O IMPACTO DA INTERFACE ENTRE A APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS E A ARGUMENTAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO

Ana Carla da Silva, Sylvia De Chiaro

Resumo


O objetivo do presente trabalho é compreender o impacto que a interface entre a Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) e a argumentação desempenha para a promoção da construção do conhecimento científico. Tomamos como foco de análise, as interações dialógicas entre aluno-aluno e aluno-professor ao longo da resolução de um problema na metodologia ativa ABP, por entendermos que a configuração deste tipo de metodologia favorece o debate crítico e reflexivo de ideias. As análises foram feitas com base na perspectiva da argumentação enquanto mecanismo epistêmico e promotor do pensamento crítico e reflexivo, bem como dos pressupostos sobre os indicadores de alfabetização científica para a promoção da aprendizagem. Nossos resultados apontaram que, embora a metodologia ABP seja propícia ao desenvolvimento de interações dialógicas, por si só, não garante que a argumentação ocorra nem tampouco que os alunos expressem indicadores de alfabetização científica. Concluímos que o desenvolvimento de interações dialógicas depende muito mais do manejo do tutor através de determinadas ações discursivas, as quais fazem toda a diferença quando se pretende utilizar a argumentação para o processo de ensino e de aprendizagem.


Palavras-chave


Argumentação; Alfabetização Científica; Resolução de problemas; Pensamento Crítico-Reflexivo

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, R. S., Malheiro, J. M. S., & Teixeira, O. P. B. (2015). Uma análise das analogias e metáforas utilizadas por um professor de química durante uma aula de isomeria óptica. Química Nova na Escola, 37(1), 19-26. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc37_1/05-RSA-64-12.pdf

Asterhan; C. S. C., & Schwarz, B. B. (2016). Argumentation for Learning: Well-Trodden Paths and Unexplored Territories. Educational psychologist, 51(2), 164-187. DOI: 10.1080/00461520.2016.1155458

Berbel, N. A. N. (1998). A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 2(2), 139-154. Recuperado de www.scielo.br/pdf/icse/v2n2/08.pdf

Borges, M. C., Chachá, S. G. F., Quintana, S. M., Freitas, L. C. C., & Rodrigues, M. L. V. (2014). Aprendizado baseado em problemas. Medicina Ribeirão Preto, 47(3).

DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p301-307

Cavalcanti, L. S. (2005). Cotidiano, mediação pedagógica e formação de conceitos: uma contribuição de Vygotsky ao ensino de geografia. Cadernos Cedes, Campinas, 25(66), 185-207. Recuperado de www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n66/a04v2566.pdf

Cavagnetto, A., & Hand, B. (2012). The importance of embedding argument within science classrooms. In: Perspectives on scientific argumentation (pp. 39-53). DOI: 10.1007/978-94-007-2470-9_3

Creswell, J. W., & Clark, V. L. P. (2013). Pesquisa de métodos mistos. (2a ed.). Porto Alegre: Penso.

Erduran, S. (2007). Methodological foundations in the study of argumentation in science classrooms. In Argumentation in science education (pp.47-69). Springer Netherlands. Recuperado de https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-1-4020-6670-2_3

De Chiaro, S., & Leitão, S. (2005). O papel do professor na construção discursiva da argumentação em sala de aula. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 350-357. DOI: 10.1590/S0102-79722005000300009

De Chiaro, S. (2012). A teoria sócio-histórica e a educação: a perspectiva de Vygotsky. In Monteiro, C. E. & De Chiaro, S. (org.). Fundamentos psicológicos do ensino e da aprendizagem. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

Di Fanti, M. G. C. (2003). A linguagem em Bakhtin: pontos e pespontos. Revista Veredas, 7(1), 95-111. Recuperado de www.ufjf.br/revistaveredas/files/2009/12/artigo32.pdf

Diesel, A., Baldez, A. L. S., & Martins. S. N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, 14(1), 268-288. DOI: 10.15536/thema.14.2017.268-288.404

Ferraz, A. T., & Sasseron, L. H. (2017). Propósitos epistêmicos para a promoção da argumentação em aulas investigativas. Investigações em Ensino de Ciências, 22(1), 42-60. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/312

Fuentes, C. (2011). Elementos para o Desenho de um Modelo de Debate Crítico na Escola. In Leitão, S., & Damianovic, M. C. Argumentação na Escola: O Conhecimento em Construção (pp.225-250). Campinas: Pontes.

Hung, W., Jonassen, D. H., & Liu, R. (2008). Problem-based learning. Handbook of research on educational communications and technology, 3, 485-506. DOI: 10.1.1.469.4785

Iochida, L. C. (2001). Os sete passos. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina/Departamento de Medicina. Recuperado de http://www2.unifesp.br/centros/cedess/pbl/setep.pdf

Jiménez-Aleixandre, M. P., Rodríguez., & Duschl, R. A. (2000). "Doing the lesson" or "doing science": Argument in high school genetics. Science Education, 84(6), 757-792. DOI: 10.1002/1098-237X(200011)84:6<757::AID-SCE5>3.0.CO;2-F

Jiménez-Aleixandre, M. P., & Erduran, S. (2007). Argumentation in science education: an overview. In: Erduran, S.; Jiménez-Aleixandre, M. P. (Ed.). Argumentation in science education. Dordrecht: Springer. DOI: 10.1007/978-1-4020-6670-2_1

Kuhn, D. (2010). Teaching and Learning Science as Argument. Science Education, 94(5), 810-824. DOI: 10.1002/sce.20395

Leitão, S. (2007). Processos de construção do conhecimento: a argumentação em foco. Pro-posições, 18(3). Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643529/11057

Leitão, S. (2011). O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In Leitão, S. & Damianovic, M. C. (orgs.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção. Campinas, SP: Pontes Editores.

