HÁ SINCRONISMO ENTRE OS CONTEÚDOS CONCEITUAIS AVALIADOS NOS ITENS DE QUÍMICA DO ENEM E AQUELES PROPOSTOS NO CURRÍCULO ESTADUAL PAULISTA?

Elisa de Oliveira Silvério Ciszevski, Eduardo Carvalho de Sousa, Elaine Pavini Cintra

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma investigação documental e empírica que verificou a extensão com que o Currículo prescrito do Estado de São Paulo e o material oferecido aos discentes, pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, podem subsidiar na construção de conhecimentos de química avaliados no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Sob o ponto de vista dos conteúdos conceituais da referida área do conhecimento, constatou-se que o material investigado atende parcialmente às solicitações das provas aplicadas no período de 2009 a 2013. A partir da análise dos microdados do ENEM foi possível identificar a porcentagem de acerto dos itens de química analisados obtida pelos discentes das escolas públicas estaduais do Estado de São Paulo às quais é disponibilizado o referido material didático. Observou-se que, de forma geral, em todas as subáreas da química a taxa de acerto desses respondentes é relativamente baixa, indicando uma necessária reflexão sobre a relevância deste exame para esse público.


Palavras-chave


Avaliação Externa; ENEM; Currículo Estadual Paulista; Química

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, L. W., & Krathwohl, D. R . (Orgs.) (2001). A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. New York, United States of America: Longman.

Andrade, D. F., & Ogliari, P. J. (2007). Estatística para as ciências agrárias e biológicas: com noções de experimentação. Florianópolis, SC: Ufsc.

Cintra, E. P., Marques Jr, A. C., & Sousa, E. C. (2016). Correlação entre a matriz de referência

e os itens envolvendo conceitos de Química presentes no ENEM de 2009 a 2013. Ciência & Educação (Bauru), 22 (3), 707-725. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320160030010

Gatti, B. A. (2014). Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Estudos em Avaliação Educacional, 25 (57), 24-54. http://dx.doi.org/10.18222/eae255720142823

Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa (2002). São Paulo, SP: Atlas.

Gomes, A. C. C., & Vieira, L. A. (2009). O currículo como instrumento central do processo educativo: uma reflexão conceitual Eixo Temático: Cultura. Currículo e Saberes In IX Congresso Nacional de Educação EDUCERE. (pp.3223-3231). Curitiba, PR. Recuperado de www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2925_1387.pdf

INEP. (2009). Matriz de Referência para o ENEM. Brasília, DF. Recuperado de http://download.inep.gov.br/download/enem/matriz_referencia.pdf

INEP. (2010). Guia de Elaboração e Revisão de Itens. Brasília, DF. Recuperado de http://darnassus.if.ufrj.br/~marta/enem/docs_enem/guia_elaboracao_revisao_itens_2012.pdf

INEP. (2015a). Relatório pedagógico 2009-2010. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/enem/edições-anteriores/relatórios-pedagógicos

INEP. (2015b). Provas e Gabaritos. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/enem/edicoes-anteriores/provas-e-gabaritos

INEP. (2017). Microdados. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/microdados

INEP. (2018). Publicado o Edital do ENEM 2018. Recuperado de http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/edital/2018/edital_enem_2018.pdf

Judi, H. M., Mohamed H., Ashari, N. S., Jenal R., & Hanawi, S. A. (2012). Alignment of statistics course using examination items. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 59(17), 264 – 269. http://dx.doi:10.1016/j.sbspro.2012.09.274

Klein, R. (2005). Testes de rendimento escolar. In:A. de M. Souza (Org.) Dimensões da Avaliação Educacional. (pp.110-138). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lem, S., Kempen, G., Ceulemans, E., Onghena, P., Verschaffel, L., & Van Dooren., W. (2015) Combining multiple external representations and refutational text: an intervention on learning to interpret box plots. International Journal of Science and Mathematics Education, 13 (4), 909-926. http://dx.doi:10.1007/s10763-014-9604-3

Maia, J. de O. (2013). O Professor de química e o livro didático e o caderno do estado de São Paulo: relações complexas. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-12072013-165411/publico/Juliana_de_Oliveira_Maia.pdf

