O CENÁRIO DAS PESQUISAS SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NA PERSPECTIVA PROGRESSISTA

Wélica Patrícia Souza de Freitas, Wellington Pereira de Queirós

Resumo


O presente trabalho é um estudo do estado da arte sobre pesquisas que tratam da Formação de Professores (FP), numa abordagem das perspectivas progressistas. O levantamento foi realizado em periódicos brasileiros com qualis B1, A2 e A1 e anais de eventos científicos, no período de 2007 a 2016. A pesquisa tem caráter qualitativo e a metodologia de análise empregada ancorou-se na Análise Textual Discursiva (ATD). Desta análise, emergiram 527 unidades de significado, 8 categorias iniciais, 5 categorias intermediárias e 3 categorias finais, intituladas: 1) A inserção de abordagens progressistas na Formação de Professores, como instrumento para construir uma comunidade aprendente. 2) O repensar sobre algumas produções curriculares no ensino de ciências: potencialidades, a partir da formação de professores e 3) A aproximação universidade-escola: o professor como pesquisador-progressista, que busca elementos teóricos de sua prática pedagógica. A escrita dos metatextos teve como base, principalmente, os referenciais progressistas; e pela ATD, compreendemos a importância da inserção destas perspectivas, que potencializam reflexões de dimensão política e social, em uma formação, que contemple o modelo intelectual crítico transformador e possibilite, ao professor, analisar e reestruturar suas ações pedagógicas, sob um viés de transformação e emancipação social.


Palavras-chave


Estado da arte; Formação de Professores; Perspectiva Progressista; Modelos Formativos; Análise Textual Discursiva

Texto completo:

PDF

Referências


Auler, D. (2008). Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência & Ensino, 1(n.esp.), 1-20. Recuperado de http://200.133.218.118:3536/ojs/index.php/cienciaee nsino/issue/view/15

Auler, D. (2011). Novos caminhos para a educação CTS: ampliando a participação. CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas. (pp. 73-97). Brasília, DF: Unb

Auler, D., Dalmolin, A. M. T., & dos Santos Fenalti, V. (2009). Abordagem temática: natureza dos temas em Freire e no enfoque CTS. Alexandria: revista de educação em ciência e tecnologia, 2(1), 67-84. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37915

Barros, T. G. E., & Queirós, W. P. (2015). Estado da Arte sobre as pesquisas de formação de professores na Educação Ambiental. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015

Bernheim, C. T., & Chauí, M. S. (2008). Desafios da universidade na sociedade do conhecimento. Brasília, DF: UNESCO.

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22(1), 89-100.

Chauí, M. S. (2001). Escritos sobre a universidade. São Paulo, SP: Unesp.

Contreras, J. (2002). A autonomia de professores. São Paulo, SP: Cortez.

Dagnino, R., Silva, R. D., & Padovanni, N. (2011). Por que a educação em ciência, tecnologia e sociedade vem andando devagar? CTS e Educação Científica: Desafios, Tendências e Resultados de Pesquisas (pp. 99-134). Brasília, DF: UnB,.

Delizoicov, D., Angotti, J. A., Pernambuco, M. M., & da Silva, A. F. G. (2002). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo, SP: Cortez.

Demo, P. (2002). Professor e seu direito de estudar: reflexões sobre a formação de professores. Campinas, SP: Papirus.

Fine, M. (1987). Silencing in public schools. Language Arts, 64(2), 157-174.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. (17a. ed.) Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 3.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo, SP: Paz e Terra, 90.

Freitas, Z. L., Carvalho, L. M., & Oliveira, E. R. (2013). Formação docente a partir da proposição de estruturas formativas. In Anais do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1068-4.pdf

Galiazzi, M. C. (2003). Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de ciências. Ijuí, RS: Unijui.

Gil-Pérez, D., & Carvalho, A. D. (1993). Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo, SP: Cortez.

Giroux, H. A., & Purpel, D. E. (1983). The hidden curriculum and moral education: Deception or discovery?. USA, Berkeley: McCutchan.

Giroux, H. (1986). Teoria crítica e resistência em educação para além das teorias de reprodução. Porto Alegre, RS: Vozes.

Giroux, H. A.(1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artmed

Giroux, H. A. (2003). Atos impuros: a prática política dos estudos culturais. Porto Alegre, RS: Artmed.