Leitão, S. (2013). Uma perspectiva de análise do papel da argumentação em ambientes de ensino-aprendizagem. In Moutinho, K, Villachan-Lyra, P, & Santa-Clara, A. Novas Tendências em Psicologia do Desenvolvimento: teoria, pesquisa e intervenção. Recife: Editora Universitária da UFPE.

Lucci, M. A. (2006). A proposta de Vygotsky: a psicologia sócio-histórica. Profesorado. Revista de currículum y formación del profesorado, 10(2). Recuperado de www.ugr.es/~recfpro/rev102COL2port.pdf

Magalhães, M. C. C., & Oliveira, W. (2011). Vygotsky e Bakhtin/Volochinov: dialogia e alteridade. Bakhtiniana, 1(5), 103-115. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/download/4749/5077

Monteiro, M. A. A., & Teixeira, O. P. B. (2004). Uma análise das interações dialógicas em aulas de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, 9(3), 243-263. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/528/324

Nascimento, S. S., & Vieira, R. D. (2008). Contribuições e limites do padrão de argumento de Toulmin aplicado em situações argumentativas de sala de aula de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(2). Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2217

Queiroz, S. L., & Cabral, P. F. O. (2016). Ensinar e aprender ciências na educação básica a partir de

estudos de caso. In Queiroz, S. L., & Cabral, P. F. O. (orgs.). Estudos de caso no ensino de ciências da natureza. Recuperado de: www.cdcc.usp.br/livros/2016-Estudos_de_Caso.pdf

Rabello, E. T., & Passos, J. S. (2010). Vygotsky e o desenvolvimento humano. Recuperado de https://josesilveira.com/wp.../07/Artigo-Vygotsky-e-o-desenvolvimento-humano.pdf

Ribeiro, L. R. C., & Mizukami, M. G. N. (2004). Uma Implementação da Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL) na Pós-Graduação em Engenharia sob a Ótica dos Alunos. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, 25, 89-102. Recuperado de http://www.uel.br/proppg/portal/pages/arquivos/pesquisa/semina/pdf/semina_25_1_21_37.pdf

Sá, L. P., & Queiroz, S. L. (2007). Promovendo a argumentação no ensino superior de química. Quimica. Nova, 30(8), 2035-2042. Recuperado de www.scielo.br/pdf/qn/v30n8/a42v30n8.pdf

Sá, L. P., Francisco, C. A., & Queiroz, S. L. (2007). Estudos de caso em Química. Quimica Nova, 30(3), 731-739. Recuperado de http://quimicanova.sbq.org.br/imagebank/pdf/Vol30No3_731_38-ED06200.pdf

Santos, W. L. P., Mortimer, E, F., & Scott, P. H. (2001). A argumentação em discussões sociocientíficas: reflexões a partir de um estudo de caso. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 1(1), 140-152. Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/12137

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2008). Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 333-352. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/77308/mod_resource/content/1/Texto%204%20-%20Almejando%20a%20AC.pdf

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2011). Uma análise de referenciais teóricos sobre a estrutura do argumento para estudos de argumentação no ensino de ciências. Revista Ensaio, 13(3), 243-262. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v13n3/1983-2117-epec-13-03-00243.pdf

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2013). Ações e indicadores da construção do argumento em aula de Ciências. Revista Ensaio, 15(2), 169-189. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v15n2/1983-2117-epec-15-02-00169.pdf

Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In Anna Maria Pessoa de Carvalho. (Org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Revista. Ensaio, 17, 49-67. Recuperado de www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/1983-2117-epec-17-0s-00049.pdf

Souza, S. C., & Dourado, L. (2015). Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP): um método de aprendizagem inovador para o ensino educativo. HOLOS, 5. DOI: 10.15628/holos.2015.2880

Souza, N. S., Cabral. P. F. O., & Queiroz, S. L. (2015). Argumentação de Graduandos em Química sobre Questões Sociocientíficas em um Ambiente Virtual de Aprendizagem. Química. Nova, 37(1), 95-109. DOI: 10.5935/0104-8899.20150022

Wertsch, J. V., & Smolka, A. L. B. (1994). Continuando o diálogo: Vygotsky, Bakhtin e Lotman. In: Daniels, H. Vygostky em foco: pressupostos e desdobramentos. Campinas, SP: Papirus Editora.

Van Eemeren, H. F., & Grootendorst, R. (2004). A systematic theory of argumentation: the pragma-dialectical approach. Cambridge University press. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/3e38/d3ca665a2cdcb05d806e66aea277b1b0f78a.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n3p82

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License