PERSPECTIVAS DE MODELOS FORMATIVOS COM ENFOQUES CONSTRUTIVISTAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS SEGUNDO AS CONCEPÇÕES DE RAFAEL PORLÁN E COLABORADORES

Francisco Otávio Cintra Ferrarini, Amadeu Moura Bego

Resumo


Conhecimentos necessários à formação de professores exigem fundamentação teórica e metodológica. Tal asserção justifica a necessidade de estudos empíricos capazes tanto de contribuir para o desenvolvimento de pesquisas sobre saberes docentes como meios de se fornecer orientações eficazes para políticas de formação e profissionalização de professores. Sob essa perspectiva, o foco desta pesquisa empírica foi trazer ao debate as discussões, as contribuições e o modelo formativo propostos por Rafael Porlán e colaboradores, a partir de uma revisão sistemática em um conjunto de periódicos da área de Ensino de Ciências escolhidos conforme a proposição de critérios objetivos, dentre eles, a classificação nos estratos A1 e A2 do Qualis Periódicos da CAPES, com a intenção de se verificar a difusão das inferências dos teóricos espanhóis nas revistas entre os anos de 1997 e 2017 no contexto específico de publicações nacionais. Tal fato propicia a reflexão acerca de importantes temas do universo da formação de professores de ciências por meio da inserção em um contexto que enfoca o processo formativo profissional dentro de uma perspectiva progressiva e epistemológica de saberes profissionais. Assim, este trabalho objetivou reconsiderar as perspectivas teóricas dos autores espanhóis no sentido de se sistematizar seus principais argumentos e contribuições para o entendimento da constituição de um saber profissional desejável e da profissionalização de professores de ciências e suas implicações para políticas educacionais.


Palavras-chave


Conhecimento profissional; Ensino de Ciências; Inovação Educacional; Saberes Docentes

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, P. C. A., & Biajone, J. J. (2007). Saberes docentes e formação inicial de professores: implicações e desafios para as propostas de formação. Educação e Pesquisa, 33(2), 281-295. http://doi.org/10.1590/S1517-97022007000200007

Alves, M., & Bego, A. M. (2017). Levantamento bibliográfico acerca da utilização de termos relacionados ao planejamento didático-pedagógico na área de ensino de ciências. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Florianópolis, SC. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/lista_area_15.htm

Barata, R. C. B. (2016). Dez coisas que você deveria saber sobre o Qualis. Revista Brasileira de Pós-Graduação. 13(30), 13-40. http://doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.947

Bardin, L. (2015). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Almedina Brasil.

Bego A. M., Oliveira R. C., & Corrêa, R. G. O papel da Prática como Componente Curricular. Química Nova na Escola, 39(3), 250-260. http://doi.org/10.21577/0104-8899.20160082

Bego, A. M. A. (2016). Implementação de unidades didáticas multiestratégicas na formação inicial de professores de Química. Coleção Textos FCC (Online), 50, 55-72. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/textosfcc/article/view/4316

Delord, G. C., Porlán, R., & Guimarães, G. D. (2018). La innovación en la enseñanza de las ciencias también es una cuestión política e ideológica. I: La génesis y fundamentos del Proyecto IRES. Investigación en la Escuela, 95, 1-14. http://doi.org/10498/19514

Ferraz, V. G. L. (2015). A contribuição da formação inicial na construção dos saberes docentes dos licenciandos em Química da UFJF (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Juiz de Fora, MG.

Freire, P. (2011). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Galiazzi, M. C. (2003). Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de Ciências. Ijuí, RS: Unijuí.

Gibbs, G. (2009). Qualidade analítica e ética. In Análise de dados qualitativos (pp. 118-133). Porto Alegre, RS: Bookman/Artmed.

Harres, J. B. S. (1999). Uma análise epistemológica sobre os modelos de formação de professores. Caderno Pedagógico. 2, 99-113.

Harres, J. B. S. (2000a). A reflexão sobre os problemas práticos profissionais: análise de um caso na formação de professores na área de ciências professores. Caderno Pedagógico. 3, 49-64.

Harres, J. B. S. (2000b). Epistemologia e modelos didáticos no ensino de Ciências. Revista Educação. 40, 57-85.

Harres, J. B. S. (2003). Investigando problemas práticos profissionais: uma estratégia para evolução do conhecimento de futuros professores. Revista Educação, 51, 49-64.

Harres, J. B. S., & Krüger, V. (2000). Concepções prévias de professores de ciências sobre ensino: referente para a evolução de seus conhecimentos profissionais. Caderno Pedagógico, 3, 113-133.

Harres, J. B. S., & Pizzato, M. C. (2007). Uma Experiência Inovadora de Prática Pedagógica na Formação Inicial de Professores. Contexto & Educação, 22(77), 51-80. http://doi.org/10.21527/2179-1309.2007.77.51-80

Harres, J. B. S., Pizzato, M. C., Sebastiany, A. P., Predebon, F., & Fonseca, M. C. (2008). Evolução das concepções de futuros professores sobre a natureza e as formas de conhecer as ideias dos alunos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia 1(2), 95- 112. http://doi.org/10.3895/S1982-873X2008000200006

Hohendorff, J. V. (2014). Como escrever um artigo de revisão de literatura. In S. H. Koller, M. C. P. P. Couto, & J. V. Hohendorff, Manual de produção científica (pp. 39-54). Porto Alegre, RS: Penso.

