O USO DE ELEMENTOS DA HISTÓRIA E FILOSOFIA DA CIÊNCIA (HFC) EM AULAS DE FÍSICA EM UMA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA

Djonathan André Boaro, Neusa Teresinha Massoni

Resumo


Este artigo tem o objetivo de divulgar resultados de estudos de caso etnográficos que resultaram em dissertação de mestrado em ensino de física (Boaro, 2017). Buscou-se investigar as práticas didáticas de futuros professores de Física em relação à apropriação e uso de elementos de História e Filosofia da Ciência ao longo da disciplina de Estágio Supervisionado, bem como os desafios e dificuldades encontradas. Para tal, realizamos imersão em sala de aula na disciplina de Estágio durante os semestres de 2015/2 e 2016/1, fizemos entrevistas em profundidade e utilizamos a Teoria Fundamentada em Dados (Strauss & Corbin, 2008) para a análise qualitativa dos dados coletados. As ideias de Fleck (2010) serviram de referencial teórico-epistemológico, auxiliando-nos a compreender as interações entre coletivos de pensamento dentro e fora da universidade. Os resultados mostraram que os estagiários, em sua maioria, não conseguiram utilizar de maneira satisfatória seus conhecimentos filosóficos e históricos na disciplina de Estágio Supervisionado; apresentaram dificuldades de empregar e/ou operacionalizar na prática didática tais conhecimentos; e demonstraram pouco aprofundamento de aspectos filosóficos (epistemológicos). Contudo, as falas dos futuros professores indicaram que eles atribuem importância à inserção de elementos da HFC nas aulas, reconhecendo esta estratégia como uma alternativa aos “moldes tradicionais” de aulas de Física. Concluímos que precisa ser dada uma atenção especial aos conhecimentos epistemológicos na formação inicial e que a vivência de microepisódios de ensino, na formação inicial, pode contribuir para que eles se sintam mais confortáveis e seguros para promover essas discussões.


Palavras-chave


História e Filosofia da Ciência; Formação de professores; Estágio supervisionado.

Texto completo:

PDF

Referências


Arruda, S. M., & Baccon, A. L. P. (2007). O professor como um “lugar”: uma metáfora para a compreensão da atividade docente. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 9(1), 1–20. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=129516644008

Arthury, L. H. M., & Peduzzi, L. O. Q. (2013). A cosmologia moderna à luz dos elementos da epistemologia de Lakatos: recepção de um texto para graduandos em física. Revista Brasileira de Ensino de Física, 35(2), 2405(1-14). DOI: 10.1590/S1806-11172013000200020

Baccon, A. L. P., & Arruda, S. D. M. (2010). Os saberes docentes na formação inicial do professor de física: elaborando sentidos para o estágio supervisionado. Ciência & Educação, 16(3), 507–524. DOI: 10.1590/S1516-73132010000300001

Batista, G. L. F., Drummond, J. M. H. F., & Freitas, D. B. de. (2015). Fontes primárias no ensino de física: considerações e exemplos de propostas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 32(3), 663–702. DOI: 10.5007/2175-7941.2015v32n3p663

Bell, R. L., Lederman, N. G., & Abd-El-Khalick, F. (1998). Implicit versus Explicit Nature of Science Instruction: An explicit Response to Palmquist and Finley. Journal of Research in Science Teaching, 35(9), 1057-1061. DOI: 10.1002/(SICI)1098-2736(199811)35:9<1057::AID-TEA6>3.0.CO;2-C

Berland, L. K., Schwarz, C. V., Krist, C., Kenyon, L., Lo, A. S., Reiser B. Jr. (2016). Epistemologies in Practice: making scientific practices meaningful for students. Journal of Research in Science Teaching, 53(7), 1082-1112. DOI: 10.1002/tea.21257

Boaro, D. A. (2017). Uma investigação sobre o uso de aspectos epistemológicos nas estratégias didáticas de futuros professores de física no estágio supervisionado. (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/163734

Brasil (1999). Ministério da Educação - MEC, Secretaria de Educação Média e Tecnológica - SEMTEC. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/BasesLegais.pdf

Brasil (2012). Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9917-rceb002-12-1&Itemid=30192

Camargo, S., & Nardi, R. (2013). Formação de professores de física: os estágios supervisionados como fonte de pesquisa sobre a prática de ensino. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 3(3), 34-55. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2305

Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano. (3a. ed.) Petrópolis: Editora Vozes.

