JOGOS NO ENSINO DE QUÍMICA: UM ESTUDO SOBRE A PRESENÇA/AUSÊNCIA DE TEORIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA PERSPECTIVA DO V EPISTEMOLÓGICO DE GOWIN

Felipe Augusto de Mello Rezende, Márlon Herbert Flora Barbosa Soares

Resumo


A partir da primeira década do século XXI, percebeu-se um aumento significativo na quantidade de jogos aplicados ao ensino de Química, contudo, tem-se utilizado jogos sem objetivos pedagógicos. Neste sentido, realizou-se uma análise documental nos principais periódicos de Educação/Ensino de Química na perspectiva do V Epistemológico de Gowin, que consiste em um instrumento heurístico para análise da estrutura e do processo de construção do conhecimento, com o intuito de identificar possíveis teorias de ensino e aprendizagem no construto dos jogos. Os resultados indicaram a presença da Epistemologia Genética (54,17%) e da Psicologia Histórico Cultural (29,17%), bem como, a ausência referencial teórico-epistemológico (16,66%). Contudo, identificamos a necessidade de um maior aprofundamento acerca dos referenciais utilizados, pois a maioria dos artigos exploram apenas alguns elementos das teorias. Desta forma, os resultados indicam a iminência da utilização de teorias de aprendizagem, não sendo possível ainda falar em uma epistemologia do jogo.


Palavras-chave


Jogos no Ensino de Química; Teorias de Aprendizagem; Epistemologia Genética; Psicologia Histórico Cultural (PHC); V Epistemológico de Gowin

Texto completo:

PDF

Referências


Benedetti Filho, E., Fiorucci, A. R., Benedetti, L. P. S., & Craveiro, J. A. (2009). Palavras cruzadas como recurso didático no ensino de teoria atômica. Química Nova na Escola, 31(2), 88-95. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc31_2/05-RSA-1908.pdf

Brougère, G.(1995). Brinquedo e Cultura. (7a ed). São Paulo, SP: Cortez.

Brougère, G. (1997). Jogo e Educação. Porto Alegre, RS: Artmed.

Brougère, G. (2002). Lúdico e educação: novas perspectivas. Linhas Críticas, 8(14), 5-20. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/2985/2686

Cavalcanti, E. L. D., & Soares, M. H. F. B. (2009). O uso do jogo de roles (roleplaying game) como estratégia de discussão e avaliação do conhecimento químico. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias, 8(1), 255-282. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen8/ART14_Vol8_N1.pdf

Costa, M. A., & Miranda, A. L. N. (2016). Uma atividade lúdica com aplicação do jogo Lince para o Ensino de Química: reconhecimento das vidrarias presentes no laboratório. Revista Brasileira de Ensino de Química, 11(1), 68-73. Recuperado de http://rebeq.revistascientificas.com.br/edicoes.php?id=95

Dehaene, S. (2012). Os neurônios da leitura: como a Ciência explica a nossa capacidade de ler. Porto Alegre, RS: Penso.

Duarte, N. (2001). Vigotski e o “Aprender a Aprender”: Crítica às Apropriações Neoliberais e Pós-Modernas da Teoria Vigotskiana. (2a ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Duflo, C. (1999). O jogo: de Pascal a Schiller. Porto Alegre, RS: Artmed

Ferreira, A. B. H. (2011). Aurélio Júnior: dicionário escolar da língua portuguesa. (2a ed). Curitiba, PR: Positivo.

Ferreira, W. M., & Nascimento, S. P. F. (2014). Utilização do jogo de tabuleiro - ludo - no processo de avaliação da aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, 36(1), 28-36. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc36_1/06-RSA-26-12.pdf

Focetola, P. B. M., Castro, P. J., Souza, A. C. J., Grion, L. S., Pedro, N. C. S., Iack, R. S., Almeida, R. X., Oliveira, A. C., Barros, C. V. T., Vaitsman, E., Brandão, J. B., Guerra, A. C. O., & Silva, J. F. M. (2012). Os Jogos Educacionais de Cartas como Estratégia de Ensino em Química. Química Nova na Escola, 34(4), 248-255. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_4/11-PIBID-44-12.pdf

Froebel, F. A. (2001). A Educação do homem. Passo Fundo, RS: Upf.

Gamboa, S. S. (2012). Pesquisa em Educação: métodos e epistemologias. (2a ed.). Chapecó, SC: Argos.

Garcez, E. S. C. (2014). O Lúdico em Ensino de Química: um estudo estado da arte. (Dissertação de mestrado). Programada de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO. Recuperado de https://mestrado.prpg.ufg.br/up/97/o/Edna_Sheron_da_Costa_Garcez.pdf

Garcez, E. S. C., & Soares, M. H. F. B. (2017). Um Estudo do Estado da Arte Sobre a Utilização do Lúdico em Ensino de Química. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 17(1), 183-214. http://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017171183

Godoi, T. A. F., Oliveira, H. P. M., & Codognoto, L. (2010). Tabela Periódica – Um Super Trunfo para Alunos do Ensino Fundamental e Médio. Química Nova na Escola, 32(1), 22-25. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc32_1/05-EA-0509.pdf

Goulart, I. B. (2000). Piaget: Experiências Básicas para Utilização pelo Professor. (17a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gowin, D. B., & Alvarez, M. C. (2005). The art of Educating with V Diagrams. New York, United States of America: Cambridge University Press.

