SIGNIFICAÇÕES DE QUALIDADE E CRISE DA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA NAS POLÍTICAS CURRICULARES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

Clívio Pimentel Júnior, Rosanne Evangelista Dias, Maria Inez da Silva de Souza Carvalho

Resumo


Neste texto, problematizamos o movimento de hegemonização do discurso da qualidade da educação científica e a noção de crise a ele associado em um enfoque discursivo. Focalizamos as demandas reivindicadas por comunidades epistêmicas de Ensino de Ciências mediante os nomes Natureza da Ciência, Qualidade e Crise da educação científica, buscando compreender como o esvaziamento desses significantes participa na disputa pela significação do que seja uma experiência escolar relevante em ciências. Argumentamos que as demandas estão articuladas em torno da tentativa de definição de uma identidade essencial para a educação em ciências, antagonizando-se a políticas não prescritivas de currículo. Defendemos a impossibilidade última de controle da significação do currículo, do ensino de ciências e do espaço social, mantendo a educação em ciências aberta ao risco e a alteridade irredutível, desvinculando-a de fundamentos educacionais universais.

Palavras-chave


Ensino de Ciências; Política de Currículo; Teoria do Discurso; Pós-estruturalismo

Texto completo:

PDF

Referências


Acevedo, J. A., Vázquez, A., Paixão, M. F., Acevedo, P., Oliva, J. M., & Manassero, M. A. (2005). Mitos da didática das ciências acerca dos motivos para incluir a Natureza da Ciência no ensino das ciências. Ciência & Educação (Bauru), 11(1), 1-15. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132005000100001

Alters, B. J. (1997). Whose nature of science? Journal of Research in Science Teaching, 34(1), 39-55. Recuperado de https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1002/(SICI)1098-2736(199701)34:1%3C39::AID-TEA4%3E3.0.CO;2-P

Alves, K. S. G. (2016). A Didática das Ciências no Brasil: um olhar sobre uma década (2003 – 2012). (Tese de doutorado). Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/151302

Ball, S. (2006). Sociologia das Políticas Educacionais e Pesquisa Crítico-Social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, 6(2), 10-32. Recuperado de http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/ball.pdf

Biesta, G. (2012). Boa educação na era da mensuração. Cadernos de Pesquisa, 42(147), 808-825. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742012000300009

Biesta, G. (2013). Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Biesta, G. (2016). The Beautiful Risk of Education. London, England: Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315635866

Bhabha, H. K. (2013). O local da cultura. Belo Horizonte, MG: Ufmg.

Butler, J. (2015a). Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Butler, J. (2015b). Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Burity, J. A. (2014). Discurso, política e sujeito na teoria da hegemonia de Ernesto Laclau. In D. Mendonça & L. P. Rodrigues. (Orgs.). Pós-estruturalismo e Teoria do Discurso: em torno de Ernesto Laclau (pp. 35-50). (2a ed.). Porto Alegre, RS: Edipucrs.

Cachapuz, A. F., Gil-Perez, D., Pessoa De Carvalho, A. M., Praia, J., & Vilches, A. (2005). A Necessária Renovação do Ensino das Ciências. São Paulo, SP: Cortez.

Certeau, M. (2009). A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. (16a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Cunha, E. V. R. (2015). Cultura, Contexto e a Impossibilidade de uma Unidade Essencial para o Currículo. Currículo sem Fronteiras, 15(3), 575-587. Recuperado de http://www.curriculosemfronteiras.org/vol15iss3articles/cunha.pdf

Cunha, E. V. R. (2016). Conexão entre Currículo e Avaliação como Ficção de Controle da Identidade. In R. C. P. Frangella (Org.). Currículo, Formação e Avaliação: redes de pesquisa em negociação (pp. 111-128). Curitiba, PR: Crv.

Cunha, E. V. R., & Lopes, A. C. (2017). Sob o nome Ciclos: disputas discursivas para significar uma educação democrática. Práxis Educativa, 12(1), 184-202. http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.12i1.0010

Derrida, J. (1991). Margens da Filosofia. Campinas, SP: Papirus.

Derrida, J. (2001). A Escritura e a Diferença. São Paulo, SP: Perspectiva.

Dias, R. E. (2016). Políticas de currículo e avaliação para a docência no espaço Iberoamericano. Práxis Educativa, 11(3), 590-604. http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.11i3.0004

Dias, R. E. (2017). Currículo, Docência e seus Antagonismos no Espaço Iberoamericano. Investigación Cualitativa, 2(2), 100-114. http://dx.doi.org/10.23935/2016/02028

Duque-Estrada, E. M. (2009). Devires Autobiográficos: a atualidade da escrita de si. Rio de Janeiro, RJ: Nau/PUC-Rio.

