UM PERFIL MÉTRICO DAS PESQUISAS QUE DESTACAM A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ÁREA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

Julio César Castilho Razera, Carla Maria Santana Matos, Fernando Bastos

Resumo


O artigo enfoca aquilo que a literatura vem atualmente apontando acerca das necessidades de conhecermos ampla e profundamente o campo de pesquisa sobre formação de professores. Dentro desse escopo, o objetivo foi traçar um perfil métrico do campo brasileiro de pesquisas sobre formação de professores em Educação em Ciências, baseado em artigos de periódicos dessa área. Este trabalho é parte de uma extensa investigação sobre o tema, na qual utilizamos bases teórico-metodológicas da estatística descritiva, da bibliometria e da cienciometria. Nesta pesquisa foram analisados 406 artigos sobre formação de professores publicados nestes cinco periódicos brasileiros da área de Educação em Ciências, desde o primeiro número de cada um até o último de 2016: IENCI, Ciência & Educação, Ensaio, RBPEC e Alexandria. O conjunto de indicadores mostra que o referido campo mescla atributos próprios (e.g., tipo de literatura que o fundamenta; forte presença autoral feminina) e características que são compartilhadas com outros campos (e.g., distribuição da produtividade sobre um tema específico). As análises realizadas sugerem um perfil de pouca produção teórica e baixa autonomia epistêmica do campo de pesquisa sobre formação de professores em Educação em Ciências. Há nítida importação e uso de referenciais teórico-metodológicos de outros campos de pesquisas, notadamente da Educação, Filosofia e Psicologia.

Palavras-chave


Formação de professores; Cienciometria; Campo de pesquisas; Periódicos

Texto completo:

PDF

Referências


Agresti, A., & Finlay, B. (2012). Métodos estatísticos para as ciências sociais. (4a ed.) Porto Alegre: Penso.

André, M. (2010). Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, 33(3), 174-181. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8075/5719

André, M. (2009). A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, 1(1), 41-56. Recuperado de https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/v1n1_2b/3

André, M. (1991). Técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa: oposição ou convergência? Cadernos CERU, 3(2), 161-165.

André, M., Simões, R. H. S., Carvalho, J. M., & Brzezinski, I. (1999). Estado da arte da formação de professores no Brasil. Educação & Sociedade, ano XX, 68, 301-309. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a15v2068

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. (3a ed.) Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. (Trad. Denice B. Catani). São Paulo, SP: Unesp.

Campos, L. M. L., Spazziani, M. L., Diniz, R. E. S., Alves, G., Viveiro, A. A., Soares, M. N., Redling, J. P., Campos, R. S. O. (2009). Produção científica sobre formação de professores de ciências em eventos científicos na area de Educação: primeiras revelações. In Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/887.pdf

Demo, P. (1995). Metodologia científica em Ciências Sociais. São Paulo, SP: Atlas.

Gatti, B. (2004). Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, 30(1), 11-30. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n1/a02v30n1.pdf

Gauthier, C., Stéphane, M., Desbiens, J., Malo, A., & Simard, D. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí, RS: Unijuí.

Gingras, Y. (2016). Os desvios da avaliação da pesquisa: o bom uso da bibliometria. Rio de Janeiro, RJ: Ufrj.

Giroux, H. A. (1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artmed.

Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 201-210. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf

Hood, W. W., & Wilson, C. S. (2001). The literature of bibliometrics, scientometrics, and informetrics. Scientometrics, 52(2), 291 - 314. https://doi.org/10.1023/A:1017919924342

Kmeteuk Filho, O. (2005). Pesquisa e análise estatística. Rio de Janeiro, RJ: Fundo de Cultura.

Leydesdorff, L., & Milojevic, S. (2015). Scientometrics. In J. D. Wright, & M. Lynch, (Eds.). International Ecyclopedia of Social and Behavioral Sciences, section 8.5: Science and Technology Studies, subsection 85030, v21, (322-327), Oxford: Elsevier. Recuperado de: https://arxiv.org/ftp/arxiv/papers/1208/1208.4566.pdf

Marcelo Garcia, C. (1999). Formação de professores. Para uma mudança educativa. Porto, Portugal: Porto.

