TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO – O USO DA CONTROVÉRSIA CONTROLADA COMO MEIO DE PROMOVER APROXIMAÇÕES ENTRE O ENFOQUE EDUCACIONAL CTS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA

Richard Alves, Giselle Rôças

Resumo


Este estudo versa sobre o uso da técnica da controvérsia controlada como uma metodologia da pesquisa educacional voltada para o ensino de ciências, abordando a educação ambiental crítica sob enfoque educacional em ciência tecnologia e sociedade (Educação CTS). Com base nos referenciais teóricos de expostos, o tema transposição do rio São Francisco foi problematizado e debatido por professores-mestrandos, em uma pesquisa amparada em abordagens qualitativas de investigação, de natureza interpretativa com observação participante, realizou-se o estudo com 14 mestrandos inscritos na disciplina de Tópicos em Educação Ambiental de um mestrado em ensino de ciências. Sobre a coleta de dados, optamos pela utilização de registros de observações, transcrições de áudios, questionários e análise do relatório final dos grupos, que foram igualmente tratados pela Análise Textual Discursiva (ATD). Os resultados demonstraram que os mestrandos atribuíam uma visão ingênua e neutra sobre a Ciência, Tecnologia e relações com a natureza no início da disciplina; no entanto, a atuação e reflexão deles a partir do uso da técnica de controvérsia controlada revelaram potenciais contribuições à alfabetização científica e ratificou que a técnica é uma metodologia eficaz na promoção de discussões sobre CTS e educação ambiental crítica (EA Crítica).


Palavras-chave


controvérsia controlada; CTS; metodologia de ensino; educação ambiental crítica

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, F. B, & Bomfim, A. M. (2016). A Educação ambiental integrando teoria e prática: a comunidade escolar e o estudo da cobertura arbórea do bairro parque Amorim. In Atas do II Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, PR, Brasil. Recuperado de www.sinect.com.br/2016/down.php?id=3332&q=1

Alves, R., & Rôças, G. (2017) Revista controvérsias: uma formação continuada sobre CTS para professores de ciências por meio de uma revista digital. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 7, 93-108. Recuperado de http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/4879/2603

Anjos, M. B., Pereira, M. V., & Rôças, G. (2018) . Nós que aqui estamos por vós esperamos: a desejada aproximação entre educação básica e pesquisadores em ensino de ciências. Revista Espaço Pedagógico, 25, 528-545. DOI: 10.5335/rep.v25i2.8177

Auler, D., & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, 3(1), 1-13. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v3n2/1983-2117-epec-3-02-00122.pdf

Auler, D., & Delizoicov, D. (2006). Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de ciências. Revista electrónica de enseñanza de las Ciencias, 5(2), 337-355. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen5/ART8_Vol5_N2.pdf

Barreto, L. M., & Vilaça, M. T. M. (2018). Controvérsias e consensos em educação ambiental e educação para o desenvolvimento sustentável. Research, Society and Development, 7(5), 01-18 DOI:10.17648/rsd-v7i5.223

Bazzo, W. A. (2016). Ponto de Ruptura Civilizatória: a Pertinência de uma Educação “Desobediente”. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad - CTS, 11(33), 73-91. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/924/92447592005.pdf

Bazzo, W. A. (2018). Quase três décadas de CTS no Brasil! Sobre avanços, desconfortos e provocações. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, 11(2), 50-68. DOI: 10.3895/rbect.v11n2.8427

Bomfim, A. M., & Piccolo, F. D. (2011). Educação ambiental crítica: a questão ambiental entre os conceitos de cultura e trabalho. REMEA: revista eletrônica do mestrado em educação ambiental, 27, 184-195. DOI: 10.14295/remea.v27i0.3236

Bomfim, A. M., Maia, E. D., & Vieira, V. (2018) A Crítica da Crítica dos Mestrados Profissionais: uma reflexão sobre quais seriam as contradições mais relevantes. Ciência & Educação (online), 24(1), 245-262. DOI: 10.1590/1516-731320180010016

Brasil. (2004). Ministério da Integração Nacional. Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional – Relatório de Impacto Ambiental – RIMA. Recuperado de http://www.integracao.gov.br/documents/10157/3678963/Rima+-+Relat%C3%B3rio+de+Impacto+Ambiental.pdf/4324863d-cbff-4522-9bd0-eab9d34b8fe2

Carletto, M. R., & Pinheiro, N. A. M. (2010). Subsídios para uma prática pedagógica transformadora: contribuições do enfoque CTS. Investigações em Ensino de Ciências, (3), 507-525. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/260/182

CavalcantI, D. B., Costa, M. A. F., & Chrispino, A. (2014). Educação Ambiental e Movimento CTS, caminhos para a contextualização do Ensino de Biologia. Revista Práxis (Online). VI (12), 27-42. Recuperado de http://web.unifoa.edu.br/praxis/numeros/12/27-42.pdf

Chrispino, A. (2005). Proibição do fumo: decisão pessoal ou social? Curso a distância: módulo 6. [S. l.]: OEI. Recuperado de http://www.campus-oei.org/salactsi/alvaro.htm

Chrispino, A., & Chaves, A. L. R. (2009). Uma experiência CTS em sala de aula: a internacionalização da Amazônia. In: Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis. SC, Brasil. DOI: 10.18542/amazrecm.v9i17.1658

Costa, M. A. F., Veneu, F., & Costa, M. F. B. (2018). Discussão de controvérsias sociocientíficas em sala de aula: o ensino da biossegurança em foco. Revista Práxis, 10(19), 1-12. Recuperado de http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/743/1834

Dias, R. B., & Serafim, M. P. (2009). Educação CTS: uma proposta para formação de cientistas e engenheiros. Avaliação,14(3), 611-627. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772009000300005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Fahel, A. O. (2018). Desenvolvimento sustentável: solução ou reprodução do problema entre desenvolvimento e meio ambiente? Saberes da Amazônia, 3(6), 58-75. Recuperado de https://www.fcr.edu.br/ojs/index.php/saberesamazonia/article/view/221/257

Gordillo, M. (2003). Metáforas y simulaciones: alternativas para la didáctica y la enseñanza de las ciencias. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 2(3), 377-398. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen2/REEC_2_3_10.pdf

Guimarães, M. (2016). Por uma educação ambiental crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, 7(9), 11-22. Recuperado de https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistamargens/article/view/2767/2898

IPEA (2010). Brasil em Desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2, 1-300 - Brasília: Ipea.

