CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA PARA O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS VISANDO À FORMAÇÃO CIDADÃ

Rodrigo da Luz Silva, Christiana Andréa Vianna Prudêncio, Alessandra Nasser Caiafa

Resumo


Essa pesquisa tem como objetivo investigar as contribuições de um processo formativo no ensino de Ciências, que assume os pressupostos da Educação Ambiental Crítica, para a formação socioambiental de estudantes frente aos problemas ambientais existentes em sua comunidade. Esse processo formativo contou com a participação de 17 estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental que residem em uma comunidade rural do município de Cruz das Almas Bahia. A coleta e análise dos dados ocorreram por meio da construção de desenhos desenvolvidos em oficinas participativas em Ciências para investigar os conhecimentos prévios e adquiridos a respeito da percepção ambiental dos estudantes. Como resultado foi possível perceber o quanto o viés naturalista está impregnado na formação dos estudantes, fato que dificulta a compreensão do Meio Ambiente, de forma a considerá-lo em sua multidimensionalidade. Contudo, a análise revela ser possível a transição de uma concepção ambiental mais reducionista para outra mais abrangente, a depender de como a Educação Ambiental é inserida, especialmente no ensino de Ciências, revelando também certa aproximação entre as representações de Meio Ambiente dos estudantes com a realidade vivenciada por eles, à medida que ocorre uma gradativa inserção do ser humano e de suas construções nesse meio.


Palavras-chave


Educação Ambiental Crítica; Ensino de Ciências; Percepção Ambiental; Meio Ambiente; Desenho Infantil

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, I. A. (2001). Educação Ambiental e Ensino de Ciências: Uma história de controvérsias. Pro-posições,12(1), 73-93. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644012/11461

Antonio, D. G., & Guimarães, S.T. L. (2006). Representações do Meio Ambiente através do desenho infantil: refletindo sobre os procedimentos interpretativos. 14(4), 1-13, Educação Ambiental em Ação. Recuperado de http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=343

Brasil. (1997a). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf

Brasil. (1997b). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente, saúde. Brasília: MEC/SEF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro091.pdf

Brasil. (2004). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Formando Com-Vida Comissão do Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola: construindo Agenda 21 na Escola / Ministério da Educação, Ministério do Meio Ambiente. Brasília: MEC. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao7.pdf

Brasil. (s. d.). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Programa Mais Educação: Passo a Passo. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/passoapasso_maiseducacao.pdf.

Brasil. (2006). Ministério do Meio Ambiente. O corredor central da mata atlântica: uma nova escala de conservação da biodiversidade / Ministério do Meio Ambiente, Conservação Internacional e Fundação SOS Mata Atlântica. Brasília: Ministério do Meio Ambiente: Conservação Internacional. Recuperado de http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf_corredores/_publicacao/109_publicacao10072009110911.pdf

Cachapuz, A., Gil-Perez, D., Carvalho, A. M. P., Praia, J., & Vilches, A. (2011). A necessária renovação do ensino das ciências. (2a. ed.), São Paulo: Cortez.

Caiafa, A. N., & Silva, R. L. (2016). PET Mata Atlântica: Conservação e Desenvolvimento - Cinco anos de Qualificação da formação Interdisciplinar, nos cursos de graduação do CCAAB, em prol da conservação da natureza. Cruz das Almas – BA. Boletim Informativo de Pesquisa e Extensão em Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas, volume especial (1), 5-6. Recuperado de https://www2.ufrb.edu.br/boletiminformativoccaab/images/Edicoes/Boletim__CCAAB_03_2016.pdf

Candau, V. M. (1999). Educação em direitos humanos: uma proposta de trabalho. Recuperado de http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/veracandau/candau_edh_proposta_trabalho.pdf

Cosenza, A., & Martins, I. (2011). Contribuições da abordagem CTS para a Educação Ambiental: Os “lugares” do ambiente na produção científica sobre CTS. In Atas do 6° Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental – SP, (pp. 1-16), Ribeirão Preto, São Paulo. Recuperado de http://www.epea.tmp.br/viepea/files.epea2011.webnode.com.br/200000092-519ba52958/epea2011-0061-1.pdf

Dias, G. F. (2004). Educação Ambiental: princípios e práticas. (9a. ed.). São Paulo: Gaia.

Farias, C. R. O., & Freitas, D. (2007). Educação Ambiental e Relações CTS: uma Perspectiva Integradora. Revista Ciência & Ensino, volume especial (1), 1-13. Recuperado de http://200.133.218.118:3535/ojs/index.php/cienciaeensino/article/viewFile/159/124

Freire, P. (1989). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez.

Guimarães, M. (2004). Educação Ambiental Crítica. In Layrargues, P. P. (org.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira, (pp. 25-34), Brasília: MMA. Recuperado de http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/livro_ieab.pdf

Hoeffel, J. L., & Fadini, A. A. B. (2007). Percepção ambiental. In Ferraro, L. F. (org.). Encontros e caminhos: formação de educadores ambientais e coletivos educadores (pp. 255-262). Brasília: MMA. Recuperado de http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/encontros_2.pdf

Krasilchik, M. (2008). Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Harper & Harper.