Imbernón, F. (2016). Qualidade do ensino e formação do professorado: uma mudança necessária (pp.105-127). São Paulo, SP: Cortez.

Kasseboehmer, A. C., & Ferreira, L. H. (2012). Formação Inicial de Professores de Química: a instituição formadora (re)pensando sua formação social. São Carlos, SP: Pedro & João Editores.

Machado, L. R. S. (2008). Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, 1(1), 8-22. http://doi.org/10.15628/rbept.2008.2862

Maldaner, O. A. (2003). A formação inicial e continuada de professores de Química: professores/ pesquisadores. Ijuí, RS: Unijuí.

Mizukami, M. G. N. (2004). Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Educação (UFSM), 29(2), 33-50. http://doi.org/10.5902/19846444

Montero, L. (2005) A construção do conhecimento profissional docente. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.

Moroz, M., & Gianfaldoni, T. A. (2009) O processo de pesquisa: iniciação. (2a. ed). Brasília, DF: Liber Livro.

Nunes, C. M. F. (2001). Saberes docentes e formação de professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação e Sociedade, 22(74), 27-42. http://doi.org/10.1590/S0101-73302001000100003

Passos C. G., & Del Pino, J. C. (2015). Efeitos das ações formativas e das concepções epistemológicas nas práticas docentes de uma futura professora de química. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 8(3), 181-212. http://doi.org/10.3895/rbect.v8n3.1834

Porlán, A. R., & Harres, J. B. S. (2002). A epistemologia evolucionista de Stephen Toulmin e o ensino de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19, 70-83. http://doi.org/10.5007/%25x

Porlán, A. R., & Rivero, A. (1998). El conocimiento de los profesores. Sevilla, España: Diada.

Porlán, A. R., Rivero, A., & Pozo. R. M. (1997). Conocimiento Profesional y Epistemología de los Profesores I: Teoría, Métodos e Instrumentos. Enseñanza de las Ciências, 15(2), 155-171. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21488

Porlán, A. R., Rivero, A., & Pozo, R. M. (1998). Conocimiento Profesional y Epistemología de los Profesores II: Estudios Empíricos e Conclusiones. Enseñanza de las ciencias, 16(2), 271-288. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21534

Porlán, R. (1999). La formación permanente del profesorado: análisis de un programa institucional. In V. J. Cerdán & P. M. Grañeras (Ed.). La investigación sobre el profesorado (II): 1993-1997 (pp. 136-155). Madrid, España: Ministério de Educación y Cultura/CIDE.

Porlán, R. A., & Moraes, R. (2002). Projeto de investigação e renovação escolar: opções de uma hipótese de progressão educativa. Educação & Realidade, 25(47), 23-44.

Porlán, R., Martín, D. P. R., Riveiro, A., Harres, J., Azcárate, P., & Pizzato, M. (2010). El Cambio del Profesorado de Ciencias I: marco teórico y formativo. Enseñanza de Las Ciencias, 28(1), 31-46. Recuperado de http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/189094

Porlán, R., Martín, D. P. R., Riveiro, A., Harres, J., Azcárate, P., & Pizzato, M. (2011). El Cambio del Profesorado de Ciencias II: itinerarios de progresión y obstáculos en estudiantes de magistério. Enseñanza de Las Ciencias, 29(3), 353-370. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/247885/353580

Porlán, R., & Toscano, M. J. (1994). El saber práctico de los profesores especialistas: Aportaciones desde las didácticas específicas. Revista Investigación en la Escuela, 24, 49-58. Recuperado de https://idus.us.es/xmlui/handle/11441/59620

Porlán, R., & Martín, J. (1999). El diário del professor como instrumento para detectar problemas y hacer explícitas las concepciones. In Diário del profesor: um recurso para la investigación em aula (pp. 18-42). Sevilha, España: Díada. Recuperado de https://ariselaortega.files.wordpress.com/2013/11/4-porlan-rafael-el-diario-del-profesor.pdf

Predebon, F., & Del Pino, J. C. (2009). Uma análise evolutiva de modelos didáticos associados às concepções didáticas de futuros professores de Química envolvidos em um processo de intervenção formativa. Investigações em Ensino de Ciências, 14(2), 237-254. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/357/224

Razera, J. C. C. (2016). Contribuições da cienciometria para a área brasileira de Educação em Ciências. Ciência & Educação (Bauru), 22(3), 557-560. http://doi.org/10.1590/1516-731320160030001

Rodrigues, C. G., Kruger, V., & Soares, A. C. (2010). Uma hipótese curricular para a formação continuada de professores de Ciências e de Matemática. Ciências & Educação (Bauru), 16(2), 415-426. http://doi.org/10.1590/S1516-73132010000200010

Saviani, D. (2011). Formação de professores no Brasil: dilemas e perspectivas. Poíesis Pedagógica, 9(1), 7-19.

Vosgerau, D. S. R, & Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Diálogo Educacional, 14(41), 165-189.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p22

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License