Chapani, D. T. (2008). Formação acadêmica em serviço : avanços, resistências e contradições de um grupo de professores de ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 10(1), 1–17. DOI: 10.1590/1983-21172008100103

Coelho, R. L. (2013). Could HPS Improve Problem-Solving? Science & Education, 22(5), 1043–1068. DOI: 10.1007/s11191-012-9521-1

Delizoicov, N. C. (1995). O professor de ciências naturais e o livro didático. (Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Recuperado de http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/76326

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. (2002). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.

Duran, M. C. G. (2007). Maneiras de pensar o cotidiano com Michel de Certeau. Revista Dialogo Educacional, 7(22), 115-128. DOI: 10.7213/rde.v7i22.4177

Drummond, J. M. H. F., Nicácio J. D. S., Skeete Jr. A. W., Silva M. M., Câmara A. T. A., Bezerra F. V. (2015). Narrativas históricas: gravidade, sistemas de mundo e natureza da ciência. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 32, 99–141. DOI: 10.5007/2175-7941.2014v32n1p99

Feitosa, R. A., & Leite, R. C. M. (2012). A formação de professores de ciências baseada em uma associação de companheiros de ofício. Revista Ensaio, 14(1), 35–50. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v14n1/1983-2117-epec-14-01-00035.pdf

Fleck, L. (2010). Gênese e desenvolvimento de um fato científico; tradução de George Otte e Mariana Camilo de Oliveira. Belo Horizonte: frabrefactum.

Galili, I. (2012). Promotion of Cultural Content Knowledge Through the Use of the History and Philosophy of Science. Science & Education, 21(9), 1283–1316. DOI: 10.1007/s11191-011-9376-x

Garik, P., Garbayo L., Benétreau-Dupin Y., Winrich C., Duffy A., Gross N., & Jariwala M. (2015). Teaching the Conceptual History of Physics to Physics Teachers. Science & Education, 24(4), 387–408. DOI: 10.1007/s11191-014-9731-9

Gastal, M. L. A., & Avanzi, M. R. (2015). Saber da experiência e narrativas autobiográficas na formação inicial de professores de biologia. Ciência e Educação, 21(1), 149–158. DOI: 10.1590/1516-731320150010010

Gatti, S. R. T., Nardi, R., & Silva, D. (2010). História da ciência no ensino de física: um estudo sobre o ensino de atração gravitacional desenvolvido com futuros professores. Investigações em Ensino de Ciências, 15(1), 7–59. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/314

Gehlen, S. T., Strieder, R. B., Watanabe-Caramello, G., Feistel, R. A. B., Halmenschlager, K. R. (2014). A inserção da abordagem temática em cursos de licenciatura em física em instituições de ensino superior. Investigações em Ensino de Ciências, 19(1), 217–238. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/104/75

Gianotto, D. E. P., & Diniz, R. E. D. S. (2010). Formação inicial de professores de Biologia: a metodologia colaborativa mediada pelo computador e a aprendizagem para a docência. Ciência & Educação, 16(3), 631–648. DOI: 10.1590/S1516-73132010000300009

Goi, M. E. J., & Santos, F. M. T. (2014). Formação de professores e o desenvolvimento de habilidades para a utilização da metodologia de resolução de problemas. Investigações em Ensino de Ciências, 19(2), 431–450. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/87/pdf

