L. O. R., & Ribeiro, A.C. (2007). Ensino e aprendizagem de Biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 299-309.

Pedrancini, V. D., Corazza-Nunes, M. J., Galuch, M. T. B., &Nunes, W. M. C. (2008). Saber científico e conhecimento espontâneo: Opiniões de alunos do ensino Médio sobre transgênicos. Ciência & Educação,14(1), 135-146. doi: 10.1590/S1516-73132008000100009

Pelaez, V. (2010). Antecedentes e conflitos na implementação das leis nacionais de biossegurança. Revista Brasileira de História da Ciência,3(1), 16-30.

Portilho, F., Castañeda, M., & Castro, I. R. R. (2011). A alimentação no contexto contemporâneo: consumo, ação política e sustentabilidade. Ciência & Saúde Coletiva, 16(1), 99-106. doi: 10.1590/S1413-8123201100010001

Ramos, M. B., & Silva, H. C. (2007). Para pensar as controvérsias científicas em aulas de ciências. Ciência & Ensino,[n. especial, 1-17]. Recuperado de http://prc.ifsp.edu.br/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/132/106

Reis, P. R. (2007). Os Temas Controversos na Educação Ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, 2(1), 125-140.

Ribeiro, R. A., & Kawamura, M. R. D. (2014). Educação Ambiental e Temas Controversos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(2), 159-169.

Rocha, A. L. F. (2013). A possibilidade de uma abordagem crítica no ensino de zoologia: das situações-limite à práxis pedagógica. (Dissertação Mestrado em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis).

Russ, R. S. (2014). Epistemology of science Vs. Epistemology for science. Science Education, 98(3), 388-396. doi: 10.1002/sce.21106

Santos, E., & Martins, I. (2009). Ensinar sobre alimentos geneticamente modificados. Contribuições para uma cidadania responsável. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 8(3), 834-858.

Santos. W. L. P. (2008). Educação Cientifica Humanística em Uma Perspectiva Freiriana: Resgatando a função do Ensino de CTS. Alexandria Revista de educação em Ciências e Tecnologia, 1(1), 109-131. R

Silva, L. F., & Carvalho, L. M. (2007). A temática ambiental e o processo educativo: o ensino de física a partir de temas controversos. Ciência & Ensino, [n. especial, 1-12]. Recuperado de: http://prc.ifsp.edu.br/ojs/index.php/cienciaeensino/article/viewFile/152/105

Sousa, G. P., & Teixeira, P. M. M. (2014). Educação CTS e genética. Elementos para a sala de aula: potencialidades e desafios. Experiências em Ensino de Ciências, 9(2), 83-103.

Souza, A. F., & Farias, G. B. (2011). Percepção do conhecimento dos alunos do ensino médio sobre transgênicos: concepções que influenciam na tomada de decisões experiências em ensino de ciências. Experiências em Ensino de Ciências, 6(1), 21-32.

Smyth, J. (1993). Reflective practice in Teacher education. Australian Journal of Teacher Education. 18(1).

Takahashi, J. A.,Martins, P. F. F., & Quadros. A. L. (2008). Questões Tecnológicas Permeando o Ensino de Química: O Caso dos Transgênicos. Química nova na escola, 29(1), 3-7.

UNESCO. (1995). Política de mudança e o desenvolvimento no Ensino Superior. Rio de Janeiro: Garamond.

Villani, A., Pacca, J., & Freitas, D. (2002). Formação do professor de Ciências no Brasil: tarefa impossível? In Atas do VII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física - SC (p.1-20). Recuperado de http://www.cienciamao.usp.br/dados/epef/_formacaodoprofessordecie.trabalho.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p74

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License