A PESQUISA ACADÊMICA SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE BIOLOGIA NO BRASIL (1979-2010): O CONTEXTO DA PRODUÇÃO NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Maria Aparecida Guerra Lage, Viviane Rodrigues Alves de Moraes, Ana Maria de Oliveira Cunha

Resumo


Quando se avalia a área de formação de professores no Brasil e a produção acadêmica gerada nesse campo, encontra-se uma vasta literatura que tem apontado para a importância e a centralidade desse tema em diversas esferas e níveis de ensino. Todavia, ao pesquisarmos a produção acadêmica neste campo, observamos que, embora houvesse uma relativa quantidade de estudos do tipo estado da arte, voltados para a formação de professores, havia ainda uma lacuna na literatura quanto às investigações sobre a produção acadêmica voltada especificamente para a formação de professores de Biologia no Brasil. Portanto, com base nesta perspectiva, o presente artigo resulta de investigação mais ampla e tem como objetivo avaliar o contexto da produção acadêmica sobre formação de professores de Biologia no Brasil, por meio da identificação, da descrição e da análise de 120 dissertações e teses produzidas entre os anos de 1979 e 2010. As dissertações e teses foram analisadas frente a diferentes descritores, tais como: programas de pós-graduação e instituições de origem; ano de defesa; distribuição geográfica; titulação; orientação e tipo de formação. Os resultados da distribuição dos documentos nos diferentes programas de pós-graduação, mapeados junto à história do surgimento destes no país, revelaram diferenças marcantes quanto à produção e ao padrão de distribuição dos documentos ao longo das três décadas, tanto por instituições e regiões quanto pelas tendências das pesquisas nesse campo de formação de professores.


Palavras-chave


Formação de Professores de Biologia; Estado da Arte; Pós-graduação

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, R. R. M. de (2006). A formação de professores nas dissertações e teses defendidas em programas de pós-graduação em educação entre os anos de 1999 e 2003 (Dissertação de mestrado). Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/16234/1/Dissertacao%20Roberta%20Andrade.pdf

André, M., Simões, R. H.S., Carvalho, J. M., & Brzezinski, I. (1999). Estado da arte da formação de professores no Brasil. Educação & Sociedade, 68, 301-309. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a15v2068.pdf

André, M. E. D. A. de (Org.) (2002). Formação de professores no Brasil (1990-1998). Brasília, DF: MEC/Inep/Comped. Recuperado de http://inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/484568

André, M. (2010). Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, 33(3), 174-181. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/8075/5719

Brzezinski, I., & Garrido, E. (Org.) (2006). Formação de profissionais da educação (1997-2002). Brasília, DF: MEC, INEP. Recuperado de http://inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/489630

Brzezinski, I. (Org.) (2014). Formação de profissionais da educação (2003-2010). Brasília, DF: Inep. Recuperado de http://inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/493484

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2004). Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2005-2010. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/PNPG_2005_2010.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2006). Portaria no 013, de 15 de fevereiro de 2006. Institui a divulgação digital das teses e dissertações produzidas pelos programas de doutorado e mestrado reconhecidos. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_013_2006.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2010a). Produção bibliográfica distribuída segundo a estratificação; qualis; teses e dissertações defendidas e número de docentes permanentes no triênio 2007-09 e, nota final da avaliação 2010. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacaotrienal/planilhascomparativastrienal2010

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2010b). Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2011-2020. Volume I. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/stories/download/Livros-PNPG-Volume-I-Mont.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2011). Portaria n. 83, de 06 de junho de 2011. Regulamenta a criação de novas áreas do conhecimento na CAPES. Aprova a criação de 4 áreas de avaliação na CAPES: Biodiversidade; Ciências Ambientais; Ensino; Nutrição. Diário Oficial da União. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/avaliacao-n/Portaria-capes-83-2011.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2017a). Avaliação quadrienal em números. Comparação das últimas avaliações periódicas. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=Y2FwZXMuZ292LmJyfGF2YWxpYWNhby1xdWFkcmllbmFsfGd4OjZjYTcyNDgyYWI4ZDliYjU

