A MOTIVAÇÃO E O ENGAJAMENTO DE ALUNOS EM UMA ATIVIDADE NA ABORDAGEM DO ENSINO DE CIÊNCIAS POR INVESTIGAÇÃO

Viviane Rodrigues Alves de Moraes, Jennifer Taziri

Resumo


Neste trabalho investigamos a motivação e o engajamento de estudantes do sexto (6o) ano de duas escolas públicas (Urbana e Rural) durante uma atividade na abordagem do Ensino por Investigação. Na coleta de dados utilizamos vídeogravações e materiais produzidos pelos alunos. Para análise e organização de dados, escolhemos a análise de conteúdo e categorizações utilizando referenciais teóricos para os níveis do engajamento (comportamental, emocional e cognitivo) e os fatores do engajamento (vigor, dedicação, absorção). Nossos resultados demonstram que as atividades na abordagem do Ensino de Ciências por Investigação são potencialmente capazes de motivar para promover nos alunos diferentes níveis e fatores de engajamento.

Palavras-chave


Ensino por Investigação; engajamento; motivação

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. J. P. M (2004). Discursos da ciência e da escola: ideologia e leituras possíveis. Campinas: Mercado das Letras.

Azevedo, M. C. P. S. (2010). Ensino por Investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In A. M. P de Carvalho (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp.19-33). São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning,.

Baptista, M. L. M. (2010). Concepção e implementação de actividades de investigação: um estudo com professores de física e química do ensino básico. (Tese de doutorado). Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal. Recuperado de http://repositorio.ul.pt/handle/10451/1854

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa, Portugal: Edições 70.

Borges, O., Julio, J. M., & Coelho, G. R. (2005). Efeitos de um ambiente de aprendizagem sobre o engajamento comportamental, o engajamento cognitivo e sobre a aprendizagem. In R. Nardi & O. Borges (Eds.), Atas do V Encontro de Pesquisa em Ensino de Ciências (ENPEC) (pp. 1-12). Bauru, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/venpec/conteudo/artigos/3/pdf/p462.pdf

Bybee, R. W. (2006). Scientific Inquiry and Science Teaching. In L. B. Flick & N. G. Lederman (Eds.), Scientific Inquiry and Nature of Science: Implications for Teaching, Learning and Teacher Education (vol. 25, pp. 1-14). Dordrecht, Netherlands: Springer. http://doi.org/10.1007/978-1-4020-5814-1_1

Carvalho, A. M. P., Vannucchi, A. I., Barros, M. A., Gonçalves, M. E. R., & Rey, R. C. (1998). Ciências no Ensino Fundamental: o conhecimento físico. São Paulo, SP: Scipione.

Carvalho, A. M. P. (2011). Ensino e aprendizagem de Ciências: referenciais teóricos e dados empíricos das sequências de ensino investigativas (SEI). In M. D. Longhini (Org.). O uno e o Diverso na Educação (pp. 253-266). Uberlândia, MG: Edufu.

Carvalho, A. M. P., & Sasseron, L. H. (2012). Sequências de Ensino Investigativas - SEI: o que os alunos aprendem?. In G. Tauchen & J. A. Silva (Org.). Educação em Ciências: epistemologias, princípios e ações educativas (pp. 152-173). Curitiba, PR: Crv.

Carvalho, A. M. P. (2013). Ensino por Investigação : condições para implementação em sala de aula. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Carvalho, A. de S. (1988). Metodologia da entrevista: uma abordagem fenomenológica. Rio de Janeiro, RJ: Agir.

Dewey, J. (1959). Democracia e educação: introdução a filosofia da educação (3a ed.). São Paulo, SP: Comp. Ed. Nacional.

Dewey, J. (1971). Experiência e educação. São Paulo, SP: Comp. Ed. Nacional.

Duschl, R. A. (2008). Science education in three-part harmony: balancing conceptual, epistemic and social learning goals. Review of Research in Education, 32(1), 268-291. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2671447/mod_resource/content/1/2.2.Science educationa in three part harmony.pdf

Erduran, S. (2008). Methodological Foundations in the Study of Science Classroom Argumentation. In M. O. Jiménez-Aleixandre & S. Erduran (Orgs). Argumentation in Science Education: Perspectives from Classroom-Based Research (pp. 47-69). Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/87288/mod_resource/content/1/Erduran (2007) - Argumentation in science education.pdf

Erickson, F. (1989) Metodos cualitativos de investigación sobre la enseñanza. In M. C. Wittrock, (Org.). La investigación de la enseñanza II: métodos cualitativos y de observación (pp. 195-301). Barcelona, España: Paidos,.