Guerta, R. S., & Camargo, C. C. (2015). Comunidade de aprendizagem da docência em estágio curricular obrigatório: aprendizagens evidenciadas pelos licenciandos. Ciência e Educação, 21(3), 605–621. DOI: 10.1590/1516-731320150030006

Guttmann, G. A. M., & Braga, M. (2015). A origem do universo como tema para discutir a Natureza da Ciência no Ensino Médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 32(2), 442–460. DOI: 10.5007/2175-7941.2015v32n2p442

Henke, A., & Höttecke, D. (2015). Physics Teachers’ Challenges in Using History and Philosophy of Science in Teaching. Science & Education, 24(4), 349–385. DOI:10.1007/s11191-014-9737-3

Höttecke, D., & Silva, C. C. (2011). Why Implementing History and Philosophy in School Science Education is a Challenge: An Analysis of Obstacles. Science & Education, 20(3-4), 293–316. DOI: 10.1007/s11191-010-9285-4

Kneubil, F. B., & Ricardo, E. C. (2014). A relevância do ensino sobre a ciência: relato de uma experiência em um curso universitário de eletromagnetismo. Experiências em Ensino de Ciências, 9(2), 170–186. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID249/v9_n2_a2014.pdf

Kuhn, D., & Pease, M. (2008). What needs to develop in the development of inquiry skills? Cognition and Instruction, 26(4), 512-559. DOI: 10.1080/07370000802391745

Lambach, M., & Marques, C. (2009). Ensino de química na educação de jovens e adultos: relação entre estilos de pensamento e formação docente. Investigações em Ensino de Ciências, 14(2), 219-235. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/356/223

Langhi, R., & Nardi, R. (2011). Interpretando reflexões de futuros professores de física sobre sua prática profissional durante a formação inicial: a busca pela construção da autonomia docente. Investigações em Ensino de Ciências, 16(3), 403–424. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/218/151

Lima, J. P. C., Passos M. M., Arruda S. M., & Döhl, V. V. (2015). Aprofundando a compreensão da aprendizagem docente. Ciência e Educação, 21(4), 869–891. DOI: 10.1590/1516-731320150040006

Lorenzetti, L., Muenchen, C., & Slongo, I. I. P. (2013). A recepção da epistemologia de fleck pela pesquisa em educação em ciências no brasil. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 15(3), 181–197. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v15n3/1983-2117-epec-15-03-00181.pdf

Lucas, L. B., Passos, M. M., & Arruda, S. M. (2013). Axiologia e o processo de formação inicial de professores de biologia. Investigações em Ensino de Ciências, 18(3), 645–665. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/118/82

Lucas, L. B., Passos, M. M., & Arruda, S. M. (2015). Os focos da aprendizagem docente (FAD) como valores gerais para a formação inicial de professores de biologia. Investigações em Ensino de Ciências, 20(1), 15–34. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/57/34

Manfredo, E. C. G. (2006). Metodologia de projetos e formação de professores: uma experiência significativa na prática de ensino de ciências naturais. Experiências em Ensino de Ciências, 1(3), 45–57. Recuperado de http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID26/pdf/2006_1_3_26.pdf

Martins, A. F. P. (2007). História e filosofia da ciência no ensino: há muitas pedras nesse caminho... Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 24(1), 112–131. DOI: 10.5007/%25x

Massoni, N. T. (2010). A epistemologia contemporânea e suas contribuições em diferentes níveis de ensino de física: a questão da mudança epistemológica. (Tese de Doutorado em Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.) Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/26489

Massoni N. T., & Moreira, M. A. (2014). Uma análise cruzada de três estudos de caso com professores de física: a influência de concepções sobre a natureza da ciência nas práticas didáticas. Ciência & Educação, 20(3), 595–616. DOI: 10.1590/1516-73132014000300006

Massoni, N. T., & Moreira, M. A. (2015). A epistemologia de Fleck: Uma contribuição ad Debate sobre a Natureza da Ciência. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(1), 237-264. DOI: 10.5007/1982-5153.2015v8n1p237