Hessen, J. (2000). Teoria do Conhecimento. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Huizinga, J. (2000). Homo Ludens: O jogo como elemento de cultura. (4a ed.). São Paulo, SP: Perspectiva.

Japiassu, H. F. (1977). Introdução ao pensamento epistemológico. (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves.

Junko, A. A. (2009). Transgenerational rescue of a genetic defect in long-term potentiation and memory formation by juvenile enrichement. The Journal of Neuroscience, 29(5), 1496-1502. http://doi.org/10.1523/JNEUROSCI.5057-08.2009

Kishimoto, T. M. (2011a). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. (14a ed.) São Paulo, SP: Cortez.

Kishimoto, T. M. (2011b). O brincar e suas teorias. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Leite, L. M., & Rotta, J. C. G. (2013). Digerindo a Química Biologicamente: a ressignificação de conteúdos a partir de um jogo. Química Nova na Escola, 38(1), 12-19. http://doi.org/10.5935/0104-8899.20160003

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo, SP: Epu.

Messeder Neto, H. S., Pinheiro, B. C. S., & Roque, N. F. (2013). Improvisações Teatrais no Ensino de Química: Interface entre Teatro e Ciência na Sala de Aula. Química Nova na Escola, 35(2), 100-106. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc35_2/06-RSA-37-11.pdf

Miranda, N. (1992). 210 jogos infantis. Belo Horizonte, MG: Itatiaia Limitada.

Montoya, A. O. D., Morais-Shimizu, A., Marçal, V. E. R., & Moura, J. F. B. (2011). Jean Piaget no século XXI: escritos de epistemologia e psicologia genéticas. Marília, SP: Cultura Acadêmica.

Moreira, M. A. (1985). Atividade docente na universidade: alternativas instrucionais. Porto Alegre, RS: Furg.

Moreira, M. A. (1990). Pesquisa em Ensino: Aspectos Metodológicos e Referenciais Teóricos à luz do Vê epistemológico de Gowin. São Paulo, SP: Epu.

Novak, J. D., & Gowin, D. B. (1984). Aprender a Aprender. Lisboa, Portugal: Cambridge University Press.

Olivares, I. R. B., Costa, D. L. L. B., & Queiroz, S. L. (2011). Jogos de Empresa: aplicação à gestão da qualidade no Ensino Superior de Química. Química Nova, 34(10), 1811-1817. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/qn/v34n10/v34n10a14.pdf

Oliveira, J. S., Soares, M. H. F. B., & Vaz, W. F. (2015). Banco Químico: um Jogo de Tabuleiro, Cartas, Dados, Compras e Vendas para o Ensino do Conceito de Soluções. Química Nova na Escola, 37(4), 285-293. http://doi.org/10.5935/0104-8899.20150051

Prestes, Z. (2012). Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

Rodríguez, F. P. (2007). Competencias comunicativas, aprendizaje y enseñanza de las Ciencias Naturales: un enfoque lúdico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 275-298. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen6/ART4_Vol6_N2.pdf

Roque, N. F. (2007). Química por meio do teatro. Química Nova na Escola, (25), 27-29. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc25/rsa02.pdf

Santos, J. S., Silva, D. M., Silva, A. F. C., Oliveira, J. J. S., & Silva, A. B. (2012). Aplicação de um Jogo Didático (Ludo) Explorando o Conteúdo da Tabela Periódica no Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Química, 7(2), 61-68. Recuperado de http://rebeq.revistascientificas.com.br/edicoes.php?id=87

Santos, A. P. B., & Michel, R. C. (2009). Vamos jogar uma SueQuímica? Química Nova na Escola, 31(3), 179-183. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc31_3/05-EA-0108.pdf

Saturnino, J. C. S. F., Luduvico, I., & Santos, L. J. (2013). Pôquer dos Elementos dos Blocos s e p. Química Nova na Escola, 35(3), 174-181. Recuperado de http://www.lcq.caf.ufv.br/wp-content/uploads/2017/07/Poquer-Joyce.pdf

Soares, M. H. F. B. (2016). Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química: uma discussão teórica necessária para novos avanços. Revista Debates em Ensino de Química, 2(2), 5-13. Recuperado de http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/1311/1071

Soares, M. H. F. B. (2015). Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química. Goiânia, GO: Kelps.

Soares, M. H. F. B., Okumura, F., & Cavalheiro, E. T. G. (2003). Proposta de um Jogo Didático para ensino do conceito de Equilíbrio Químico. Química Nova na Escola, (18), 13-17. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc18/A03.PDF

Vygotsky, L. S. (2007). A formação social da mente. São Paulo, SP: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p103

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License