Lima, L.C. (2005). Além das águas, a discussão no nordeste do rio São Francisco. Revista do Departamento de Geografia,17, 94-100.

Recuperado de http://www.geografia.fflch.usp.br/publicacoes/RDG/RDG_17/Luiz_Cruz_Lima.pdf

López, J. L. L., Cerezo, J. A. L. (1996). Educación CTS en acción: Enseñanza secundaria y universidad. (225-252). In Ciencia, Tecnología y Sociedad: una introducción al estudio social de la ciencia y la tecnología. Madrid: Editorial Tecnos S.A.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas - São Paulo: EPU.

McComas, W. F. (1996). Ten myths of science: reexamining what we think we know about the nature of Science. School Science and Mathematics, Cincinnati, 96(1), 10-16. Recuperado de https://www.fairviewhs.org/staff/paul-strode/classes/strode-cv-publications-and-resources/files/42219

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/04.pdf

Moraes R., & Galiazzi, M. C. (2006). Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), 117-128. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=251019514009

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2008). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. (2a. e.d.) Rio de Janeiro: Lamparina.

Moreira, L. M., & Marandino, M. (2015). Teatro de temática científica: conceituação, conflitos, papel pedagógico e contexto brasileiro. Ciência & Educação (Bauru), 21(2), 511-523. DOI: 10.1590/1516-731320150020015

Moreira, M. C. A., Rôças, G., Pereira, M. V., Anjos, M. B. (2017). A interdisciplinaridade em produtos educacionais de um mestrado profissional em ensino de ciências. In X Congresso Ensenanza de Las Ciencias, 2017, Sevilha. Sevilha: Ensenanza de Las Ciencias, 1, 1-8. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/download/339212/430171

Mynaio, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, 5(7), 1-12.

Nascimento, M. C.A., & Gonçalves, T. V. O. (2017). Visão de Professores de Ciências Sobre si e o Ensino que Realizam: ideias, dificuldades e possibilidades. In Atas do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1453-1.pdf

Nunes, L. S., Bomfim, A. M. (2017). Estética e Educação ambiental: primeiras reflexões sobre cenários e imagens no processo de alienação da natureza. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 34(3), 245-262. Recuperado de https://periodicos.furg.br/remea/article/view/7353

Pagano L. M. P. (2012). Políticas Públicas de Poverty Alleviation e a Transposição do Rio São Francisco: A Quem Serve a Transposição do Rio São Francisco? (Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Cruz das Almas-BA). Recuperado de https://www.ufrb.edu.br/mpgestaoppss/dissertacoes/category/8-2012

Pérez, D. G., Montoro, I. F., Aiã-s, C. J., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação (Bauru), 7(2), 125-153. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v7n2/01.pdf

Pinto, V. P. S., & Guimarães, M. (2017). A educação ambiental no contexto escolar: temas ambientais locais como temas geradores diante das questões socioambientais controversas. Revista de Geografia – PPGEO, 7(2), 149-162. Recuperado de https://geografia.ufjf.emnuvens.com.br/geografia/article/view/197/165

Reis, P. G. R. (2004). Controvérsias sócio-científicas: Discutir ou não discutir? Percursos de aprendizagem na disciplina de Ciências da Terra e da Vida. (Tese de Doutorado). Departamento de Educação, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa.

Rosa, S. E., & Auler, D. (2016). Não Neutralidade da Ciência-Tecnologia: Problematizando Silenciamentos em Práticas Educativas CTS. Alexandria, 9(2), 203-231. DOI:10.5007/1982-5153.2016v9n2p203

Santos, B. S. (2000). A crítica da razão indolente – Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez.

Silva, A. F. A., & Marcondes, M. E. R. (2013). Concepções sobre ciência, tecnologia e sociedade de um grupo de professores de séries iniciais. In Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP, Brasil. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1401-1.pdf

Soares, E. (2013). Seca no Nordeste e a transposição do rio São Francisco. Geografias. Belo Horizonte, 9(2), 75-86. Recuperado de https://igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geografias/article/viewFile/593/463

Strieder, R. B., Watanabe, G., Silva; K. M. A., & Watanabe, G. (2016). Educação CTS e Educação Ambiental: ações na formação de professores. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(1), p.57-81. DOI: 10.5007/1982-5153.2016v9n1p57

Vidal, C. S., & Chrispino, A. (2016). A controvérsia CTS da guerra a partir de uma história em quadrinhos. IN: Atas da XI Jornadas Latino-americanas de Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia. Curitiba, PR, Brasil. Recuperado de http://www.esocite2016.esocite.net/resources/anais/6/1471464131_ARQUIVO_Vidal_Chrispino_ESOCITE2016.pdf

Villani, A., Barolli, E., Maia, J. O., Massi, L., Santos, V. F. D., & Nascimento, W. E. (2017) Mestrados profissionais em ensino de ciências: estrutura, especificidade, efetividade e desenvolvimento profissional docente. Investigações em Ensino de Ciências, 22(1), 127-161. DOI: 10.22600/1518-8795.ienci2017v22n1p127




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n3p211

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License