EVASÃO E RETENÇÃO ESCOLAR NO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA DO INSTITUTO DE QUÍMICA DA UFRGS

André Cristo Daitx, Rochele de Quadros Loguercio, Ricardo Strack

Resumo


Nos últimos anos a discussão sobre as questões educacionais no país têm enfatizado os cursos de formação de professores como fator preponderante para que possamos impactar positivamente em mudanças na área educacional. Sabe-se por outro lado, que num curso como o de Química, dificilmente os licenciandos conseguem concluir sua formação no prazo previsto pela Instituição acabando também por evadir antes do período. Este trabalho se propõe a estudar a evasão e a retenção escolar dos alunos do curso de Licenciatura em Química noturno, do Instituto de Química da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), com ingresso no período de 2009 a 2013, entendendo a primeira como a saída definitiva do aluno de seu curso de origem, e a segunda como a suspensão da progressão regular discente dentro das etapas de formação acadêmica, geralmente associado ao rendimento (aproveitamento e/ou frequência) insatisfatório ou situação de trancamento de matrícula. Itens como metodologia, didática, reprovações, currículo, oferta de horários limitados, acolhimento por parte de colegas e professores, e infraestrutura são alguns dos itens investigados como possíveis razões que contribuem para evasão e retenção dos estudantes. Pôde-se notar que em alguns dos casos, um acolhimento ruim por parte de colegas, professores e IES (Instituições de Ensino Superior), associado com a falta de identidade relacionada ao curso, falta de estratégias metodológicas alternativas, didática ineficaz por parte dos professores e alto índice de reprovações iniciais, são fatores contribuintes para evasão e retenção dos estudantes.


Palavras-chave


Licenciatura em Química; Evasão Escolar; Retenção Escolar; Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


Adachi, A. A. C. T. (2009). Evasão e Evadidos nos Cursos de Graduação da Universidade Federal de Minas Gerais (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/HJPB-7UPMBA

Bourdieu, P. (2006). A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo, SP: Zouk.

Braga, M.M.; Miranda-Pinto, C.O.B.; & Cardeal, Z.D. (1997). Perfil sócio-econômico dos alunos, repetência e evasão no curso de química da UFMG. Química Nova, 20(4), 438-444. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/qn/v20n4/4972.pdf

Comissão Especial de Estudos sobre a Evasão nas Universidades Públicas Brasileiras (1997). Diplomação, Retenção e Evasão nos Cursos de Graduação em Instituições de Ensino Superior Públicas [Versão Digital]. Recuperado de http://www.udesc.br/arquivos/id_submenu/102/diplomacao.pdf

Comissão Permanente de Seleção da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - COPERSE (2013). Manual do Candidato – Vestibular 2014 [Versão Digital]. Recuperado de http://www.ufrgs.br/coperse/concurso-vestibular/anteriores/2014/manual_CV2014.pdf

Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - CONSUN (2001). Decisão 02/2011 - Trote Acadêmico [Versão Digital]. Recuperado de http://www.ufrgs.br/consun/legislacao/documentos/Dec00201Modificada.pdf

Cunha, A. M.; Tunes, E.; & Silva, R. R. (2001). Evasão do curso de química da Universidadede Brasília: a interpretação do aluno evadido. Química Nova, 24(1), 262-280. doi: 10.1590/S0100-40422001000200019

Günther, H. (2003). Como elaborar um questionário. (Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, Vol. 01) Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. Recuperado de http://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/lapsam/Texto_11_-_Como_elaborar_um_questionario.pdf

Jesus, J. A.; Silva M. S.; & Santana, G. P. (2013). Evasão dos discentes de Química da Universidade Federal do Amazonas. Scientia Amazonia, 2(3), 28-39. Recuperado de http://www.scientia.ufam.edu.br/attachments/article/26/v2 n3 28-39 2013.pdf

Kipnis, B. (2000). A pesquisa institucional e a educação superior brasileira: um estudo de caso longitudinal da evasão. Caderno Linhas Críticas, Brasília, 6(11), 109-130. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/6669/5384

________; Bareicha, P.; Taveira, A. C.; Magalhães, C.; Assis, M. H. de; & Oliveira, T. P. (1998). Índices de evasão dos cursos na Universidade de Brasília e suas perspectivas. Caderno Linhas Críticas, 5-6, 131-145. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/viewFile/6814/5477

Lima Júnior, P.; Ostermann, F; & Rezende, F. (2012). Análise dos condicionantes sociais da evasão e retenção em cursos de graduação em Física à luz da sociologia de Bourdieu. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 12(1), 37-60. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2422/1822

Lüdke, M.; & André, M. E. D. A. (1986) Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo, SP: E.P.U.

Machado, S. P.; Melo Filho, J. M.; & Pinto, A. C. (2005). A evasão nos cursos de graduação de química: uma experiência de sucesso feita no instituto de química da universidade federal do rio de janeiro para diminuir a evasão. Química Nova, 28, Suplemento, S41-S43. doi: 10.1590/S0100-40422005000700008

Moraes, F. A. A.; Freitas, R.M.; Verediano, F.C.; de Fátima, A.; & Quadros, A.L. (2010). Perfil dos estudantes de Química da Universidade Federal de Minas Gerais. In XV Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ) (p. 9). Brasília, DF.

Nascimento Jr, D. F.; Santos, M.B.H.; Silva, T.P.; & Nascimento, Y. J. S. (2012). Perfil socioeconômico dos alunos de curso de Licenciatura em Química da UEPB. In Encontro Nacional de Educação, Ciência e Tecnologia da UEPB (p.11). Campina Grande, PB.

Nisbet, J. & Watt, J. (1978). Case Study. Guides in Educational Research, Readguide 26. Nottingham: School of Education, University of Nottingham.

Nogueira, M. A. & Catani, A. (Orgs.). (1998). Escritos de educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Peixoto, M. C. L.; Braga, M. M.; & Bogutchi, T. F. (2003). A evasão no ensino superior brasileiro: o caso da UFMG. Avaliação-Revista da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior. 8(1), 161-189. Recuperado de http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php?journal=avaliacao&page=article&op=view&path%5B%5D=1237&path%5B%5D=1227

Silva, Y. P. (2013). Ingresso de diplomado no curso de licenciatura em química: voltar por quê? (Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/90063

Vianna, J. F.; Aydos, M. C.; & Siqueira, O.S. (1997). Curso noturno de licenciatura em Química – uma década de experiência na UFMS. Química Nova, 20(2), 213-218. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/qn/v20n2/4937.pdf

Tinto, V. (1975). Dropout from higher education: a theoretical synthesis of recent research. Review of Educational Research, 45(1), 89-125. Recuperado de http://rer.sagepub.com/content/45/1/89.extract

Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (2014). Currículo do curso de Licenciatura em Química. Recuperado de http://www1.ufrgs.br/graduacao/xInformacoesAcademicas/curriculo.php?CodCurso=343&CodHabilitacao=115&CodCurriculo=324&sem=%202014012




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n2p153

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License