Ferreira, M. S., & Selles, S. E. (2005). Entrelaçamentos históricos das Ciências Biológicas com a disciplina escolar Biologia: investigando a versão azul do BSCS. In R. Nardi & O. Borges. Atas do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), (pp. 1-12). Bauru, SP.

Recuperado de: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/venpec/conteudo/index.htm

Fredricks, J. A., Blumenfeld, P. C., & Paris, A. H. (2004). School engagement: potential of the concept, state of the evidence. Review of Educational Research, 74(1), 59-109. http://doi.org/10.3102/00346543074001059

Freire, A. M. (1993). Um olhar sobre o ensino da Física nos últimos cinquenta anos. Revista de Educação, 03 (1), 37-49.

Freire, P. (1983). Educação e mudança. Coleção Educação e mudança (9a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Júlio, J., Vaz, A. & Fagundes, A. (2011). Atenção: alunos engajados - análise de um grupo de aprendizagem em atividade de investigação. Ciência & Educação (Bauru), 17(1), 63-81.

http://doi.org/10.1590/S1516-73132011000100005

Krasilchik. M. (2000). Reformas e Realidade: o caso do ensino de ciências. São Paulo em Perspectiva, 14 (1), 85-93. http://doi.org/10.1590/S0102-88392000000100010

Leite, L. (2001). Contributos para uma utilização mais fundamentada do trabalho laboratorial no ensino das ciências. In H. V. Caetano & M. G. Santos (Orgs.). Cadernos Didácticos de Ciências, (1), 77-96. Recuperado de https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/10295/1/Contributos%20para%20uma%20utiliza%C3%A7%C3%A3o%20mais%20fundamentada%20do%20trabalho%20laboratorial%20no%20ensino%20das.pdf

Lima, M. E. C. C., & Maués, E. (2006). Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 8(2), 184-198. http://doi.org/10.1590/1983-21172006080207

Ludke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: SP: Epu

Martins, J., & Bicudo, M. (2005). A pesquisa qualitativa em psicologia. São Paulo, SP: Centauro.

MEC(1998). Parâmetros curriculares nacionais: Ciências naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf

Minayo, M. C. de S. (1998). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (5a ed.). São Paulo, SP: Hucitec-Abrasco.

Moreira, D. A. (2004). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo, SP: Pioneira Thomson.

Paiva, D. I. de (2008). Crianças de zona rural, alunos de escola urbana. (Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudo da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/269538/1/Paiva_DalvaInfantinide_M.pdf

Perrenoud, P. (2000). Construir competências é virar as costas aos saber saberes?. Pátio Revista

Pedagógica, 3(11), 70-80. Recuperado de

https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2503.PDF

Pozo, J. I. (2002). Aprendizes e Mestres: a nova cultura de aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artmed.

Sandoval, W. A. (2005). Understanding students’ practical epistemologies and their Influence on learning through inquiry. Science Education, 89(4), 634-656. http://doi.org/10.1002/sce.20065

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Revista Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 17 (n. esp.), 49-67. http://doi.org/10.1590/1983-2117201517s04

Schaufeli, W. B., Salanova, M., González-Romá, V., & Bakker, A. B. (2002). The measurement of engagement and burnout: A two sample confirmatory factor analytic approach. Journal of Happiness studies, 3(1), 71-92. http://doi.org/10.1023/A:1015630930326

Tapia, J. ,& Fita, E. (2000). Motivação na sala de aula. São Paulo, SP: Loyola.

Trópia, G. (2009). Relações dos alunos com o aprender no Ensino de Biologia por atividades investigativas. (Dissertação de Mestrado). PPG em Educação Científica e Tecnológica. Universidade Federal de Santa Catarina , Florianópolis, SC. Recuperado de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/93177

Zômpero, A. F., & Laburú, C. E. (2011). Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Revista Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 13(3), 67-80. http://doi.org/10.1590/1983-21172011130305




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n2p72

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License