PESQUISAS EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS: UMA ANÁLISE EM REDE DA PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA EM PERIÓDICOS NACIONAIS AVALIADOS NA ÁREA DE ENSINO

Tiêgo dos Santos Freitas, Dayvisson Luís Vittorazzi, Daniele da Silva Maia Gouveia, Thomas Barbosa Fejolo, Alcina Maria Testa Braz da Silva

Resumo


O presente trabalho apresenta a análise de um mapeamento realizado com base nas publicações acerca da temática das Representações Sociais em periódicos nacionais, avaliados no estrato A pelo Qualis CAPES, na área de Ensino. Após a identificação e catalogação dos artigos, foi construído um banco de dados com auxílio de planilhas eletrônicas, levando em consideração as principais características dos trabalhos.  Os dados coletados foram dispostos em tabelas e analisados por meio do uso do software Gephi 0.9.1 para a identificação de possíveis relações. Classificamos os trabalhos em três grandes áreas (Ciências Humanas, Ciências da Saúde e Multidisciplinar), considerando a classificação proposta pela CAPES e passamos a trabalhar com as principais características de cada área mediante as publicações. Por meio dos dados coletados, foi possível sinalizar uma predominância das pesquisas em Representações Sociais na área das Ciências da Saúde com ênfase para a questão da saúde coletiva. No entanto, o campo das Ciências Humanas também tem aplicado o referencial proposto por Moscovici (2012) e vem desenvolvendo um quantitativo crescente de investigações.


Palavras-chave


representações sociais; pesquisa exploratória; educação científica

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar-Santos, D.; Vilches, A.; & Brito, L. P. (2016). Evolução CTS a CTSA nos Seminários Ibero-Americanos. Revista Indagatio Didáctica, 8(1), 1962-1974. Recuperado de http://roderic.uv.es/handle/10550/54831

Arruda, A. (2002). Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cadernos de Pesquisa, (117), 127-147. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742002000300007

Bastian, M., Heymann, S., & Jacomy, M. (2009). Gephi: an open source software for exploring and manipulating networks. In International AAAI Conference on Weblogs and Social Media. Recuperado de https://gephi.org/publications/gephi-bastian-feb09.pdf

Borba, E. M. (2013). Medidas de Centralidade em Grafos e Aplicações em Redes de Dados. (Dissertação de mestrado). Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/86094/000909891.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2013). Diretoria de Avaliação. Documento de área. Área de avaliação: Ensino. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de https://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacaotrienal/Docs_de_area/Ensino_doc_area_e_comissão_block.pdf

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (2016). Classificação da produção intelectual. Brasília, DF: CAPES. Recuperado de http://www.gov.br/avaliacao/instrumentos-de-apoio/classificacao-da-producao-intelectual

Carvalho, M. R. (2001). O Construto das Representações Sociais: Implicações Metodológicas. In A. S. P. Moreira (Org.). Representações Sociais: Teoria e Prática (pp. 441-450). João Pessoa, PB: Universitária.

Chrispino, A., Lima, L. S., & Albuquerque, M. B. (2013). Vendo CTS como rede: as publicações mais prestigiadas no Brasil. In XI Anais do Congreso Internacional sobre Investigación em Didáctica de las Ciencias, Girona, España. Recuperado de https://core.ac.uk/download/pdf/38989739.pdf

Crusoé, N. M. C. (2004). A Teoria das Representações Sociais em Moscovici e sua importância para a pesquisa em Educação. Aprender - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, Ano II(2),105-114. Recuperado de http://periodicos.uesb.br/index.php/aprender/article/viewFile/3792/pdf_121

Duveen, G. (2015). O poder das ideias. In S. Moscovici, Representações sociais: investigações em psicologia social. (11a ed., Introdução, pp. 7-28). Petrópolis, RJ: Vozes.

Farr, R. M. (2013). As raízes da Psicologia Social Moderna. (11a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Freitas, L. Q. (2010). Medidas de Centralidade em Grafos (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://objdig.ufrj.br/60/teses/coppe_m/LeandroQuintanilhaDeFreitas.pdf

Guareschi, P. A. (2000). Representações sociais e ideologia. Revista de Ciências Humanas (ed. esp. temática), 33-46. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/viewFile/24122/21517

Hilger, T. R., & Moreira, M. A. (2016). Uma Revisão de Literatura sobre Trabalhos em Representações Sociais relacionados ao Ensino de Física. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(1), 167-186. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4342

Jacomy, M., Venturini, T., Heymann, S., & Bastian, M. (2014). Force Atlas2, a continuous graph layout algorithm for handy network visualization designed for the Gephi Software. PLoS ONE 9 (6), San Francisco. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0098679

Jodelet, D. (1993). Representações sociais: um domínio em expansão (Mazzotti, T. B., Trad.). In D. Jodelet (Ed.) Les représentations sociales (pp. 31-61). Rio de Janeiro: UFRJ- Faculdade de Educação.

