UM ESTUDO DE OBSERVAÇÃO E “ESCUTA” EM ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL PÚBLICAS: A “ARTE DE FAZER” A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE PROFESSORAS DE CIÊNCIAS NATURAIS

Cláudio Rejane da Silva Dantas, Neusa Teresinha Massoni

Resumo


Este artigo busca apresentar parte dos resultados de uma pesquisa mais ampla que investigou o processo de avaliação da aprendizagem, centrando no componente curricular Física no âmbito da disciplina de Ciências, anos finais do Ensino Fundamental, em escolas públicas do Município de Porto Alegre, RS, coordenadas pela Secretaria Municipal de Educação. Adotamos a abordagem da pesquisa qualitativa e o estudo de caso na acepção de Stake (2011). Realizamos estudos distintos envolvendo, ao todo, dez escolas públicas. Este texto focaliza resultados de observação e escuta das práticas cotidianas escolares através da promoção da escuta de longos diálogos em diferentes momentos, e imersão na sala de aula junto a três professoras de Ciências para compreender os “modos de fazer” a avaliação dessas professoras (três estudos de casos, um em cada escola), bem como captar o significado da avaliação na perspectiva de estudantes. A partir da análise da legislação brasileira e de uma revisão da literatura e de posturas teóricas surgiu a necessidade de buscarmos compreender as artes de fazer a avaliação da aprendizagem, as fabricações e “invenções anônimas” de professoras de Ciências, aqui reveladas como táticas de resistências na perspectiva da teoria das práticas e invenções cotidianas de Certeau (2014). Evidenciamos que as professoras fazem uso de estratégias e táticas em um processo criativo de subversão das normas que lhes são impostas para avaliar, como forma de resistência. Os três estudos mostram a riqueza de dar a palavra e a necessidade de proceder à escuta de professores, que é, ao mesmo tempo, uma escuta externa e uma escuta de si para compreender seus modos de fazer a avaliação, suas “bricolagens” para enfrentamento de problemas de várias ordens (violência, infrequência, ausência de sonhos e expectativas nos estudantes, desvalorização profissional, políticas desencontradas, salários defasados, etc.). A escuta da palavra parece auxiliar na reinvenção de suas histórias, como professoras, diminuir a angústia frente às pressões e revela também demandas da escola à academia. Os estudantes dizem que o professor deveria ouvi-los mais e não avaliar apenas o quanto eles dominam o conteúdo. Desta forma, observação e escuta do cotidiano escolar pode estar se revelando um passo inicial indispensável para a construção de políticas públicas e melhorias do processo avaliativo.


Palavras-chave


Avaliação da Aprendizagem; Ensino de Ciências; Escuta; Observação; Michel de Certeau

Texto completo:

PDF

Referências


Abib, M. L. V. S. (2010). Avaliação e melhoria da aprendizagem em Física. In A. M. P. de Carvalho., E. C. Ricardo., L. H. Sasseron., M. L. V. S. Abib, & M. Pietrocola (Orgs.). Ensino de Física - coleção Ideias em Ação (pp. 141 – 158). São Paulo, SP: Cortez.

Afonso, A. J. (2009). Avaliação Educacional: Regulação e Emancipação: para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo, SP: Cortez.

Alves, N., Garcia, R. L., Filho, J. M. J., Souza, M. M., Dominick, R., Taveira, E. B., Silva, V. O., Macedo, S. H., & Duarte, C. A. A. (2000). A invenção da Escola a cada dia. Rio de Janeiro, RJ: DP & A.

Bogdan, R., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto, Portugal: Porto.

Canto, E. L. C. (2013). Ciências Naturais: Aprendendo com o Cotidiano (9º ano). São Paulo, SP: Moderna.

Carvalho, L. M. O., & Martinez, C. C. L. P. (2005). Avaliação formativa: a auto avaliação do aluno e a auto formação de professores. Ciência & Educação (Bauru), 11 (1), 133-144.

