PLANEJAMENTO DE AULAS EXPERIMENTAIS DE QUÍMICA: UM ESTUDO NA FORMAÇÃO INICIAL

Andriele Coraiola de Souza, Fabiele Cristiane Dias Broietti

Resumo


A presente pesquisa focaliza a sua atenção em identificar e analisar as percepções de licenciandos de Química ao planejar aulas experimentais. Os dados consistem de registros sobre o planejamento de aulas experimentais e de entrevistas realizadas com os licenciandos. Com esse foco, a sistematização dos dados e a sua categorização foram realizados com base no referencial teórico-metodológico da análise textual discursiva e da Matriz do Professor – M(P). Como resultado, o instrumento se revelou bastante pertinente para a análise das percepções dos licenciandos ao planejar aulas experimentais, tendo sido observadas incidências em todos os setores da Matriz, com destaque nas relações: i) epistêmica com o ensino (setor 2A), ii) epistêmica com a aprendizagem (setor 3A) e iii) pessoal com a aprendizagem (setor 3B). Também foi observado, de modo geral, que as percepções estão mais direcionadas a uma linha epistêmica (A), centradas na gestão do ensino (coluna 2) e, principalmente, com uma preponderância no setor 2A. No caso, esse setor diz respeito à relação epistêmica dos professores com o ensino, ou seja, com o que eles compreendem, sabem, conhecem ou não sobre a atividade docente; com o planejamento que realizam; com as suas percepções e reflexões quanto ao seu próprio desenvolvimento como professores, com as maneiras como realizam, avaliam e procuram melhorar o ensino que praticam e, enfim, com o seu conhecimento a respeito da atuação docente. Diante das análises, é possível ratificar o pressuposto inicial de que aulas experimentais planejadas sob uma perspectiva investigativa possibilitam que sejam consideradas todas as relações com o saber presentes na M(P), favorecendo o enriquecimento do conhecimento dos futuros professores sobre processos de ensino e de aprendizagem que envolvem a atividade experimental. Nesse contexto, as análises mostraram-se expressivas para se compreender as práticas e conhecer as percepções de futuros professores de Química no que diz respeito aos procedimentos de ensino e de aprendizagem e ao conteúdo, fatores que influenciam na forma como se aprende por meio da experimentação.


Palavras-chave


Formação inicial de professores de Química; Estágio supervisionado; Matriz do Professor; Aula experimental

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, E. C. de. (2016). Um estudo das ações de professores em sala de aula. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática), Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Arruda, S. M., Lima, J. P. C., & Passos, M. M. (2011). Um novo instrumento prara a análise da ação do professor em sala de aula. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 11(2), 139-160. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2404/1804

Arruda, S. M., & Passos, M. M. (2015). A relação com o saber na sala de aula. In IX Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade, Mesa-Redonda Relação com o Saber e o Ensino de Ciências e Matemática (p. 1-14). Aracaju, SE, Brasil. Recuperado de http://educonse.com.br/ixcoloquio/arruda _passos2.pdf

Arruda, S. M., & Passos, M. M. (2017). Instrumentos para a análise da relação com o saber em sala de aula. Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino, 1(2), 95-115. Recuperado de http://se er.uenp.edu.br/index.php/reppe/article/view/1213

Arruda, S. M., Passos, M. M., & Elias, R. C. (2017). Percepções de professores de Física do Ensino Médio sobre o Sistema Blocado. Currículo sem Fronteiras, 17(1), 32-154. Recuperado de http://www.curriculo semfronteiras.org/vol17iss1articles/arruda-passos-elias.pdf

Broietti, F. C. D., & Stanzani, E de L. (2016). Os estágios e a formação inicial de professores: experiências e reflexões no curso de licenciatura em Química da UEL. Química Nova na Escola, 38(3), 306-317. DOI: 10.21577/0104-8899.20160042

Carvalho, A. M. P., Santos, E. I., Azevedo, M. C. P. S., Date, M. P. S., Fujii, S. R. S., & Nascimento, V. B. (1999). Termodinâmica: um ensino por investigação. São Paulo: Universidade de São Paulo - Faculdade de Educação.

Carvalho, D. F., Passos, M. M., Arruda, S. de M., & SaviolI, A. M. P. das D. (2017). Relações com o saber, com o ensinar e com a aprendizagem em um projeto de formação inicial de professores de Matemática no Brasil. Educação Matemática Pesquisa, 19(2), 119-144. DOI: 10.23925/1983-3156.2017v19i2p119-144

Charlot, B. (2000). Da Relação com o Saber: Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed.

Chevallard, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. (2005). Buenos Aires: Aique Grupo Editor.

Dias, M. P. (2018). As ações de professores e alunos em salas de aula de matemática: categorizações e conexões. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Flores, M. A. (2012). Formação de professores e a construção da identidade profissional. In Simão, A. M. V., Frison, L. M., & Abrahão, M. H. Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: epistemologia e práticas (pp. 93-113). Natal: EDUFRN.

Galiazzi, M. do C., Rocha, J. M. de B., Schmitz, L. C., Souza, M. L., Giesta, S., & Golçalves, F. P. (2001). Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência & Educação, 7(2), 249-263. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v7n2/08.pdf

Galiazzi, M. do C; & Gonçalves, F. P. (2004). A natureza pedagógica da experimentação: uma pesquisa na licenciatura em Química. Química Nova na Escola, 27(2), 326-331. Recuperado de http://quimicanova.sbq.org.br/imagebank/pdf/Vol27No2_326_26-ED02257.pdf

Gauthier, C., Martineau, S., Desbiens, J. F., Malo, A., & Simard, D. (2006). Por uma Teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí.