Gomes, A. S., & Gondim, M. S. C. (2014). Análise dos Casos com Aspectos Sociocientíficos produzidos por Professores de Química em Formação Inicial. In Anais do XVII Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ) (p. 38-49). Ouro Preto, MG. Recuperado de http://www.sbq.org.br/eneq/xvii/anais_xvii_eneq.pdf

Gramsci, Antonio (2009). Hegemony, intellectuals and the state. In John Storey (ed.), Cultural Theory and Popular Culture: A Reader. Ft Prentice Hall. pp. 2-210.

Habermas, J. (1990). Teoría y praxis: estudios de filosofía social. Buenos Aires, Argentina: Tecnos.

Habermas, J. (1992). Tres modelos de democracia: Sobre el concepto de una política deliberativa. Debats, 39, 18-21.

Harres, J. B. S., Wolffenbuttel, P. P., & Delord, G. C. C. (2013). Um estudo exploratório internacional sobre o distanciamento entre a escola e a universidade no ensino de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 18(2), 365. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/137/95

Horkheimer, M. (2006). Teoria crítica. São Paulo, SP: Perspectiva.

Kemmis, S. (1987). ‘Critical reflection’. In M. F. Widden & I. Andrews (Eds.). Staff Development for School Improvement (pp. 73-90). New York, United States of America: Falmer Press.

Kemmis, S. (2009). Understanding professional practice: A synoptic framework. In B. Green (Ed.). Understanding and researching professional practice (pp. 19-38). Rotterdam, The Netherlands: Sense.

Libâneo, J. C. (1990). Democratização da escola pública. São Paulo, SP: Edições Loyola.

Lima, A. M. D. L., & Garcia, R. N. (2015) A Alfabetização Científica de estudantes de licenciatura em Ciências Biológicas: um estudo de caso no contexto da formação inicial de professores. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R2229-1.PDF

Lopes, N. C., Carvalho, W. L. P., & Faria, P. C. (2013). Agrotóxicos-toxidade versus custos: uma experiência de formação de professores com as questões sociocientíficas no ensino de ciências. In Anais do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1689-3.pdf

Lüdke, M., & da Cruz, G. B. (2005). Aproximando universidade e escola de educação básica pela pesquisa. Cadernos de pesquisa, 35(125), 81-109.

Maldaner, O. A., Zanon, L. B., & Auth, M. A. (2006). Pesquisa sobre educação em ciências e formação de professores. In F. M. T. Santos & I. M. Greca (Orgs.). A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias, 2, 49-88. Ijuí, RS: Unijuí.

Martínez Pérez, L. F., Carvalho, W. D., Lopes, N. C., Carnio, M. P., & Vargas, N. J. B. (2011). A Abordagem de questões sociocientíficas no Ensino de Ciências: contribuições à pesquisa da área. In Anais do VIII Encontro de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Campinas, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1606-1.pdf

McLaren, P. (1998). Multiculturalismo revolucionario: pedagogías de disensión para el nuevo milênio. México, México: Siglo XXI.

Misgeld, D. (1985). Education and cultural invasion: critical social theory, education as instruction, and the 'pedagogy of the oppressed'. In J. Forester (Ed.). Critical theory and public life (pp. 77 - 118). Cambridge, United States of America: MIT Press.

Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2007). Análise textual: discursiva. Ijuí, RS: Unijuí.

Nascimento, F., Fernandes, H. L., & de Mendonça, V. M. (2010). O ensino de ciências no Brasil: história, formação de professores e desafios atuais. Revista HISTEDBR On-line, 10(39), 225-249. Recuperado de http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/39/art14_39.pdf

Oliveira, A. M., & Carvalho, L. M. (2015). A formação continuada de professores de ciências por meio das questões sociocientíficas via política pública: possibilidades de ressignificação. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R1440-1.PDF

Oliveira, R. D. V. L., & Queiroz, G. R. P. C. (2016). A formação do professor como intelectual transformador e os fios e o compõem: uma análise a partir da formação inicial de uma professora de Química. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(2), 339-360. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4378/2944

Oliveira, J. P., Silveira, I. D., & Field’s, K. A. P. (2014). Elaboração e Desenvolvimento de Projetos de Intervenção Pedagógica como Estratégias para a Formação Inicial de Professores de Química. In Anais do XVII Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ) (p. 4647-4658). Florianópolis. SC. Recuperado de http://www.sbq.org.br/eneq/xvii/anais_xvii_eneq.pdf