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2017b). Relatório da avaliação quadrienal 2017. Relatório de avaliação da área de Educação. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://capes.gov.br/images/documentos/Relatorios_quadrienal_2017/20122017-Educacao_relatorio-de-avaliacao-quadrienal-2017_final.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2017c). Relatório da Avaliação Quadrienal 2017. Relatório de avaliação da área de Ensino. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/relatorios-finais-quadrienal-2017/20122017-ENSINO-quadrienal.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2018). Catálogo de Teses e Dissertações. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://catalogodeteses.capes.gov.br

Carneiro, R. (2006). Sentidos, currículos e docentes. Revista PRELAC (Proyecto Regional de Educación para América Latina y el Caribe). (2), 40-532. Recuperado de https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000145502_por

Carvalho, R. A., & Shigunov Neto, A. (2018). Panorama da pesquisa sobre formação de professores no Brasil presente em periódicos da área de Educação: análise da produção acadêmica entre os anos de 2000 e 2016. Revista Brasileira de Iniciação Científica, 5(4), 106-118. Recuperado de https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/IC/article/view/1254/945

Charlot, B. (2007). Educação e Globalização: uma tentativa de colocar ordem no debate. Sísifo/Revista de Ciência e Educação, (4), 129-136. Recuperado de

https://moodle.fct.unl.pt/pluginfile.php/32501/mod_glossary/attachment/10671/Bernadr_charlot.pdf

CFE – Conselho Federal de Educação (1965). Parecer n. 977/65, de 03 de dezembro de 1965. Dispõe sobre a implantação e o desenvolvimento do regime de cursos de pós-graduação no Ensino Superior. C.E.Su. Brasília, DF. Recuperado de https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Parecer_CESU_977_1965.pdf

Cury, J. (2000). Diretrizes Curriculares Nacionais Para Educação de Jovens e Adultos. São Paulo, SP: ECA. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb011_00.pdf

Day, C. (2001). Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora.

Feldens, M. das G. F. (1990). A pesquisa em educação na formação de professores. Fórum Educacional, 14(3) 63-78. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/fe/article/viewFile/61120/59328

Feres, G. G. & Nardi, R. (2014). A pós-graduação em Ensino de Ciências no Brasil: contribuição teórico-analítica sobre o panorama histórico e o perfil dos cursos. In Nardi, R., & Gonçalves, T. V. O. (Org.), A pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática no Brasil: memórias, programas e consolidação da pesquisa na área (pp. 205-265). São Paulo, SP: Editora Livraria da Física.

Fernandes, R. C. A. (2009). Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências nas séries iniciais da escolarização (1972-2005) (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/251669/1/Fernandes_RebecaChiacchioAzevedo_M.pdf

Ferreira, N. S. de A. (2002). As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, 79, 257-272. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf

Fiorentini, D. (1994). Rumos da pesquisa brasileira em Educação Matemática: o caso da produção científica em cursos de pós-graduação (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253750

Krasilchik, M. (2000). Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85-93. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000100010

Kuenzer, A. Z., & Moraes, M. C. M. de (2005). Temas e tramas na pós-graduação em educação. Educação & Sociedade, 26(93), 1341-1362. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v26n93/27284.pdf

Lage, M. A. G. (2018). A pesquisa acadêmica sobre formação de professores/as de Biologia no Brasil (1979-2010): um estado da arte baseado em dissertações e teses (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG. Recuperado de https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/22681/1/PesquisaAcadêmicaFormação.pdf

Larocca, P., Rosso, A. J., & Souza, A. P. de. (2005). A Formulação dos Objetivos de Pesquisa na Pós-graduação em Educação: uma discussão necessária. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 2(3), 118-133. Recuperado de http://www.capes.gov.br/publicacoes/rpbg

Lei n. 4.024 de 20 de dezembro de 1961 (1961). Fixa as Diretrizes e Bases para a Educação Nacional. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html

Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. (1968). Fixa normas de organização e funcionamento do Ensino Superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-5540-28-novembro-1968-359201-publicacaooriginal-1-pl.html

Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971 (1971). Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html

Lemgruber, M. S. (1999). A educação em Ciências Físicas e Biológicas a partir das teses e dissertações (1981 a 1995): uma história de sua história (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Megid Neto, J. (1990). Pesquisa em ensino de Física do 2º grau no Brasil: concepção e tratamento de problemas em teses e dissertações (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/251713

Megid Neto, J. (Coord.) (1998). O ensino de Ciências no Brasil: catálogo analítico de teses e dissertações, 1972-1995. Campinas, SP: UNICAMP/FE/CEDOC.

