O ENGAJAMENTO DOS ESTUDANTES EM AULA DE FÍSICA: APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANÁLISE

Lucia Helena Sasseron, Tadeu Nunes Souza

Resumo


Neste trabalho, apresentamos uma proposta de ferramenta de análise para a investigação do engajamento dos estudantes em aulas investigativas. A construção da ferramenta, chamada por nós de indicadores de engajamento, levou em consideração trabalhos sobre o envolvimento de estudantes com problemas trazidos para a resolução em sala de aula e, em especial, a ideia de engajamento disciplinar produtivo. Para isso, são considerados elementos do trabalho em grupo e da construção e da execução de planos de trabalho, além dos aspectos emocionais que entremeiam estes processos. Com a finalidade de avaliar se a ferramenta é adequada para uso em trabalhos de pesquisa, analisamos uma aula ocorrida com uma turma de Ensino Médio. Os resultados encontrados mostram que a ferramenta permite compreender o desenvolvimento deste engajamento e sua relação com a construção de entendimento pelos estudantes. Neste sentido, entendemos que os indicadores de engajamento também podem ser de grande valia para a análise da constituição da sala de aula como uma comunidade de práticas.


Palavras-chave


Engajamento; Ferramenta de análise; Interações em sala de aula; Ensino por investigação

Texto completo:

PDF

Referências


Abd-el-Khalick, F., Boujaoude, S., Duschl, R., Lederman, N. G., Mamlok-Naaman, R., & Hofstein, A. (2004). Inquiry in Science Education: International Perspectives. Science Education, 88(3), 397-419. http://doi.org/10.1002/sce.10118

Barrelo Jr., N. (2010). Argumentação no discurso oral e escrito de alunos do ensino médio em uma sequência didática de física moderna. (Dissertação de mestrado). Instituto de Física, Instituto de Química e Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. http://doi.org/10.11606/D.48.2010.tde-22062010-140211

Bloome, D., Puro, P., & Theodorou, E. (1989). Procedural display and classroom lessons. Curriculum Inquiry, 19(3), 265–291. http://doi.org/10.1080/03626784.1989.11075331

Brockington, G. (2005). A Realidade escondida: dualidade onda-partícula para estudantes do ensino médio. (Dissertação de mestrado). Instituto de Física, Instituto de Química e Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Carvalho, A. M. P. (2011). Uma Metodologia para Estudar os Processos de Ensino e Aprendizagem em Sala de Aula. In F. M. T. Santos & I. M. Greca (Orgs.). A Pesquisa em Ensino de Ciências no Brasil e suas Metodologias. (2a ed.). Ijuí, RS: Unijuí.

Carvalho, A.M.P. (2013). O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A.M.P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Duschl, R. (2008). Science Education in Three-Part Harmony: Balancing Conceptual, Epistemic, and Social Learning Goals. Review of Research in Education, 32(1), 268-291. http://doi.org/10.3102/0091732X07309371

Engle, R. A., & Conant, F. R. (2002). Guiding Principle for Fostering Productive Disciplinary Engagement: explaining an emergent argument in a community of learners classroom. Cognition and Instruction, 20(4), 399-484. http://doi.org/10.1207/S1532690XCI2004_1

Faria, A. F. (2008). Engajamento de Estudantes em Atividade de Investigação. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, MG. Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/FAEC-84XHTF

Fredricks, J. A., & McColskey, W. (2012). The measurement of student engagement: A comparative analysis of various methods and student self-report instruments. In S. L. Christenson, A. L. Reschly, & C. Wylie (Eds.). Handbook of research on student engagement (pp. 763–782). Boston, United States of America: Springer US.

Fredricks, J. A., Blumenfeld, P. C., & Paris, A. H. (2004), School engagement: Potential of the concept, state of the evidence. Review of Educational Research, 74(1), 59–109. http://doi.org/10.3102/00346543074001059

Hatano, G., & Inagaki, K. (1989). Sharing cognition through collective comprehension activity. In L. B. Resnick, J. M. Levine, & S. D. Teasley (Eds.). Perspectives on socially shared cognition (pp. 331-348). Washington, United States of America: American Psychological Association.