Pereira, J. E. D. (2006). Formação de professores: pesquisas, representações e poder. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Persicheto, A. J. O. (2015). Pedagogia do Oprimido: implicações para o Ensino de Ciências e para a Formação de Professores. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015

Popkewitz, T. S. (1977). The latent values of the discipline-centered curriculum. Theory & Research in Social Education, 5(1), 41-60. Recuperado de DOI: 10.1080/00933104.1977.10505997

Queirós, W. P. (2012). A articulação das culturas humanísticas e científica por meio do estudo histórico-sociocultural dos trabalhos de James Prescott Joule: contribuições para a formação de professores universitários em uma perspectiva transformadora. (Tese de doutorado). Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, SP. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102029/queiros_wp_dr_bauru.pdf?sequence=1

Ribeiro, K. D. F. (2016). A aprendizagem para ação cidadã na formação de professores de ciências naturais por meio de análise de questão sociocientífica. In Anais do XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ). Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R1118-2.pdf

Roso, C., A. Santos, R., Ewerling, R., S., & Auler, D. (2015). Currículo temático fundamentado em Freire-CTS: engajamento de professores de física em formação inicial. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(2). Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v17n2/1983-2117-epec-17-02-00372.pdf

Sacristán, G., & Gómez, A. P. (2009). Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre, RS: Artmed.

Sacristán, J. G. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, RS: Artmed.

Santana, V. F., & Silva, A. C. (2016). A Alfabetização Científica no Ensino de Ciências: Caminhos percorridos em um curso de formação continuada. In Anais do XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ). Florianópolis. SC. Recuperado de http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R1172-2.pdf

Schön, D. A. (1983). The reflective practioner: How professionals think in action. Londres, England: Temple Smith.

Schön, D. A. (1992). La formación de profesionales reflexivos: hacia un nuevo diseño de la enseñanza y el aprendizaje en las profesiones/Educating the reflective practitioner: Centro de Publicaciones del Ministerio de Educación y Ciencia.

Silva. T. T. (2016). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Silva, P. F., Oliveira, R. M. A., Silva, T. O., Silva. G. N., & Dantas Filho, F. F. (2016). Alfabetização Científica na visão dos professores de Química de escolas públicas do Ensino Médio no estado da Paraíba. Atas do XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ), Florianópolis, SC. Recuperado de: http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R0139-2.pdf

Souza, F. L., & Gonçalves, T. V. O. (2012). Reflexões sobre a utilização da abordagem CTS na formação de professores em química no Instituto Federal de Educação do Maranhão. In Anais do XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ)/X Encontro de Educação Química da Bahia (EDUQUI). Salvador, BA. Recuperado de https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/7687

Souza, P. S., Solino, A. P., Figueiredo, P. S., & Gehlen, S, T.(2013). Abordagem Temática Freireana e a Práxis Curricular via Tema Gerador no contexto de um grupo de professores de Ciências. In Anais do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0909-1.pdf

Teixeira, P. M. M. (2003). A educação científica sob a perspectiva da pedagogia histórico-crítica e do movimento CTS no ensino de ciências. Ciência & educação, 9(2), 177-190. Recuperado de http://www.cultura.ufpa.br/ensinofts/artigo4/metodocts.pdf

Teixeira, G. B., & Melo, M. R. (2014). Avaliação da aprendizagem dos licenciandos por meio da perspectiva curricular CTS e da Metodologia da Mediação Dialética durante a aplicação de oficinas didáticas. In Anais do XVII Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ). Outro Preto, MG. Recuperado de http://www.sbq.org.br/eneq/xvii/anais_xvii_eneq.pdf

Van Manen, M. (1977). Linking ways of knowing with ways of being practical. Curriculum inquiry, 6(3), 205-228. DOI: 10.1080/03626784.1977.11075533

Vianna, I. O. D. A. (2004). A formação de docentes no Brasil: história, desafios atuais e futuros. A formação de professores na sociedade do conhecimento. Bauru, SP: Edusc.

Zuin, V. G., & Freitas, D. (2007). A utilização de temas controversos: estudo de caso na formação de licenciandos numa abordagem CTSA. Ciência & Ensino (Bauru), 1(2). Recuperado de http://200.133.218.118:3536/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/136/129




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p154

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License