Fourez, G. (2003). Crise no Ensino de Ciências? Investigações em Ensino de Ciências, 8(2), 109-123. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/542/337

Gil-Pérez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma Imagem não deformada do Trabalho Científico. Ciência & Educação, 7(2), 125-153. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000200001

Haas, P. (1992). Introduction: Epistemic Communities and International Policy Coordination. International Organization, 46(1), 1-35. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/2706951

Howarth, D., & Stavrakakis, Y. (2000). Introducing Discourse Theory and Political Analysis. In D. Howarth, A. Norval, & Y. Stavrakakis. Discourse Theory and Political Analysis: identities, hegemonies and social change (pp. 1-23). Manchester, United Kingdom: Manchester University Press.

Laclau, E. (2006). Ideology and post-Marxism. Journal of Political Ideologies, 11(2), 103–114. https://doi.org/10.1080/13569310600687882

Laclau, E. (2013). A Razão Populista. São Paulo, SP: Três Estrelas.

Laclau, E., & Mouffe, C. (2015). Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo, SP: Intermeios.

Lederman, N. G., & Zeidler, D. L. (1987). Science teachers' conceptions of the nature of science: do they really influence teaching behavior? Science Education, 71(5), 721-734. https://doi.org/10.1002/sce.3730710509

Lederman, N. G. (1992). Students and teachers conceptions of the nature of science: a review of the research. Journal of Research in Science Teaching, 29(4), 331-359. https://doi.org/10.1002/tea.3660290404

Lederman, N., & Abd-El-Khalick, F. (1998) Avoiding De-Natured Science: Activities that Promote Understandings of the Nature of Science. In W. F. McComas (Ed.). The Nature of Science in Science Education: Rationales and strategies (pp. 83-126). Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers. https://doi.org/10.1007/0-306-47215-5_5

Lederman, N. G., Wade, P. D., & Bell, R. L. (1998). Assessing understanding of the nature of science: a historical perspective. In W. F. McComas (Ed.). The nature of science in science education: Rationales and strategies (pp. 331-350). Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers. https://doi.org/10.1007/0-306-47215-5_21

Lederman, N. G. (2006). Research on Nature of Science: reflections on the past, anticipations of the future. Asia-Pacific Forum on Science Education, 7(1), 1-11. Recuperado de https://www.eduhk.hk/apfslt/download/v7_issue1_files/foreword.pdf

Lederman, N. G. (2007). Nature of science: Past, present, and future. In S. K. Abell & N. G. Lederman (Eds.). Handbook of Research on Science Education (pp. 831-879). New Jersey, EUA: Lawrence Erlbaum Associates. Recuperado de http://www.csss-science.org/downloads/NOS_Lederman_2006.pdf

Lopes, A. C. (2012). Democracia nas políticas de currículo. Cadernos de Pesquisa, 42(147), 700-715. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742012000300003

Lopes, A. C. (2015a) Por um Currículo sem Fundamentos. Linhas Críticas, 21(45), 445-466. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/16735

Lopes, A. C. (2015b). Normatividade e Intervenção Política: em defesa de um investimento radical. In A. C. Lopes & D. Mendonça (Orgs.). A teoria do Discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas (pp. 117-147). São Paulo, SP: Anneblume.

Lopes, A. C. (2017). Política, Conhecimento e a Defesa de um Vazio Normativo. In D. Mendonça, L. P. Rodrigues, & B. Linhares (Orgs.). Ernesto Laclau e seu legado Transdisciplinar (pp. 109-126). São Paulo, SP: Intermeios.

Lopes, A. C, & Macedo, E. (2011). Teorias de Currículo. São Paulo, SP: Cortez.

Macedo, E. (2012). Currículo e Conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Cadernos de Pesquisa, 42(147), 716-737. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742012000300004

Macedo, E. (2013). A Noção de Crise e a Legitimação de Discursos Curriculares. Currículo sem Fronteiras, 13(3), 436-450. Recuperado de http://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss3articles/emacedo.pdf

Macedo, E. (2014). Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista E-Curriculum, 12(3), 1530-1555. Recuperado de http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/21666

Macedo, E. (2017). Mas a Escola não tem que ensinar? Conhecimento, Reconhecimento e Alteridade na Teoria do Currículo. Currículo sem Fronteiras, 17(3), 539-554. Recuperado de http://www.curriculosemfronteiras.org/vol17iss3articles/macedo.pdf

Matheus, D. S., & Lopes, A. C. (2014). Sentidos de Qualidade na Política de Currículo (2003-2012). Educação e Realidade, 39(2), 337-357. http://dx.doi.org/10.1590/S2175-62362014000200002

