"DESCOBRINDO O AMBIENTE": DISCURSO E JOGO DE SENTIDOS EM LIVROS DIDÁTICOS PARA ENSINO DE CIÊNCIAS

Anderson de Carvalho Pereira

Resumo


Este artigo mostra a análise de enunciados que versam sobre meio ambiente, tal como aparecem em dois volumes da série de livros didáticos, intitulada “ciências: descobrindo o ambiente”. O objetivo é mostrar de que modo aparecem efeitos discursivos por meio dos quais a circulação dos “saberes ambientais” é cooptada por mecanismos ideológicos dominantes. Ao tomar como ponto de partida a noção de discurso da Análise de Discurso francesa (AD) foram analisados dois livros didáticos veiculados pelo Programa Nacional do Livro Didático de modo que apontamos haver um mecanismo discursivo que sustenta efeitos de sentido baseados em asserções de absoluta igualdade nos usos do discurso “ambiental”.


Palavras-chave


ciência ambiental; livros didáticos; discurso pedagógico

Texto completo:

PDF

Referências


Assolini, F. E. P. (1999). Pedagogia da leitura parafrástica. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

Authier-Revuz, J. (1998). Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Campinas: Unicamp.

Chetouani, L. (2009). Le discours de controverse scientifique sur l’effet de serre : quelle compétence langagière par/pour l’EEDD ? in Romero, C. Les discours écologistes. Colloque international: Paris.

Coracini, M. J. (1999). O livro didático nos discursos da lingüística aplicada e da sala de aula. In M.J. Coracini (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. (pp. 17-26). Campinas: Pontes.

Faria, A. (1985). Ideologia no livro didático. São Paulo: Cortez.

Garric, N., & Mariscal, V. (2009). L’argument écologique dans les livres-programmes électoraux. In C. Romero. Les discours écologistes. Colloque international: Paris.

Ginzburg, C. (1989). Mitos, emblemas e sinais: morfologia e História. São Paulo: Cia das Letras.

Grigoletto, M. (1999). Leitura e funcionamento discursivo do livro didático. In Coracina, M. J.. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. (pp. 67-77) Campinas: Pontes.

Henry, P. A. (1992). Ferramenta imperfeita: língua, História e discurso. Campinas: UNICAMP.

Hofling, E. M. (2000). Notas para discussão quanto à implementação de programas de governo: em foco o Programa Nacional do Livro Didático. Educação & Sociedade, 21(70), 159-170. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302000000100009

Marpica, N. S. , & Logarezzi, A. J. M. (2010). Um panorama das pesquisas sobre livro didático e educação ambiental. Ciência & Educação.16(1), 115-130.

Maziere, F. (2009). Análise de Discurso. São Paulo: Parábola.

Megid Neto, J., & Fracalanza, H. (2003). O livro didático de ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, 9(2), 147-157. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000200001

Oliveira, N. R. (2008a). Descobrindo o ambiente (2o.ano, 3a ed.) São Paulo, SP: Atual. 2008a. PNLD/FNDE.

Oliveira, N. R. (2008b). Descobrindo o ambiente (3o.ano, 3a ed.) São Paulo, SP: Atual. 2008b. PNLD/FNDE.

Orlandi, E. P. (1987). A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes.

Orlandi, E. P. (1996). Discurso, fato, dado, exterioridade. In Castro, M.P.F. O método e o dado nos estudos da linguagem. Campinas: Unicamp.

Orlandi, E. P. (2001). Interpretação: leitura, autoria e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes.

Pêcheux, M. (1993). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: UNICAMP.

Pêcheux, M. (1997). Ler o arquivo hoje. In E.P. Orlandi (Org.). Gestos de Leitura: da História no discurso. (pp. 55-67). Campinas: UNICAMP.

Pêcheux, M., & Fuchs, C. (1997). A propósito da Análise Automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In F. Gadet & T. Hak (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. (pp. 163-235). Campinas: UNICAMP.

Ramos, R. (2009). Apports pour La caractérisation de la rhétorique « verte » dans la presse généraliste portugaise. In C. Romero. Les discours écologistes. Colloque international: Paris.

Serrani, S. M. (1997). Um método para estudar a discursividade na abordagem de questões socioculturais. In S. M. Serrani. A linguagem na pesquisa sociocultural: um estudo da repetição na discursividade. (pp. 53-71). Campinas: UNICAMP.

Souza, D. M. (1999a). Autoridade, autoria e livro didático. In M. J. Coracini. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. (pp. 27-31). Campinas: Pontes.

Souza, D. M. (1999b). Ideal de escrita e livro didático. In M. J. Coracini. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. (pp. 135-138). Campinas: Pontes.

Tfouni, L. V. (2006). Adultos não-alfabetizados em uma sociedade letrada. São Paulo: Cortez.

Tfouni, L. V., & Tfouni, F.E.V. (2007). “Entra burro, sai ladrão” – o imaginário sobre a escola materializado nos genéricos. Linguagem em (dis)curso – Lem(d), Tubarão, 7(2), 293-311.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n1p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License