Gonçalves, F. P. (2005). O texto de experimentação na educação em Química: discursos pedagógicos e epistemológicos. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

________. (2009). A problematização das atividades experimentais no desenvolvimento profissional e na docência dos formadores de professores de Química. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Gonçalves, J. M., Antunes, K. C. L., & Antunes, A. (2001). Determinação de cálcio e ferro em leite enriquecido. Química Nova na Escola, (14), 43-45. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/ online/qnesc14/v14a10.pdf

Hodson, D. (1994). Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, 12(13), 299-313. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21370/93326.

Hofstein, A., Navon, O., Kipnis, M., & Mamlok-naaman, R. (2005). Developing Students’ Ability to Ask More and Better Questions Resulting from Inquiry-Type Chemistry Laboratories. Journal of Research in Science Teaching, 42(7), 791-806. Recuperado de https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10. 1002/tea.20072.

Houssaye, J. (2007). Prazer. Tradução Nilda Alves. Currículo sem Fronteiras: Revista da Universidade de Rouen, França, 7(2) p. 71-77.

Largo, V. (2013). O PIBID e as relações de saber na formação inicial de professores de Matemática. (Tese de doutorado, Universidade Estadual de Londrina, Londrina). Recuperado de http://www.biblioteca digital.uel.br/document/?code=vtls000185182

Lima, J. P. C. de, Passos, M. M., Arruda, S. de M., & Döhl, V. V. (2015). Aprofundando a compreensão da aprendizagem docente. Ciência e Educação., 21(4), 896-891. DOI: 10.1590/1516-731320150040006

Lüdke, M., André, M. E. D. A. de. (2004). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. (8a. ed.). São Paulo: EPU.

Maldaner, O. A. (2013). A formação inicial e continuada de professores de Química: Professor/Pesquisador. (4a. ed.) Ijuí: Ed. Unijuí.

Moraes, R., & Galiazzi, M. do C. (2011). Análise textual discursiva. 2 ed. Ijuí: Ed. Unijuí.

Oliveira, J. R. S. de. (2010). Contribuições e abordagens das atividades experimentais no ensino de ciências: reunindo elementos para a prática docente. Acta Scientiae, 12(1), 139-153. Recuperado de http://w3.ufsm.br/laequi/wp-content/uploads/2015/03/contribui%C3%A7%C3%B5es-e-abordagens-de-a tividades-experimentais.pdf

Passos, M M., Maistro, V. I. A., & Arruda, S. de M. (2016). A relação com a docência no estágio supervisionado do curso em Ciências Biológicas. Revista Ensino e Pesquisa, 14(2), 99-127. Recuperado de http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/ensinoepesquisa/article/viewFile/794/602

Passos, Â. M., Passos, M. M., & Arruda, S. de M. (2017). Uma análise das ações do professor em uma sala de aula em que estão presentes estudantes com deficiência visual. Ciência & Educação, 23(2), 541-556. DOI: 10.1590/1516-731320170020016

Pimenta, S. G., & Lima, M. S. L. (2004). Estágio e docência. São Paulo: Cortez.

Piratelo, M. V. M. (2018). Um estudo sobre as ações docentes de professores e monitores de uma escola integrada a um centro de ciências em Portugal. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática), Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Piratelo, M. V. M., Teixeira, L. A., Arruda, S. de M., & Passos, M. M. (2017). As relações epistêmicas com os saberes docentes em sala de aula em um PIBID/Física. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 7(1), 165-181. Recuperado de http://publicacoes.unigranrio.com.br/index.php/recm/article/view/3968/ 2315.

Santos, W. L. P., & Schnetzler, R. P. (1996). Função Social: O que significa o Ensino de Química para Formar Cidadãos? Química Nova na Escola, (4), 28-34. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/ online/qnesc04/pesquisa.pdf

Santos, W. L. P., Gauche, R., Mól, G de S., Silva, R. R. da, & Baptista, J. de A. (2006). Formação de professores: uma proposta de pesquisa a partir da reflexão sobre a prática docente. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 8, 1-14. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v8n1/1983-2117-epec-8-01-00069.pdf

Souza, A. C. de; & Broietti, F. C. D. (2017). Atividades Experimentais: uma análise em artigos da Revista Química Nova na Escola. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (p. 1-8), Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0148-1.pdf

Souza, F. L. de S., AkahoshI, L. H., Marcondes, M. E. R., & Carmos, M. P. do. (2013). Atividades experimentais investigativas no ensino de Química. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Suart, R de C., & Marcondes, M. E. R. (2008). As habilidades cognitivas manifestadas por alunos do ensino médio de química em uma atividade experimental investigativa. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, São Paulo, 8(2), 1-22. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2221

Tardif, M. (2002). Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes.

Tardif, M., Lessard, C. (2014). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução de João Batista Kreuch. (9a. ed.) Vozes: Petrópolis-RJ

Zanon, L. B., & Silva, L. H. A. (2000). A experimentação no Ensino de Ciências. In Schnetzler, R. P., & Aragão, R. M. R. de. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens (p. 120-153). Campinas: Capes/Unimep.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n3p187

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License