AFETIVIDADE E RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: CONTRIBUIÇÕES DESTAS NOS PROCESSOS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS NO ENSINO MÉDIO

Bruna Carminatti, José Claudio Del Pino

Resumo


A discussão dos fatores relacionados à qualidade do Ensino de Ciências no Ensino Médio tem constituído o escopo de diversas pesquisas na referida área. Dentre estes fatores, estão a formação docente, o currículo escolar e as abordagens de ensino. Neste sentido, o objetivo deste artigo é apresentar um recorte de uma pesquisa de doutorado, discutindo a percepção dos professores sobre a influência da afetividade e da relação professor-aluno nos processos de ensino e de aprendizagem na área de Ciências da Natureza no ensino secundário, de forma a relacioná-las aos demais fatores supracitados. Os dados foram obtidos a partir de questionários e entrevistas realizados com docentes que ministram ou ministraram as disciplinas constituintes da área (Química, Física e Biologia) e foram analisados por meio da Análise Textual Discursiva (ATD), estruturando uma das etapas da pesquisa, a qual apresenta cunho qualitativo e etnográfico, e se desenvolve em duas escolas públicas de Ensino Médio do Norte do Estado do Rio Grande do Sul. A partir da discussão das contribuições originárias da análise dos dados obtidos com os docentes, alicerçando-as aos referenciais teóricos de cunho sócio-culturalista, que embasam a pesquisa, foi possível perceber e reconhecer a importância das relações professor-aluno e da afetividade para os processos de ensino e de aprendizagem em Ciências. Contudo, evidenciou-se que estes aspectos nem sempre são abordados na formação docente, bem como, nem sempre há espaço para tais discussões e reflexões na escola e na construção do currículo escolar. Logo, acredita-se que trazer estes elementos ao debate contribuirá para o avanço nas pesquisas sobre práticas de Ensino de Ciências no Ensino Médio.


Palavras-chave


Relação professor-aluno; Afetividade; Ensino de Ciências

Texto completo:

PDF

Referências


André, M. E. D. A. de. (2004). Etnografia da prática escolar (11a ed.). São Paulo, SP: Papirus.

Camargo, D. de. (2004). As emoções e a escola. Curitiba, PR: Travessa dos Editores.

Chassot, A. I. (1990). A educação no ensino de Química. Ijuí, RS: Unijuí.

Chassot, A. I. (2001). Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação (2a.ed.). Ijuí, RS: Unijuí.

Chassot, A. I. (2003a). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22, 89-100. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000100009

Chassot, A. I. (2003b). Educação ConsCiência. Santa Cruz do Sul, RS: Edunisc.

Coll, C. (2003). Psicologia e currículo (5a ed.). São Paulo, SP: Ática.

Freire, P. (2002a). Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa (23a ed.). São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freire, P. (2002b). Pedagogia do oprimido (34a. ed.). São Paulo, SP: Paz e Terra.

Holly, M. L. (2000). Investigando a vida profissional dos professores: diários biográficos. In A. Nóvoa (Org.). Vidas de professores (pp. 79-110). Porto, Portugal: Porto.

Likert, R. (1932). A technique for the measurement of attitudes. Revista Archives of Psychology, 22, 1-55. Recuperado de https://legacy.voteview.com/pdf/Likert_1932.pdf

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. de. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas (2a ed.). São Paulo, SP: Epu.

Mizukami, M. das G. N. (1987). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo, SP: Epu.

Moraes, R., & Galiazzi, M. do C. (2013). Análise Textual Discursiva (2a ed. rev.). Ijuí, RS: Unijuí.

Morales, P. (2009). A relação professor-aluno: o que é, como se faz (8a ed.). São Paulo, SP: Loyola.

Sacristán, J. G. (2010). O que significa currículo? In J. G. Sacristán (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo (pp. 16-35). Porto Alegre, RS: Penso.

Santomé, J. T. (1998). Globalização e Interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre, RS: Artmed.

Santos, W. L. P. dos., & Schnetzler, R. P. (2000). Educação em Química: compromisso com a cidadania (2a ed.). Ijuí, RS: Unijuí.

SEDUC-RS (2011). Proposta pedagógica para o Ensino Médio Politécnico e Educação Profissional integrada ao Ensino Médio. Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Recuperado de http://www.educacao.rs.gov.br/dados/ens_med_proposta.pdf

SEDUC-RS (2016). Reestruturação curricular ensino fundamental e médio: documento orientador. Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Recuperado de http://www.educacao.rs.gov.br/upload/arquivos/201702/09164831-reestruturacao-curricular-ensino-fundamental-e-medio-2016-documento-orientador.pdf

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional (14a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Tardif, M., & Lessard, C. (2013). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas (7a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Tassoni, E. C. M. (2000). Afetividade e aprendizagem: a relação professor-aluno. In 23a Reunião Anual da ANPed. Recuperado de http://23reuniao.anped.org.br/textos/2019t.pdf

Veiga, I. P. A. (2015). Professor: tecnólogo do ensino ou agente social? In I. P. A. Veiga & A. L. Amaral. (Orgs.). Formação de professores: políticas e debates (pp. 61-87). Campinas, SP: Papirus.

Vigotsky, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Vigotsky, L. S. (2003). Psicologia pedagógica. Porto Alegre, RS: Artmed.

Vigotsky, L. S. (2007). A formação social da mente (7a ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Wallon, H. (2007). A evolução psicológica da criança. São Paulo, SP: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p122

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License