Jodelet, D. (2011). Ponto de Vista: Sobre o movimento das representações sociais na comunidade científica brasileira. Temas em Psicologia, 19(1), 19-26. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v19n1/v19n1a03.pdf

Jovchelovitch, S. (2004). Psicologia social, saber, comunidade e cultura. Psicologia & Sociedade, 16(2), 20-31. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822004000200004

Madeira, M. C. (2001). Representações sociais e educação: importância teórico metodológica de uma relação. In A. S. P. (Org.). Representações Sociais: Teoria e Prática (pp. 123- 144). João Pessoa, PB: Universitária.

Marquez, A. C., Gonçalves, B. B., Medeiros, J. M. R., & Reis, N. A. (n.d.). Gephi: Um software open source de manipulação e visualização de grafos. Vitória, ES: Labic/Ufes. Recuperado de https://www.academia.edu/34568301/Apostila_Gephi_Um_software_open_source_de_manipula%C3%A7%C3%A3o_e_visualiza%C3%A7%C3%A3o_de_grafos

Melo, T. B., Albuquerque, M. B., Silva, M. A. F. B., & Chrispino, A. (2016). Sociologia interna do ensino CTS brasileiro: um ensaio por redes sociais. Indagatio Didactica, 8(1), 1438–1455. Recuperado de http://revistas.ua.pt/index.php/ID/article/view/3945/3628

Menin, M. S. S., Shimizu, A. M., & Lima, C. M. (2009). A teoria das representações sociais nos estudos sobre representações de professores. Cadernos de Pesquisa, 39(137), 549-576. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/cp/v39n137/v39n137a11.pdf

Miguéis, A., Neves, B., Silva, A. L., Trindade, A., & Bernardes, J. A. (2013). A importância das palavras-chave dos artigos científicos da área das Ciências Farmacêuticas, depositados no Estudo Geral: estudo comparativo com os termos atribuídos na MEDLINE. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, 4(2), 112-125. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/69284

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moscovici, S. (2015). Representações sociais: investigações em psicologia social. (5a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Oliveira, D. C. (2014). A Teoria de Representações Sociais como grade de leitura da saúde e da doença: a constituição de um campo interdisciplinar. In A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos, & Z. A. Trindade (Orgs.). Teoria das representações Sociais: 50 anos (pp. 773-828). Brasília, DF: Technopolitik.

Reigota, M. (2007). Meio ambiente e representação social (7a ed). Rio de Janeiro, RJ: Cortez.

Rios, M. F. S, & Furlan, M. R.(2016). Teoria das Representações Sociais: um feixe de luz. In A. M. Rodrigues & M. A. A. S. Sá (Orgs.). Desenvolvimento Humano e Educação – contextos interdisciplinares (pp. 268-285). Taubaté, SP: Edunitau.

Sá, C. P.(1996). Núcleo central das representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes.

Sá, C. P. (1998). A construção do objeto de pesquisa em Representações Sociais. Rio de Janeiro, RJ: Eduerj.

Sá, C. P., & Arruda, A. (2000). O estudo das representações sociais no Brasil. Revista de Ciências Humanas (ed. esp.), 11-31. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/download/24121/21516

Silva, M. A. F. B., Melo, T. B., Bock, B. S., & Chrispino, A. (2015). A Contribuição da Construção Social da Tecnologia para a Abordagem CTS: Desafios a partir dos resultados Piearcts. Interacções, (34), 201-221. Recuperado de https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/6930/5182

Spink, M. J. P. (1993). O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 300-308. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1993000300017

Wagner, W. (1998). Características das Representações Sociais. In A. S. P. Moreira; & C. P. Oliveira (Orgs.). Estudos interdisciplinares de representação social (pp. 3-25). Goiânia, GO: AB.

Weiss, R., & Benthien, R. F. (2017). 100 anos sem Durkheim. 100 anos com Durkheim. Sociologias, 19(44), 16-36. https://dx.doi.org/10.1590/15174522-019004401




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n2p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License