Leclerc, G. F. E., & Moll, J. (2012). Programa Mais Educação: avanços e desafios para uma estratégia indutora da Educação Integral e em tempo integral. Educar em Revista, Curitiba, (45), 91-110. DOI: 10.1590/s0104-40602012000300007

Lima, G. F. C. (2004). Educação, Emancipação e Sustentabilidade: em defesa de uma Pedagogia Libertadora para a Educação Ambiental. In Layrargues, P. P. (org.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira, (pp. 85-112), Brasília: MMA. Recuperado de http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/livro_ieab.pdf

Loureiro, C. F. B., & Lima, J. G. S. (2012). Educação ambiental e educação científica na perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS): pilares para uma educação crítica. Acta Scientiae, 11(1), 88-100. Recuperado de http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/57/51

Loureiro, C.F.B. (2012). Trajetórias e Fundamentos da Educação Ambiental. (4a. ed.). São Paulo: Cortês.

Loureiro, C.F.B. (2004). Educação Ambiental Transformadora. In Layrargues, P. P. (org.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira, (pp.65-84), Brasília: MMA. Recuperado de http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/livro_ieab.pdf

Loureiro, C.F.B. (2007). Educação ambiental crítica: contribuições e desafios. In Mello, S. S. & Trajber, R. (orgs.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola, (pp. 65-72), Brasília: MMA/UNESCO. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao3.pdf

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes.

Luiz, C. F., Amaral, A. Q., & Pagno, S. F. (2009). Representação social de Meio Ambiente e Educação Ambiental no Ensino Superior. In Atas do Seminário Internacional “Experiências de Agenda 21: Os desafios do nosso tempo”, Ponta Grossa – PR, Brasil, Paraná. Recuperado de http://www.eventos.uepg.br/seminariointernacional/agenda21parana/trabalho_cientifico/TrabalhoCientifico032.pdf

Maknamara, M. (2009). Educação ambiental e ensino de Ciências em escolas públicas alagoanas. Contrapontos, 9(1), 55-64. Recuperado de https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/975

Martinez, E. R. M., Fujihara, R. T., & Martins C. (2008). Show da Genética: um jogo interativo para o ensino da Genética. Recuperado de http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Morfologia/Laboratorios/LaboratoriodeGenomicaIntegrativa/11-2008GenEsclolaShowGenetica.pdf.

Matos, L. F. O. (2009). Percepção Ambiental de Estudantes de uma escola da região central de Cuiabá, MT. (Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT). Recuperado de http://livros01.livrosgratis.com.br/cp090337.pdf

Nascimento, A. P. F. (2017). A questão do gênero e sua influência na educação ambiental. In Atas do 11º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, SC, (pp. 1-12), Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2474-1.pdf

Nicollier, V. & Velasco, F. G. C. (2009). Conhecer a Mata Atlântica na infância: uma contribuição da teoria das inteligências múltiplas para a Educação Ambiental. Investigações em Ensino de Ciências, 14(3),421-456. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/350/217

Pedrini, A., Costa, É. A., & Ghilardi, N. P. (2010). Percepção ambiental de crianças e pré-adolescentes em vulnerabilidade social para projetos de educação ambiental. Ciência & Educação,16(1), 163-179. DOI: 10.1590/s1516-73132010000100010

Piaget, J. (2011). Seis estudos de psicologia. Tradução de Maria Alice Magalhães D' Amorim e Paulo Sérgio Lima Silva, (25a. ed.), Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Pimenta, S. G., & Lima, M. S. (2011). Estágio e Docência. (6a. ed.), São Paulo: Cortez.

PPP (2013). Projeto Político e Pedagógico. Escola Augusto Eugênio da Silveira. Cruz das Almas – Bahia.

Reigota, M. (2002). Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: Cortez.

Reigota, M. (2009). O que é Educação Ambiental? (2a. ed. revista e ampliada). São Paulo: Brasiliense.

Sauvé, L. (2005a). Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, 31(2), 317-322. DOI: 10.1590/s1517-97022005000200012

Sauvé, L. (2005b). Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In Sato, M., & Carvalho, I. C. M. (Orgs.). Educação Ambiental, (pp. 17-44). Porto Alegre: Artmed. Recuperado de http://web.unifoa.edu.br/portal_ensino/mestrado/mecsma/arquivos/sauve-l.pdf

Silva, R. L., Santana, U. S., Monteiro, A. S. S., Santos, S. F. C., Cirqueira, J. S., & Almeida, R. (2017). Concepções ambientais dos estudantes do curso de Licenciatura em Biologia da UFRB. Educação Ambiental em Ação, 60(1), 1-11. Recuperado de http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2738

Tristão, M. (2005). Tecendo os fios da Educação Ambiental: o subjetivo e o coletivo, o pensado e o vivido. Educação e Pesquisa, 31(2), 251-264. DOI: 10.1590/s1517-97022005000200008

Tuan, Y. (2003). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel.

Vasconcelos, M. M. N. (2003). A perspectiva crítica aproximando campos da Educação Ambiental e da Educação em Ciências. In Atas do 4º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - SP, (pp. 1-12), Bauru, SP, Brasil. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/venpec/conteudo/artigos/3/pdf/p824.pdf

Venturieri, B. & Santana, A. (2016). Concepções sobre Meio Ambiente de alunos do Ensino Fundamental em Belém – Pará: estudo de caso com a E. E. E. F. M. Prof. Gomes Moreira Junior. Revista Brasileira de Educação Ambiental – RevBEA, 11(1), 234-245. Recuperado de http://www.sbecotur.org.br/revbea/index.php/revbea/article/view/4752/3110

Vilches, A., Gil Pérez, D., & Praia, J. (2011). De CTS a CTSA: educação por um futuro sustentável. In Santos, W. L. P., & Auler, D. (Orgs). CTS e Educação Científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas. Brasília: Editora Universidade de Brasília.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n3p60

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License