Megid Neto, J. (1999). Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências no nível fundamental (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252565

Megid Neto, J. (2011). Gêneros de trabalho científico e tipos de pesquisa. In Kleinke, M. U., & Megid Neto, J. (Org). Fundamentos de Matemática, Ciências e Informática para os anos iniciais do Ensino Fundamental (pp.125-132). Campinas, SP: UNICAMP/FE.

Megid Neto, J. (2014). Origens e desenvolvimento do campo de pesquisa em Educação em Ciências no Brasil. In Nardi, R., & Gonçalves, T. V. O. (Org.), A pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática no Brasil: memórias, programas e consolidação da pesquisa na área (pp. 98-139). São Paulo, SP: Editora Livraria da Física.

Miranda, E. M. (2012). Tendências das perspectivas Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) nas áreas de Educação e Ensino de Ciências: uma análise a partir de teses e dissertações brasileiras e portuguesas (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP. Recuperado de https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2318/5532.pdf?sequence=1

Moraes, M. C. (2003). O Paradigma Educacional Emergente. Petrópolis, RJ: Vozes.

Pereira, J. E. D. (2013). A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Educação e Contemporaneidade, 22(40), 145-154. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/758/531

Pita, P. de S. (2010). Formação de professores: um estudo sobre a apropriação das ideias de Nóvoa, Perrenoud e Sacristán nas dissertações e teses dos programas de pós-graduação de Santa Catarina, de 2000 a 2005. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC. Recuperado de https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1828

Ramos, C. R., & Silva, J. A. da. (2014). Emergência da área de Ensino de Ciências e Matemática da Capes enquanto comunidade científica: um estudo documental. Investigações em Ensino de Ciências. 19(2), 363-380. https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/84/59

Resolução CNE/CP n. 02, de 1º de julho de 2015. (2015). Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: Conselho Nacional de Educação. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192

Romanovski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional, 6(19), 37-50. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/1891/189116275004.pdf

Romanowski, J. P. (2013). Tendências da pesquisa em formação de professores. Atos de Pesquisa em Educação, 8 (2), 479-499. http://dx.doi.org/10.7867/1809-0354.2013v8n2p479-499

Santos, E. D. dos (2001). A experimentação no ensino de Ciências de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental: tendências da pesquisa acadêmica entre 1972 e 1995 (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252674

Salem, S. (2012). Perfil, evolução e perspectivas da pesquisa em ensino de Física no Brasil (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-13082012-110821/pt-br.php

Slongo, I. I. P. (2004). A produção acadêmica em ensino de Biologia: um estudo a partir de teses e dissertações (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/88012

Soares, M. B., & Maciel, F. (2000). Alfabetização. Brasília, DF: MEC/INEP/COMPED. (Série Estado do Conhecimento, n. 1). Recuperado de http://inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/486087

Teixeira, P. M. M. (2008). Pesquisa em ensino de Biologia no Brasil (1972-2004): um estudo baseado em dissertações e teses (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/251678/1/Teixeira_PauloMarceloMarini_D.pdf

Teixeira, P. M. M. (Org.) (2012). 35 anos da produção acadêmica em ensino de Biologia no Brasil: catálogo analítico de dissertações e teses 1972-2006. Vitória da Conquista, BA: Edições UESB. Recuperado de http://www2.uesb.br/ppg/ppgecfp/wp-content/uploads/2016/09/catalogo-teses.pdf

Valle, I. R. (2005). Formação de professores: um esforço de síntese. Educar, (25), 215-235. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.374

Villani, A., Pacca, J. L. A., & Freitas, D. (2002). Formação do professor de Ciências no Brasil: tarefa impossível? In Vianna, D. M., Peduzzi, L. O. Q., Borges, O. N., & Nardi, R. (Org.). Atas do VIII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. São Paulo, SP: SBF. Recuperado de http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/viii/PDFs/CO21_3.pdf>.

Weber, S. (2003). Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade, 24(85), 1125-1154. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302003000400003




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p169

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License