A ARGUMENTAÇÃO A PARTIR DE QUESTÕES SOCIOCIENTÍFICAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE BIOLOGIA

Samuel Santos Braga, Liziane Martins, Dália Melissa Conrado

Resumo


Reconhecendo a importância da argumentação para o Ensino de Biologia, sobretudo ao facilitar a aprendizagem de/sobre ciências, o presente estudo objetivou avaliar conteúdos mobilizados nos argumentos de estudantes de biologia na resolução de questões sociocientíficas (QSC), a partir de uma educação contextualizada por História e Filosofia das Ciências (HFC) e Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (CTSA). Para isso, realizamos uma oficina pedagógica utilizando QSC como casos e atividades de argumentação, envolvendo 22 estudantes do curso de licenciatura em biologia. Para a coleta de dados, utilizamos os argumentos produzidos pelos estudantes. A análise dos dados ocorreu inicialmente com a avaliação estrutural e de conteúdo desses argumentos, tendo como base, respectivamente, os modelos de Toulmin (2006) e Sá (2010). De um modo geral, percebemos que a oficina contribuiu para fomentar o discurso argumentativo, bem como requerer, por parte dos estudantes, a mobilização de vários aspectos do conteúdo. Contudo, notamos ainda argumentos de baixa complexidade e imprecisão nos conteúdos mobilizados. Nesse sentido, uma vez que o uso de QSC tem se mostrado promissor para o desenvolvimento de habilidades argumentativas e de mobilização de conteúdos científicos, em um ensino contextualizado e interdisciplinar, mas que ainda existem dificuldades para esse método efetivar-se na educação científica, ressaltamos a importância e a necessidade da realização de mais estudos sobre argumentação com QSC no ensino de ciências, bem como de maiores investimentos em discussões que abordem aspectos históricos e filosóficos da ciência e relações entre CTSA.

Palavras-chave


Formação Docente; Prática Argumentativa; Ensino de Biologia; Educação Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente; Questões Sociocientíficas

Texto completo:

PDF

Referências


Acar, O., Turkmen, L., & Roychoudhury, A. (2010). Student difficulties in socio-scientific argumentation and decision-making research findings: Crossing the borders of two research lines. International Journal of Science Education, 32(9), 1191-1206. https://doi.org/10.1080/09500690902991805

Arenas, M. L. M., Díaz, M. A. R., & Martínez-Pérez, L. F. (2016). Competencias ambientales en básica primaria a partir del desarrollo de uma unidad didáctica sobre la controversia? vivienda o humedales?. Indagatio Didactica, 8(1), 702-720. Recuperado de http://revistas.ua.pt/index.php/ID/article/view/3899/3583

Bencze, L., Halwany, S. E., Krstovic, M., Milanovic, M., Phillips, C., & Zouda, M. (2018). Estudantes agindo para abordar danos pessoais, sociais e ambientais relacionados à ciência e à tecnologia. In D. M. Conrado & N. Nunes-Neto (Orgs.) Questões sociocientíficas: fundamentos, propostas de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas (pp. 515-548). Salvador, BA: Edufba.

Cachapuz, A., Gil-Perez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J., & Vilches, A. (2005). Necessária renovação do ensino de Ciências. São Paulo, SP: Cortez.

Campaner, G., & de Longhi, A. L. (2007). La argumentación en educación ambiental. Una estrategia didáctica para la escuela media. Revista Electrônica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 442-456. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen6/ART12_Vol6_N2.pdf

Chang Rundgren, S.-N. & Rundgren, C.-J. (2010). SEE-SEP: From a separate to a holistic view of socioscientific issues. In: Asia-Pacific Forum on Science Learning and Teaching, 11(1), 1-24. Recuperado de https://www.eduhk.hk/apfslt/download/v11_issue1_files/changsn.pdf

Cobern, W. W., & Loving, C. C. (2001). Defining science in a multicultural world: implications for science education. Science Education, 85(1), 50-67. Recuperado de http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.124.9258&rep=rep1&type=pdf

Conrado, D. M. (2013). Uso de conhecimentos evolutivo e ético na tomada de decisão por estudantes de biologia. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Biomonitoramento, Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA. Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=992586

Conrado, D. M. (2017). Questões sociocientíficas na educação CTSA: contribuições de um modelo teórico para o letramento científico crítico. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, BA. Recuperado de https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/24732/1/Tese-DaliaMelissaConrado-2017-QSC-CTSA-Final.pdf

Conrado, D. M., & Conrado, I. S. (2016). Análise crítica do discurso sobre imagens da ciência e da tecnologia em argumentos de estudantes de biologia. Revista de Pesquisa Qualitativa, 4(5), 218-231. Recuperado de https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/download/40/35

Conrado, D. M., & Nunes-Neto, N. (2018). Questões sociocientíficas e dimensões conceituais, procedimentais e atitudinais dos conteúdos no ensino de ciências. In D. M. Conrado & N. Nunes-Neto (Orgs.) Questões sociocientíficas: fundamentos, propostas de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas (pp. 77-118). Salvador, BA: Edufba.

