A TEORIA DO ENUNCIADO CONCRETO E A INTERPRETAÇÃO METALINGUÍSTICA: BASES FILOSÓFICAS, REFLEXÕES METODOLÓGICAS E APLICAÇÕES PARA OS ESTUDOS DAS CIÊNCIAS E PARA A PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

Nathan Willig Lima, Matheus Monteiro Nascimento, Fernanda Ostermann, Claudio José de Holanda Cavalcanti

Resumo


A linguagem e o discurso desempenham um papel importante nos Estudos das Ciências (Science Studies) e na Pesquisa em Educação em Ciências. Nesse artigo, buscamos contribuir para essa tendência de pesquisa apresentando uma discussão sobre a Teoria do Enunciado Concreto de Bakhtin. Em especial, discutimos como a visão de mundo de Bakhtin se opõe à metafísica kantiana e se apoia em uma filosofia fenomenológica, influenciada pela Física Moderna, pelo Marxismo e pela monadologia de Leibiniz. À luz dessa discussão filosófica, apresentamos, então, sua Teoria do Enunciado Concreto e traduzimos sua visão de mundo em possíveis reflexões metodológicas para os Estudos das Ciências e para a Pesquisa em Educação em Ciências. A partir disso, fazemos uma proposta de “trajetória analítica”, a qual serve como uma sugestão de possível organização da Interpretação Metalinguística de Bakhtin. Por fim, exemplificamos a utilização de tal trajetória analítica.


Palavras-chave


Bakhtin; Metalinguística; Análise do Discurso; Linguagem

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. J. P. M. (2004). Discursos da ciência e da escola: ideologia e leituras possíveis. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Almeida, S. A. d., & Lima, M. E. C. d. C. (2016). Scientists in a magazine: Einstein, Darwin AND Marie Curie inside Ciência Hoje das Crianças magazine. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 18(2), 29-47. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172016180202.

Arendt, H. (2007). A Condição Humana. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universtaria.

Auler, D., & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica pra quê? Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 3(1), 122–134. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172001030203

Bachelard, G. (1985). The new Scientific Spirit. Boston, United States of America: Beacon.

Bakhtin, M. (1986). Dialogic Imagination. Austin, United States of America: University of Texas Press.

Bakhtin, M. (1999). Toward a Philosophy of the Act. Austin, United States of America: University of Texas Press.

Bakhtin, M. (2011). A Estética da Criação Verbal. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2013). Questões de estilística no ensino de língua. São Paulo, SP: Editora 34.

Bakhtin, M. (2016). Os Gêneros do Discurso. São Paulo, SP: Editora 34.

Bakhtin, M. (2017). Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. São Paulo, SP: Editora 34.

Bakhtin, M., & Medvedev, N. (1991). The Formal Method in Literary Scholarship. A Critical Introduction to Sociological Poetics. Baltimore and London: The Johns Hopkins Press.

Bakhtin, M., & Voloshinov, V. N. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo, SP: Hucitec.

Borges, G., & Rezende, F. (2010). Vozes Epistemológicas e Pedagógicas nos Parâmetros Curriculares de Biologia. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia–UFSC: Florianópolis, 3(2), 01-16. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/38095/29070

Bossler, A. P., Baptista, M., Freire, A. M. V., & do Nascimento, S. S. (2009). O estudo das vozes de alunos quando estão envolvidos em atividades de investigação em aulas de Física. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 11(2), 307-319. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172009110210

Braga, S. A., & Mortimer, E. F. (2003). Os gêneros de discurso do texto de biologia dos livros didáticos de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 3(3), 56-74. Recuperado de http://www.cienciamao.usp.br/dados/rab/_osgenerosdediscursodotex.artigocompleto.pdf

Bronckart, J., & Bota, C. (2012). Bakhtin desmascarado. História de um mentiroso, de uma fraude, de um delírio coletivo. (Tradução de Marcos Marcionilo). São Paulo, SP: Parábola.

Catarino, G. F. d. C., Queiroz, G. R. P. C., & Araújo, R. M. X. d. (2013). Dialogismo, ensino de física e sociedade: do currículo à prática pedagógica. Ciência & Educação (Bauru), 19(2), 307-322. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132013000200006

Clark, K., & Holquist, M. (1984). Mikhail Bakhtin. Boston, United States of America: Harvard University Press.

Crepalde, R. d. S., & Aguiar Júnior, O. (2013). A formação de conceitos como ascensão do abstrato ao concreto: da energia pensada à energia vivida. Investigações em Ensino de Ciências, 18(2), 299-325. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/132/92

Derrida, J. (1997). Of Grammatology (Vol. 87). Baltimore, United States of America: The John Hopkins University Press.

Eco, U. (1981). Lector in fabula. La cooperación interpretativa en el texto narrativo. Barcelona, España: Editorial Lumen.

Einstein, A. (1905). On the electrodynamics of Moving Bodies. In The Collected papers of Albert Einstein. Volume 2 (pp. 140–171). Princeton, United States of America: Princeton University Press.