Matthews, M. (1995). História, Filosofia e Ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3), 164-214. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/7084/6555

Matthews, M. (1998). In Defense of Modest Goals When Teaching about the Nature of Science. Journal of Research in Science Teaching, 35(2), 161–174. https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-2736(199802)35:2%3C161::AID-TEA6%3E3.0.CO;2-Q

McComas, W.F. (1998). The principal elements of the nature of science: dispelling the myths. In W. F. McComas (Ed.). The Nature of Science in Science Education: Rationales and Strategies (pp. 53-70). Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers. http://dx.doi.org/10.1007/0-306-47215-5

McComas, W.F., & Olson, J.K. (1998). The nature of science in international standards documents. In W. F. McComas (Ed.). The Nature of Science in Science Education: Rationales and Strategies (pp. 41-52). Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers. https://doi.org/10.1007/0-306-47215-5_2

McComas, W.F., Clough, M.P., & Almazroa, H. (1998). The role and character of the nature of science. In W. F. McComas (Ed.). The Nature of Science in Science Education: Rationales and Strategies (pp. 3-39). Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers. https://doi.org/10.1007/0-306-47215-5_1

Mendonça, D., & Rodrigues, L. P. (2014). Em torno de Ernesto Laclau: pós-estruturalismo e teoria do discurso. In D. Mendonça, & L. P. Rodrigues (Orgs.). Pós-estruturalismo e Teoria do Discurso: em torno de Ernesto Laclau (pp. 47-57). (2a ed.). Porto Alegre, RS: Edipucrs.

Pimentel-Júnior, C. (2015). A invenção Cotidiana da Ciência Escolar: sobre rede de saberes e maneiras de instituir práticas pedagógicascurriculares. Revista Teias, 16(42), 143-156. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24539/17519

Pimentel-Júnior, C., & Carvalho, M. I. S. S. (2017). Profanando o 'papel' da Escola? Narrativas Pós-Modernas sobre o Processo Social de Escolarização. Revista Práxis Educacional, 13(24), 161-183. https://doi.org/10.22481/praxis.v13i24.935

Pimentel-Júnior, C. (2017). Articulações Discursivas em torno do Significante Natureza da Ciência: currículo, formação, política. Revista Teias, 18(50), 88-104. https://doi.org/10.12957/teias.2017.26713

Pimentel-Júnior, C., Carvalho, M. I. S. S., & Sá, M. R. G. B. (2017). Pesquisa (Auto)Biográfica em Chave Pós-estrutural: conversas com Judith Butler. Práxis Educativa, 12(1), 203-222. http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.12i1.0011

Pimentel-Júnior, C., Carvalho, M. I. S. S., & Sá, M. R. G. B. (2018). Currículo, (Auto)Biografias e Diferença: políticas e poéticas do incontrolável no cotidiano da educação em ciências. Revista E-Curriculum, 16(1), 29-59. http://dx.doi.org/10.23925/1809-3876.2018v16i1p29-59

Praia, J., Gil-Pérez, D., & Vilches, A. (2007). O Papel da Natureza da Ciência na Educação para a Cidadania. Ciência & Educação (Bauru), 13(2), 141-156. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132007000200001

Proença-Lopes, L., & Zaremba, F. A. (2013). O Discurso de Crise da Educação: crítica ao modelo de competências desde a epistemologia da educação. Revista Historia de la Educación Latinoamericana, 15(21), 283-304. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/rhel/v15n21/v15n21a10.pdf

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2001). Tomada de Decisão para Ação Social Responsável no Ensino de Ciências. Ciência & Educação (Bauru), 7(1), 95-111. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000100007

Schwartz, R. S., & Lederman, N. G. (2002). “It’s the nature of the beast”: The influence of knowledge and intentions on learning and teaching nature of science. Journal of Research in Science Teaching, 39(3), 205–236. https://doi.org/10.1002/tea.10021

Shamos, M. (1995). The Myth of Scientific Literacy. New Brunswick, Canada: Rutgers University Press.

Siscar, M. (2013). Jacques Derrida: literatura, política, tradução. Campinas, SP: Autores Associados.

Vieira, E. (2016). A intensificação da experiência educacional contemporânea: uma perspectiva arqueogenealógica. (Tese de doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-13062017-114345/publico/ELISA_VIEIRA_rev.pdf

Voss, D. M. S., & Garcia, M. M. A. (2014). O discurso da qualidade da educação e o governo da conduta docente. Educação & Realidade, 39(2), 391-412. https://dx.doi.org/10.1590/S2175-62362014000200004

Young, M. (2007). Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, 28(101), 1287-1302. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p147

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License