Matos, C. M. S. (2017). Estudo cienciométrico das referências bibliométricas de artigos que destacam a formação de professores em periódicos brasileiros da área de Educação em Ciências. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Formação de Professores. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA. Recuperado de http://www2.uesb.br/ppg/ppgecfp/wp-content/uploads/2017/08/Carla-Maria-Santana-Matos-Mest.-em-Educa%C3%A7%C3%A3o-UESB_2017.pdf

Matos, C. M. S., & Razera, J. C. C. (2017). O uso de referenciais com perspectivas críticas e/ou reflexivas em trabalhos sobre formação de professores na área de Educação em Ciências. In P. Membiela, N. Casado, M. I. Cebreiros, & M. Vidal (Eds.). La enseñanza de las ciencias en el actual contexto educativo (pp. 91-96). Ourense, España: Educación Editora.

Maz, A. et al. (2009). La educación matemática en la revista Enseñanza de las Ciencias, Enseñanza de las Ciencias, 27(2),185-194. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/132236/332867

Muruguesan, P., & Moravcsik, M. J. (1978). Variation of the Nature of citation measures with journals and scientific specialties. Journal of the American Society for InfQrmation Science, 29(3),141-147. https://doi.org/10.1002/asi.4630290307

Nóvoa, A. (Org.). (1992). Os professores e a sua formação. Lisboa, Portugal: Dom Quixote.

Ortiz, R. (2012). As ciências sociais e a diversidade de sotaques. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 27(78), 7-24. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v27n78/v27n78a01.pdf

Razera, J. C. C. (2016). A formação de professores em artigos da revista Ciência & Educação. Ciência & Educação (Bauru), 22(3), 561-583. https://doi.org/10.1590/1516-731320160030002

Rigolin, C. C. D., Hayashi, C. R. M., & Hayashi, M. C. P. I. (2013). Métricas da participação feminina na ciência e tecnologia no contexto dos INCTs: primeiras aproximações. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, 9(1), 143-170. Recuperado de: http://revista.ibict.br/liinc/article/download/3400/2987

Schön, D. A. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artmed.

Shulman, L. S. (1987). Knowledge and Teaching: Foundations of the New Reform. Harvard Educational Review, 57(1), 1-21. https://doi.org/10.17763/haer.57.1.j463w79r56455411

Shulman, L. S. (1986). Those Who Understand: Knowledge Growth in Teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14. https://doi.org/10.3102/0013189X015002004

Silva, O. B., & Queiroz, S. L. (2016). Mapeamento da pesquisa no campo da formação de professores de Química no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências, 21(1), 62-93. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/viewFile/28/10

Slongo, I. I. P., & Delizoicov, D. (2006). Um panorama da produção acadêmica em ensino de Biologia desenvolvida em programas nacionais de pós-graduação. Investigações em Ensino de Ciências, 11(3), 323-341. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/486/289

Smith, L. C. (1981). Citation analysis. Library trends, 30, 83-106. Recuperado de http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.172.9584&rep=rep1&type=pdf

Spinak, E. (1996). Diccionario enciclopédico de bibliometría, cienciometría e informetría. Caracas, Venezuela: Unesco.

Tardif, M. (2004). Saberes docentes e formação profissional. (4a ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.

Urbizagástegui, R. (2008). A produtividade dos autores sobre a lei de Lotka. Ciência da Informação, Brasília, 37(2), 87-102. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ci/v37n2/a07v37n2.pdf

Urbizagástegui, R. (2009). Elitismo na literatura sobre a produtividade dos autores. Ciência da Informação, Brasília, 38(2), 69-79. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ci/v38n2/06.pdf

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 31(2), 152-162. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n2/12918.pdf

Vanti, N. A. P. (2000). Métodos cuantitativos de evaluación de la ciencia: bibliometría, cienciometría e informetría. Investigación Bibliotecológica, 14(29), 9-23. https://doi.org/10.22201/iibi.0187358xp.2000.29.3943

Zeichner, K. M. (1993). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa, Portugal: Educa.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p2000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License