ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: SITUAÇÃO DE ALUNOS DE ESCOLAS ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO COM RELAÇÃO A CONCEITOS DE BIOLOGIA MOLECULAR

Daniel Alves Escodino, Andréa Carla de Souza Góes

Resumo


O objetivo desse trabalho é avaliar em que nível de alfabetização científica estão os alunos de duas escolas públicas brasileiras em que não há o uso sistemático da teoria rogeriana na elaboração das aulas e de alunos de uma instituição que fomenta o uso desta teoria na elaboração das aulas, o CAp UERJ, com relação a termos de Biologia Molecular (BM). Aplicamos questionários divididos em grupos que abordam os diferentes níveis de alfabetização científica. Também objetivamos verificar se estes alunos já experimentaram aprendizagem significativa através da análise de mapas conceituais utilizando conceitos de BM. Finalmente, ministramos aulas nestas escolas sobre temas de BM, considerando os mapas conceituais montados pelos alunos e avaliamos, através de uma segunda montagem dos mapas, o efeito destas aulas sobre a apropriação de novos conceitos. Observamos que a maior parte dos alunos está no nível Funcional de alfabetização científica. No entanto, muitos alunos do CAp encontram-se em níveis mais elevados, como o Conceitual e o Procedimental. Constatamos que a maior parte dos alunos não havia experimentado aprendizagem significativa e que o uso de materiais didáticos e a elaboração de aulas que considerem a estrutura cognitiva dos alunos teve um efeito relevante sobre a apropriação de vários conceitos.

Palavras-chave


Biologia Molecular; aprendizagem significativa; alfabetização científica

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License