Massoni, N. T., & Moreira, M. A. (2017). Pesquisa Qualitativa em educação em ciências: projetos, entrevistas, questionários, teoria fundamentada, redação científica. São Paulo: Editora Livraria da Física,

Massoni, N. T., Carvalho, F. A., & Boaro, D. A. (2016). Refletindo relações entre concepções da natureza da ciência e práticas didáticas no ensino de física: investigações que buscam instrumentalizar futuros professores. In Anais do XVI Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. (p. 1-8). Natal, RN. Recuperado de http://www1.sbfisica.org.br/eventos/enf/2016/sys/resumos/T0446-1.pdf

Matthews, M. R. (1995). História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3), 164-214. DOI: 10.5007/%25x

Mendes, R., & Munford, D. (2005). Dialogando saberes – pesquisa e prática de ensino na formação de professores de ciências e biologia. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 7(3), 202-219. DOI: 10.1590/1983-21172005070304

Monteiro, M. M., & Martins, A. F. P. (2015). História da ciência na sala de aula: Uma sequência didática sobre o conceito de inércia. Revista Brasileira de Ensino de Física, 37(4), 4501(1-9). DOI: 10.1590/S1806-11173741919

Morais, A., & Guerra, A. (2013). História e a filosofia da ciência: caminhos para a inserção de temas física moderna no estudo de energia na primeira série do Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, 35(1), 1502(1-9). Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1806-11172013000100018

Muenchen, C. (2010) Disseminação dos três momentos pedagógicos: um estudo sobre práticas docentes na região de Santa Maria – RS. (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis). Recuperado de http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/93822

Nóvoa, A. (Org.) (1992). Vidas de Professores. Porto Editora.

Oliveira, M. L., & Faria, J. C. N. M. (2011). Formação inicial de professores: desafios e possibilidades do ensino de reprodução e sexualidade no estágio curricular supervisionado. Investigações em Ensino de Ciências, 16(3), 509–528. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/224/156

Osborne, J. F, Erduran, S., & Simon, S. (2004) Enhancing the quality of argumentation in school Science. Journal of Research in Science Teaching,41(10), 994-1020. DOI: 10.1002/tea.20035

Ovigli, D. F. B. (2011). Prática de ensino de ciências: o museu como espaço formativo. Revista Ensaio, 13(3), 133–149. DOI: 10.1590/1983-21172011130309

Pena, F. L. A., & Teixeira, E. S. (2013). Parâmetros para avaliar a produção literária em história e filosofia da ciência voltada para o ensino e divulgação das ideias da física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 30(3), 471–491. DOI: 10.5007/2175-7941.2013v30n3p471

Pereira, G. J. S. A., & Martins, A. F. P. (2011). A inserção de disciplinas de conteúdo histórico-filosófico no currículo dos cursos de licenciatura em física e em química da UFRN: uma análise comparativa. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(1), 229–258. DOI: 10.5007/2175-7941.2011v28n1p229

Predebon, F., & Pino, J. C. Del. (2009). Uma análise evolutiva de modelos didáticos associados às concepções didáticas de futuros professores de química envolvidos em um processo de intervenção formativa. Investigações em Ensino de Ciências, 14(2), 237–254. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/357/224

Raicik, A. C., & Peduzzi, L. O. Q. (2015). Potencialidades e limitações de um módulo de ensino: uma discussão histórico-filosófica dos estudos de Gray e Du Fay. Investigações em Ensino de Ciências, 20(2), 138–160. DOI:10.22600/1518-8795.ienci2016v20n2p138

Raposo, W. L.(2014). História e Filosofia da Ciência na Licenciatura em Física, uma proposta de ensino através da pedagogia de projetos. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(3), 722–738. DOI: 10.5007/2175-7941.2014v31n3p722