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132005000100011

Caderno 9, Ciclos de Formação, Proposta Político Pedagógica da Escola Cidadã. (1997). Secretaria Municipal de Educação/ SMED, Porto Alegre, RS. Recuperado de

https://bibliotecasmed.files.wordpress.com/2013/06/cadernos-pedagc3b3gicos-nc3bamero-9.pdf

Certeau, M. (2014). A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

Dantas, C. R. S. (2017). Avaliação no ensino de ciências no nível fundamental: investigando orientações oficiais e práticas docentes, fazendo “escuta” e intervenções em escolas (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Recuperado de https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/172904/001059356.pdf

Dantas, C. R. S., Massoni, N. T., & Santos, F. M. T. (2017). A avaliação no ensino de ciências naturais nos documentos oficiais e na literatura acadêmica: uma temática com muitas questões em aberto. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, 25(95), 440-482. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362017002500807

Duran, M. C. G. (2007a). Ensaio sobre a contribuição de Michel de Certeau à pesquisa em formação de professores e o trabalho docente. Educação & Linguagem, 10(15), 117-137. http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v10n15p117-137

Duran, M. C. G. (2007b). Maneiras de Pensar o Cotidiano com Michel de Certeau. Diálogo Educação, 7((22), 115-128. http://dx.doi.org/10.7213/rde.v7i22.4177

Esteban, M. T. (2013). Ser professora: avaliar e ser avaliada. In M. T. Esteban. Escola, currículo e avaliação (pp. 13 – 37). São Paulo, SP: Cortez.

Esteban, M. T., & Afonso, A. J. (2010). Olhares e Interfaces: reflexões críticas sobre a avaliação (Orgs.). São Paulo, SP: Cortez.

Ferraço, C. E. (2008). Currículo, formação de professores e cotidiano escolar: fragmentos de complexidade das redes vividas. In C. E. Ferraço (Org.). Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. São Paulo, SP: Cortez.

Freitas, A. L. S. (2013). Fundamentos, dilemas e desafios da avaliação na organização curricular por ciclos de formação. In M. T Steban. Escola, currículo e avaliação. São Paulo, SP: Cortez.

Lara, V. A., & Brandalise, M. A. T. (2016). Avaliação da aprendizagem na escola organizada em ciclos: concepções dos professores. Estudos em Avaliação Educacional, 27(64), 36-68. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3731

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, Diário Oficial da União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei n. 10.287, de 20 dezembro de 2001. (2001). Altera dispositivo da lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1966, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de

https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2001/lei-10287-20-setembro-2001-399129-publicacaooriginal-1-pl.html

Magnata, R. C. V., & Santos, A. L. F. (2015). Avaliação formativa da aprendizagem: a experiência do conselho de classe. Estudos em Avaliação Educacional, 26(63), 768-802. http://dx.doi.org/10.18222/eae.v26i63.3253

Oliveira, I. B. (2001). Certeau e as artes de fazer: as noções de uso, tática e trajetória na pesquisa em educação. In I. B. Oliveira & Alves N., Pesquisa no/do cotidiano das escolas – sobre redes de saberes. Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Oliveira, I. B. (2008). Criação curricular, autoformação e formação continuada no cotidiano escolar. In C. E. Ferraço (Org.). Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. São Paulo, SP: Cortez.

Oliveira, I. B., & Sgarbi. (2007). Paulo. A invenção cotidiana da pesquisa e de seus métodos. Educ. Soc. Campinas, 28 (98), 15-22. doi.org/10.1590/S0101-73302007000100002

Parecer n. 07, de 07 de abril de 2010. (2010). Estabelece Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica, Conselho Nacional de Educação (CNE), Câmara de Educação Básica (CEB). Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf

Parecer n. 11, de 07 de Julho de 2010. (2010). Estabelece Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos, Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf

Perrenoud, P. (1999). Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre, RS: Artmed.

Santos, A. P. S., & Canen, A. (2014). Avaliação Escolar Para a Aprendizagem: possibilidades e avanços na prática pedagógica. Meta: Avaliação, 6(16), 53-70. Recuperado de

http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/viewFile/208/pdf

Santos, L. (2016). A articulação entre a avaliação somativa e a formativa, na prática pedagógica: uma impossibilidade ou um desafio?. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, 24(92), 637-669. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000300006

Silva, S. O. C. (2010). Concepção docente sobre avaliação qualitativa da aprendizagem no ensino fundamental: uma interpretação da LDB 9394/96. Meta: Avaliação, 2(6), 334-357.

http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v2i6.87

Stake, R. E. (1999). Investigación con estudio de casos. Madrid, Espanha: Morata.

Stake, R. E. (2011). Pesquisa Qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre, RS: Penso.

Valadares, J., & Graça, M. (1998). Avaliando para melhorar a aprendizagem. Lisboa, Portugal: Plátano.

Ward, H. (2010). Planejamento e avaliação da aprendizagem. In H. Ward & J. Roden. Ensino de Ciências (pp. 104 – 124). Porto Alegre, RS: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p31

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License