Machado, J. B., Cintra, E. P., Sousa & E. C. (2017). Conceitos de química orgânica avaliados nos itens do Enem 2009-2014. Enseñanza de Las Ciencias, X Congreso Internacional Sobre Investigación en Didáctica de las Cienciasn. (n. extra), 5287-5286. Recuperado de https://ddd.uab.cat/pub/edlc/edlc_a2017nEXTRA/70_-_Conceitos_de_quimica_organica_avaliados_nos_itens_do_Enem_2009-2014-1.pdf

Maria C. J., Lopes, J. B., & Tommasiello, M. G. C. (2015). Influência do “Caderno de Química”. Ciência & Educação (Bauru), 21( 2), 329-349. http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320150020005

Martone, A & Sireci, S. G. (2009). Evaluating Alignment Between Curriculum, Assessment, and Instruction. Review of Educational Research, 79(4),1332–1361. https://doi.org/10.3102/0034654309341375

Moreira, M. A. (2011). Metodologias de pesquisa em ensino. São Paulo, SP: Livraria da Física.

Nascimento, M. M., Cavalcanti, C. J. De H., & Ostermann, F. (2018). Uma busca por questões de Física do ENEM potencialmente não reprodutoras das desigualdades socioeconômicas. Revista Brasileira de Ensino de Física, 40(3), e3402- e3418. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2017-0237

Pinheiro, P. C. (2012). Aumentando o interesse do alunado pela Química escolar e implantação da nova proposta curricular mineira: Desenvolvimento e resultados de projeto seminal realizado no PIBID-UFSJ. Química Nova na Escola, 34(4), 173-183. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_4/03-PIBID-126-12.pdf

RStudio (2018). Recuperado de https://rstudio.com/products/rstudio/download/

Sacristan, J.G. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, RS: Artmed.

Santana, S. de L. C. (2011) Utilização e gestão de laboratórios escolares. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria. RS. Recuperado de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/6654/SANTANA%2c%20SALETE%20DE%20LOURDES%20CARDOSO.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Santos, U. E., & Sabia, C. P. de P. (2015) Percurso histórico do Saresp e as implicações para o trabalho pedagógico em sala de aula. Estudos em Avaliação Educacional, 26 (62), 354-385. http://dx.doi.org/10.18222/eae266203006

SEDUC-SP. Secretaria da Educação de São Paulo. (2010). Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. São Paulo. Recuperado de https://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/780.pdf

SEDUC-SP. Secretaria da Educação de São Paulo. (2014a). Caderno do Aluno. Química da 1ª, 2ª e 3ª série. (Vol. 1 e 2). São Paulo.

SEDUC-SP. Secretaria da Educação de São Paulo. (2014b). Caderno do professor. Química da 1ª, 2ª e 3ª série. (Vol. 1 e 2). São Paulo.

SEDUC-SP. Secretaria da Educação de São Paulo. (2009). Matrizes de referência para avaliação do Saresp. São Paulo. Recuperado de https://saresp.fde.sp.gov.br/2009/pdf/Saresp2008_MatrizRefAvaliacao_DocBasico_Completo.pdf

Silva, D. N. Secretaria da Educação de São Paulo. (2012). A desmotivação do professor em sala de aula, nas escolas públicas do município de São José dos Campos-SP. (Monografia de especialização). Especialização em Gestão Pública Municipal. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, PR. Recuperado de http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1822/1/CT_GPM_II_2012_87.pdf

Silva, M. A., & Pires, C. M. C. (2013) Organização Curricular da Matemática no Ensino Médio: a recursão como critério. Ciência & Educação (Bauru), 19 (2), 249-266. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132013000200002

Valente, R. R. (2016) The vicious circle: effects of race and class on university entrance in Brazil. Race ethnicity and education, 20(6), 851-864. https://doi.org/10.1080/13613324.2016.1150824

Webb, N. L. (2007). Issues Related to Judging the Alignment of Curriculum Standards and Assessments. Applied Measurement in Education, 20(1),7-25. https://doi.org/10.1080/08957340709336728

Webb, N. L. (2011). Identifying Content for Student Achievement Tests. In S. M. Downing, & T. Haladyna (Eds.) Handbook of Test Development. New Jersey, United States of America: Taylor & Francis e-Library.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p244

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License