Herrenkohl, L. R., & Guerra, M. R. (1998). Participant structures, scientific discourse, and student engagement in fourth grade. Cognition and Instruction, 16(4), 431-473. http://doi.org/10.1207/s1532690xci1604_3

Jiménez-Aleixandre, M. P., Rodríguez, A. B., & Duschl, R. A. (2000). “Doing the Lesson” or “Doing Science”: Argument in High School Genetics. Science Education, 84(6), 757-792. http://doi.org/10.1002/1098-237X(200011)84:6%3c757::AID-SCE5%3e3.0.CO;2-F

Jiménez-Aleixandre, M.P., & Crujeiras, B. (2017). Epistemic Practices and Scientific Practices in Science Education. In K. S. Taber & B. Akpan (Orgs.). Science Education: An International Course Companion (pp. 69-80). Rotterdam/Boston/Taipei: Sense Publisher.

Julio, J., Vaz, A., & Fagundes, A. (2011). Atenção: Alunos engajados - Análise de um grupo de aprendizagem em atividade de investigação. Ciência & Educação (Bauru), 17(1), 63–81. Recuperado de http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5274050

Kelly, G. J., & Licona, P. (2018). Epistemic Practices and Science Education. In M. R. Matthews (Ed.). History, Philosophy and Science Teaching: New Perspectives (pp. 139–165). Cham, Switzerland: Springer International Publishing. http://doi.org/10.1007/978-3-319-62616-1_5

Lave, J., & Wenger, E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge, England: Cambridge University Press.

Lampert, M. (1990). When the problem is not the question and solution is not the answer: Mathematical knowing and teaching. American Educational Research Journal, 27(1), 29-63. http://doi.org/10.3102/00028312027001029

Mercer, N. (1995). The Guided Construction of Knowledge: Talk Among Teachers and Learners. Washington, United States of America: Library of Congress.

Munford, D., & Lima, M. E. C. C. (2007). Ensinar ciências por investigação: em que estamos de acordo? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 9(1), 89-111. http://doi.org/10.1590/1983-211720070901070107

Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In A. M. P. de Carvalho (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 17(n.esp.), 49-67. http://doi.org/10.1590/1983-2117201517s04

Sasseron, L. H., & Duschl, R. A. (2016). Ensino de ciências e as Práticas epistêmicas: o papel do professor e o engajamento dos estudantes. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), 52-67. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/19

Schauble, L., Glaser, R., Duschl, R. A., Schulze, S., & John, J. (1995). Students’ understanding of the objectives and procedures of experimentation in the science classroom. Journal of the Learning Sciences, 4(2), 131-166. http://doi.org/10.1207/s15327809jls0402_1

Souza, T. N. (2015). Engajamento disciplinar produtivo e o ensino por investigação: estudo de caso em aulas de física no ensino médio. (Dissertação de mestrado). Instituto de Física, Instituto de Química e Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-29092015-144721/pt-br.php

Stroupe, D. (2014). Examining Classroom Science Practice Communities: How Teachers as Students Negotiate Epistemic Agency and Learn Science-as-practice. Science Education, 98(3), 487-516. http://doi.org/10.1002/sce.21112

Sundberg, B., Areljung, S., Due, K., Ekström, K., Ottander, C., & Tellgren, B. (2018). Opportunities for and obstacles to science in preschools: views from a community perspective. International Journal of Science Education, 40(17), 2061-2077. http://doi.org/10.1080/09500693.2018.1518615

Wenger, E. (1998). Communities of practice: Learning, meaning and identity. Cambridge, England: Cambridge University Press.

Wenger, E., McDermott, R., & Snyder, W. M. (2002). Cultivating communities of practice: A guide to managing knowledge. Boston, United States of America: Harvard Business School Press.

Windschitl, M., Thompson, J., & Braaten, M. (2018). Ambitious science teaching, Boston, United States of America: Harvard Education Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n1p139

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License