Razuck, R. C. S. R., & Rotta, J. C. G. (2014). O curso de licenciatura em Ciências Naturais e a organização de seus estágios supervisionados. Ciência e Educação, 20(3), 739–750. DOI: 10.1590/1516-73132014000300014

Rinaldi, E., & Guerra, A. (2011). História da ciência e o uso da instrumentação: construção de um transmissor de voz como estratégia de ensino. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 28(3), 653–675. DOI: 10.5007/2175-7941.2011v28n3p653

Rosa, L. J. K., Weigert, C., & Souza, A. C. G. A. (2012). Formação docente: reflexões sobre o estágio curricular. Ciência & Educação, 6(3), 675–688. DOI: 10.1590/S1516-73132012000300012

Schirmer, S. B., & Sauerwein, I. P. S. (2014). Recursos Didáticos e História e Filosofia da Ciência em sala de aula : uma análise em periódicos de ensino nacionais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3), 61–77. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2497/1897

Schön, D. A. (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. In Nóvoa, A. (Org.) (1992). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Silva, O. H. M., Laburú, C. E., & Nardi, R. (2012). Contribuições da Reconstrução Racional Didática no desenvolvimento de concepções epistemologicamente mais aceitáveis sobre a natureza da ciência e do progresso científico. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 14(1), 65–80. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v14n1/1983-2117-epec-14-01-00065.pdf

Silva, H. R. A., & Moraes, A. G. (2015). O estudo da espectroscopia no ensino médio através de uma abordagem histórico-filosófica: possibilidade de interseção entre as disciplinas de Química e Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 32(2), 378–406. DOI: 10.5007/2175-7941.2015v32n2p378

Strauss, A. L., & Corbin, J. (2008). Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de Teoria Fundamentada. (2a. ed.) Porto Alegre: Artmed.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Tradução: Francisco Pereira. Petrópolis: Vozes.

Teixeira, E. S., Greca, I. M., & Freire O. Jr. (2012). The history and philosophy of science in physics teaching : a research synthesis of didactic interventions. Science & Education, 21(6), 771–796. DOI: 10.1007/s11191-009-9217-3

Teixeira, E. S., Greca, I. M., & Freire O. Jr. (2015). La enseñanza de la gravitación universal de Newton orientada por la historia y la filosofía de la ciencia : una propuesta didáctica con un enfoque en la argumentación. Enseñanza de las ciencias, 33(1), 205–223. DOI: 10.5565/rev/ensciencias.1226

Toti, F. A., & Pierson, A. H. C. (2012). Compreensões sobre o processo de formação para a docência: concepções de bacharéis e licenciandos sobre a licenciatura em Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 29(3), 1074–1107. DOI: 10.5007/2175-7941.2012v29n3p1074

Ustra, S. R. V., & Hernandes, C. L. (2010). Enfrentamento de problemas conceituais e de planejamento ao final da formação inicial. Ciência & Educação, 16(3), 723–733. DOI: 10.1590/S1516-73132010000300015

Vieira, R. D., Melo, V. F., & Bernardo, J. R. R. (2014). Os procedimentos discursivos didáticos como saberes experienciais exemplares de um formador de professores de física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(2), 289–305. DOI: 10.5007/2175-7941.2014v31n2p289

Vital, A., & Guerra, A. (2014). A natureza da ciência no ensino de Física: estratégias didáticas elaboradas por professores egressos do mestrado profissional. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(2), 225–257. DOI: 10.5007/2175-7941.2014v31n2p225

Zanotello, M. (2011). Leitura de textos originais de cientistas por estudantes do ensino superior. Ciência & Educação, 17(4), 987–1013. DOI: 10.1590/S1516-73132011000400014

Zuliani, S. R. Q. A., & Hartwig, D. R. (2009). A influência dos processos que buscam a autoformação: uma leitura através da fenomenologia e da semiótica social. Ciência & Educação, 15(2), 359–382. DOI: 10.1590/S1516-73132009000200008




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n3p110

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License