Einstein, A. (1999). A Teoria da Relatividade Especial e Geral. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

Emerson, C. (1983). The outer word and inner speech: Bakhtin, Vygotsky, and the internalization of language. Critical Inquiry, 10(2), 245-264. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/1343349

Ferraz, G., & Rezende, F. (2014). Physics teachers' perspectives on High School national curriculum policies. Ciência & Educação (Bauru), 20(2), 497-515. http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000200015

Ferreira, J. C. D., & de Almeida Raboni, P. C. (2013). A ficção científica de Júlio Verne e o ensino de física: uma análise de “Vinte Mil Léguas Submarinas”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 30(1), 84-103. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2013v30n1p84

Feyerabend, P. (2011). A Ciência em uma Sociedade Livre. São Paulo, SP: Editora UNESP.

Foucault, M. (2018). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (2013). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Greimas, A. J., & Courtés, J. (1982). Semiotics and Language. Bloomington, United States of America: Indiana University Press.

Halliday, M. A. K. (2004). The Language of Science. New York, United States of America: Continuum.

Holquist, M. (1990). Dialogism. New York, United States of America: Routledge.

Humboldt, W. V. (1999). Humboldt: “On Language”: On the Diversity of Human Language. Construction and Its Influence on the Mental Development of the Human Species. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press.

Indursky, F. (2000). Reflexões sobre a linguagem: de Bakhtin à Análise do Discurso. Línguas e Instrumentos Lingüísticos (4/5), 69-88.

IQC. (2018a). Pseudociência sem partido. Recuperado de http://revistaquestaodeciencia.com.br/editorial/2018/11/30/pseudociencia-sem-partido

IQC. (2018b). Quem Somos. Recuperado de http://institutoquestaodeciencia.com.br/

Jammer, M. (1993). Concepts of Space: The History of Theories of Space in Physics (3rd ed.). New York, United States of America: Dover.

Kant, I. (2005). Crítica da Razão Pura. São Paulo, SP: Martin Claret.

Lakatos, I. (1978). The Methodology of Scientific Research programmes (Vol. 1). Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press.

Latour, B. (1988). Science in Action: How to follow scientists and engineers through society. Cambridge, United States of America: Harvard University Press.

Latour, B. (1999). Pandora’s Hope: Essays on the reality of Science Studies. Cambridge, United States of America: Harvard University Press.

Latour, B. (2013). Jamais Fomos Modernos. São Paulo, SP: Editora 34.

Latour, B. (2017). A Esperança de Pandora. São Paulo, SP: Editora da UNESP.

Latour, B., & Woolgar, S. (1986). Laboratory Life: The construction of scientific facts. Princeton, United States of America: Princeton University Press.

Leal, M. C., & Mortimer, E. F. (2008). Apropriação do discurso de inovação curricular em química por professores do ensino médio: perspectivas e tensões. Ciencia & Educação (Bauru), 14(2), 213-231. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000200003

Lemke, J. (1990). Talking Science: Language, Learning and Values. New York, United States of America: Ablex Publishing Corporation.

Lima, M. E. C., Júnior, O. A., & Caro, C. M. D. (2011). Formação de conceitos científicos: reflexões a partir da produção de livros didáticos. Ciência & Educação (Bauru), 17(4), 855-871. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132011000400006.

Lima, N. W., Antunes Jr, E., Cavalcanti, C. J. de H., & Ostermann, F. (2017). Uma Análise Bakhtiniana dos Enunciados sobre o Efeito Fotoelétrico em Livros Didáticos do Ensino Superior. Ensenanza de Las Sciencias (n. esp.). 1947–1951. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/337503

Lima, N. W., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. J. de H. (2017). Física Quântica no ensino médio: uma análise bakhtiniana de enunciados em livros didáticos de Física aprovados no PNLDEM 2015. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 34(2), 435–459. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2017v34n2p435

Lima, N. W., Souza, B. B. De, Cavalcanti, C. J. de H., & Ostermann, F. (2018). Um Estudo Metalinguístico sobre as Interpretações do Fóton nos Livros Didáticos de Física Aprovados no PNLDEM 2015 : Elementos para uma Sociologia Simétrica da Educação em Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 18(1), 331–364. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018181331

Martins, I. (2007). Quando o objeto de investigação é o texto: uma discussão sobre as contribuições da Análise Crítica do Discurso e da Análise Multimodal como referenciais para a pesquisa sobre livros didáticos de ciências. In R. Nardi (Ed.), A pesquisa em ensino de ciências no Brasil: alguns recortes (pp. 95-116). São Paulo, SP Escrituras Editora.

Mies, M., & Shiva, V. (2014). Ecofeminism. New York, United States of America: Zed Books.

Morson, G. S., & Emerson, C. (2008). Mikhail Bakhtin: criação de uma prosaística. São Paulo, SP: Edusp.