Conrado, D. M., Nunes-Neto, N. F. ,& El-Hani, C. N. (2015). Argumentação sobre problemas ambientais no ensino de biologia. Educação em Revista, 31(1), 329-357. http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698125846

Costa, A. (2008). Desenvolver a capacidade de argumentação dos estudantes: um objetivo pedagógico fundamental. Revista Iberoamericana de Educación, 46(5), 01-08. Recuperado de www.rieoei.org/deloslectores/2233Costa.pdf

Dionor, G. A. (2018). Propostas de ensino baseado em questões sociocientíficas: uma análise sistemática da literatura acerca do ensino de ciências na educação básica. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA. Recuperado de http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/25700

Driver, R., Newton, P., & Osborne, J. (2000). Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science Education, 84(3), 287-312. https://doi.org/10.1002/(sici)1098-237x(200005)84:3%3C287::aid-sce1%3E3.0.co;2-a

Erduran, S., Simon, S. & Osborne, J. (2004). TAPping into argumentation: Developments in the application of Toulmin’s Argument Pattern for studying science discourse. Science Education, 88(6), 915-933. https://doi.org/10.1002/sce.20012

Foong, C. C., & Daniel, E. G. S. (2010). Assessing students' arguments made in socio-scientific contexts: The considerations of structural complexity and the depth of content knowledge. Procedia-Social and Behavioral Sciences Journal, 9, 1120-1127. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2010.12.294

Gil-Perez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125-153. https://doi.org/10.1590/s1516-73132001000200001

Graham, P. (2008). How to disagree. Recuperado de http://www.paulgraham.com/disagree.html

Jiménez-Aleixandre, M. P., & Frederico-Agraso, M. (2006). A argumentação sobre questões sociocientíficas: processos de construção e justificação do conhecimento em sala de aula. Educação em Revista, 43, 13-33. Recuperado de http://educa.fcc.org.br/pdf/edur/n43/n43a02.pdf

Kolstø, S. D. (2001). Scientific literacy for citizenship: Tools for dealing with the science dimension of controversial socioscientific issues. Science Education, 85(3), 291-310. https://doi.org/10.1002/sce.1011

Lecompte, M., & Goetz, J. (1982). Problems of reliability and validity in ethnographic research. Review of Educational Research, 52(1), 31-60. https://doi.org/10.3102/00346543052001031

Levinson, R. (2006). Towards a theoretical framework for teaching controversial socio-scientific issues. International Journal of Science Education, 28(10), 1201-1224. https://doi.org/10.1080/09500690600560753

Martins, L. (2017). Abordagens da saúde em livros didáticos de biologia: análise crítica e proposta de mudança. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, BA. Recuperado de https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/22536/1/Tese_Liziane%20Martins.pdf

Puig, B., & Jiménez Aleixandre, M. P. (2014). Argumentação e pensamento crítico sobre determinismo biológico a respeito das “raças” humanas. In: R. M. Vieira, C. Terneiro-Vieira, I. Sá-Chaves & C. M. Machado (Org.) Pensamento crítico na educação: perspetivas atuais no panorama internacional (pp. 237-250). Aveiro, Portugal: UA Editora.

Queiroz, S. L., & Sá, L. P. (2009). O espaço para a argumentação no Ensino Superior de Química. Educación Química. 20(2), 104-110. https://doi.org/10.1016/s0187-893x(18)30016-8

Reis, P. (2013). Da discussão à ação sociopolítica sobre controvérsias sócio-científicas: uma questão de cidadania. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista. 3(1), 1-10. Recuperado de https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/9577/3/DA%20DISCUSS%C3%83O%20%C3%80%20A%C3%87%C3%83O.pdf

Sá, L. P. (2010). Estudo de casos na promoção da argumentação sobre questões sócio-científicas no Ensino Superior de Química. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, SP. Recuperado de https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/6158/3018.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Sá, L. P., & Queiróz, S. L. (2007). Promovendo a argumentação no ensino superior de química. Química Nova, 30(8), 2035-2042. https://doi.org/10.1590/s0100-40422007000800041

Sá, L. P., & Queiróz, S. L. (2018). Tipos de próteses como tema sociocientífico para a promoção da argumentação no ensino de química. In D. M. Conrado & N. Nunes-Neto (Orgs.). Questões sociocientíficas: fundamentos, propostas de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas (pp. 231-243). Salvador, BA: Edufba.

Sadler, T. D., & Donnelly, L. A. (2006). Socioscientific argumentation: the effects of content knowledge and morality. International Journal of Science Education, 28(12), 1463-1488. https://doi.org/10.1080/09500690600708717

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2001). Tomada de decisão para ação social responsável

no Ensino de Ciências. Ciência & Educação, 7(1), 95-111. https://doi.org/10.1590/s1516-73132001000100007

Santos, W. L. P., Mortimer, E. F., & Scott, P. H. (2001). A argumentação em discussões sócio-científicas: reflexões a partir de um Estudo de Caso. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 1(1), p. 140-152. Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/12137

Silva, R. C. M., Llavanera, M. C., & Santos, W. L. P. (2011). Argumentação em questões sociocientíficas: comparação entre estudantes brasileiros e espanhóis. In Atas do VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0570-1.pdf

Toulmin, S. E. (2006). Os usos do argumento (2a ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Zeidler, D. L., & Nichols, B. H. (2009). Socioscientific issues: theory and practice. Journal of Elementary Science Education, 21(2), 49-58. https://doi.org/10.1007/bf03173684




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n2p120

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License