Mortimer, E. F., & Scott, P. (2002). Atividade discursiva nas salas de aula de ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em ensino de Ciências, 7(3), 283-306. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/562/355

Nascimento, M. M., Ostermann, F., & Cavalcanti, C. (2017). Análises multidimensional e Bakhtiniana do discurso de trabalhos de conclusão desenvolvidos no âmbito de um mestrado profissional em ensino de Física . Ciência & Educação (Bauru), 23(1), 181-196. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320170010011

Oliveira, L., Latini, R. M., dos Santos, M. B. P., & de Paiva Canesin, F. (2015). A contextualização no ensino de química: uma análise à luz da filosofia da linguagem de Bakhtin. Revista Ciências & Ideias, 6(2), 29-45. Recuperado de https://revistascientificas.ifrj.edu.br/revista/index.php/reci/article/view/355/335

Packer, M. (2011). The Science of Qualitative Research. Cambridge, United Kingdom: Cambrige University Press.

Piassi, L. P., dos Santos, E. I., de Bastos Vieira, R. M., & Ferreira, N. C. (2009). O discurso ideológico sobre Aristóteles nos livros didáticos de Física. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 9(2), 1-19. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4002

Rezende, F., Duarte, M. S., Schwartz, L. B., & de Carvalho, R. C. (2011). Qualidade da educação científica na voz dos professores. Ciencia & Educação (Bauru), 17(2), 269-288. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132011000200002

RQC. (2018). Quem Somos. Recuperado de http://revistaquestaodeciencia.com.br/quem-somos.

Sá, E. F., Lima, M. E. C., & Aguiar Jr, O. (2011). A construção de sentidos para o termo ensino por investigação no contexto de um curso de formação. Investigações em Ensino de Ciências, 16(1), 79-102. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/247/173

Saussure, F. (2006). Curso de Linguística Geral. São Paulo, SP: Cultrix.

Schnaiderman, B. (1983). Turbilhão e semente: ensaios sobre Dostoiévski e Bakhtin. São Paulo, SP: Livraria Duas Cidades.

Segatto, A. I. (2009). Tradução: Sobre pensamento e linguagem Wilhelm Von Humboldt. Trans/form/ação, 32(1), 193-198. Recuperado de http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/transformacao/article/view/1002

Sepulveda, C., & El-Hani, C. N. (2006). Apropriação do discurso científico por alunos protestantes de biologia: uma análise à luz da teoria da linguagem de Bakhtin. Investigações em ensino de Ciências, 11(1), 29-51. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/501/301

Silva, D. S., & Leite, F. F. (2013). O subjetivismo idealista e o objetivismo abstrato no Círculo de Bakhtin. Miguilim-Revista Eletrônica do Netlli, 2(2), 38-45. Recuperado de http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/MigREN/article/view/555

Simpson, T. K. (2005). Figures of thought. Santa Fe, United States of America: Green Lion Press.

Simpson, T. K. (2010). Maxwell’s Mathematical Rhetoric. Santa Fe, United States of America: Green Lion Press.

Shapin, S., & Schaffer, S. (1985). Leviathan and the Air-Pump. Princeton, United States of America: Princeton University Press.

Souza, G. T. (2002). Introdução à Teoria do Enunciado Concreto do círculo Bakhtin/Volochinov/Medvedev (2a ed.). São Paulo, SP: Humanitas/FFLCH/USP.

Souza, J. de, Rezende, F., & Ostermann, F. (2016). Apropriação discursiva de modelos de formação docente em trabalhos de conclusão de um mestrado profissional em ensino de física. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 18(2), 171–199. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172016180208

Stetsenko, A. (2008). From relational ontology to transformative activist stance on development and learning: expanding Vygotsky’s (CHAT) project. Cultural Studies of Science Education, 3(2), 471–491. https://doi.org/10.1007/s11422-008-9111-3

Veneu, A., Ferraz, G., & Rezende, F. (2015). Análise de discursos no ensino de ciências: considerações teóricas, implicações epistemológicas e metodológicas. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(1), 126. http://dx.doi.org/10.1590/1983-211720175170106

Voloshinov, V. N. (1981). La structure de l’enoncé. In T. Todorov (Ed.), Mikhaïl Bakhtine: le principe dialogique (pp. 278–316). Paris, France: Seuil.

Voloshinov, V. N. (1986a). Le discours dans la vie et le discours dans la poésie. In T. Todorov (Ed.), Mikhaïl Bakhtine: le principe dialogique. Paris, France: Éditions du Seuil.

Voloshinov, V. N. (1986b). Marxism and the Philosophy of Language. New York, United States of America: Seminar Press.

Voloshinov, V. N. (1987). Freudianism. A Critical Sketch. Indianapolis, United States of America: Indiana University Press.

Wertsch, J. V. (1985). Vygotsky and the Social Formation of Mind. Cambridge, United States of America: Harvard University Press.

Wertsch, J. V. (1993). Voices of the Mind: A Sociocultural Approach to Mediated Action. Cambridge, United States of America: Harvard University Press.

Yaguello, M. (2002). Introdução. In M. V. Bakhtin (Ed.), Marxismo e filosofia da linguagem (pp. 12). São Paulo, SP: Hucitec.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p258

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License