AS CONCEPÇÕES DOS PROFESSORES SOBRE A INTERDISCIPLINARIDADE EM UM MODELO ALTERNATIVO DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS EXATAS: POSSÌVEIS CONVERGÊNCIAS

Juliana Teixeira Jesus Ramos, Alcina Maria Testa Braz da Silva

Resumo


Este trabalho pretende abordar um caso de modelo formativo alternativo às licenciaturas tradicionais. A investigação ocorreu em 2015 com professores formadores de um curso de licenciatura em Ciências Exatas e da Terra que, dentro de sua proposta de projeto pedagógico de fomento à interdisciplinaridade, previa as seguintes ações: elaboração de uma disciplina específica com o objetivo de integrar os conteúdos das disciplinas das diferentes áreas; reserva de parte da carga horária direcionada para a prática pedagógica e ainda a possibilidade do aluno definir a especificidade de sua formação ao longo da mesma. Adotou-se neste artigo um referencial teórico que buscou traçar um paralelo entre as distintas perspectivas de interdisciplinaridade, além das especificidades dos perfis profissionais dos docentes trazidos por Schön, Contreras, Giroux e possíveis modelos formativos no ensino de Ciências. A pesquisa teve abordagem qualitativa, com coleta de dados por meio de entrevistas com cinco docentes, e a Análise de Conteúdo como instrumento de análise, tendo como suporte o software ATLAS.ti. Algumas inferências apontadas foram que as mudanças ocorridas na estrutura do curso causaram impacto nos discursos dos professores formadores sobre suas práticas; principalmente no que se refere às especificidades e dificuldades de práticas a serem reconhecidas como interdisciplinares ou como prática pedagógica. Esse reconhecimento está intimamente ligado à concepção individual de cada professor, que de modo geral, e para o grupo investigado, se apresentaram de maneira difusa. Além disso, foram identificadas concepções sobre o próprio modelo adotado como uma possibilidade para se (re) pensar a formação de professores, destacando-se como principal convergência nos discursos a valorização do protagonismo do aluno.

Palavras-chave


Interdisciplinaridade; Concepções docentes, Processo Formativo

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, R. R., & da Cunha Alves, C. (2014). Na busca da Interdisciplinaridade: Percepções sobre a formação inicial de professores de Ciências da Natureza. Ciência e Natura, 36(3), 349-357. DOI: 10.5902/2179460X13445

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. 3. reimp. Lisboa: Ediçoes, 70.

Bogdan, r.c, & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora.

Brasil, M. E. C. (1999). Secretaria de Educação média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.

Carneiro Leão, E. (2008). Aprendendo a pensar I: o pensamento na Modernidade e na Religião. Teresópolis: Daimon.

Conselho Nacional de Educação. (2015). Resolução nº 2/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF.

Conselho Nacional de Educação. (2017). Resolução nº 1, de 9 de agosto de 2017. Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF.

Contreras, J. (2002). A autonomia de professores. Tradução de Sandra Trabucco Valenzuela. Edição Brasileira Selma Garrido Pimenta. São Paulo: Cortez.

De Zan, J. (2006). A ciência moderna e o problema da desintegração da unidade do saber. In Pombo, O., Guimarães, H. M, & Levy, T.( Org). Interdisciplinaridade Antologia. Porto: Campo das Letras.

Dewey, J. (2006 [1938]). A unidade da ciência como problema social. In Pombo, O., Guimarães, H. M e& Levy, T.( Org). Interdisciplinaridade Antologia. Porto: Campo das Letras.

Fazenda, I. C. A. (2011). Desafios e perspectivas do trabalho interdisciplinar no Ensino Fundamental: contribuições das pesquisas sobre interdisciplinaridade no Brasil: o reconhecimento de um percurso. Interdisciplinaridade. Revista do Grupo de Estudos e Pesquisa em Interdisciplinaridade. (1), 10-23. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/interdisciplinaridade/article/view/16202

______. (2005). Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa.(18a ed.). Campinas: Papirus. (Magistério, Formação e Trabalho Pedagógico).

______. (1991). Interdisciplinaridade: um projeto em parceria (Vol. 13). Edições Loyola.

Giroux, H. A, & Bueno, D. (1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gouveia, A. J. (1976). A pesquisa sobre educação no Brasil: de 1970 para cá. Cadernos de Pesquisa, (19), 75-79. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1765

Gusdorf, G. (2006). Conhecimento interdisciplinar. In Pombo, O., & Guimarães, H. M., & Levy, T.( Org.). Interdisciplinaridade Antologia. Porto: Campo das Letras.

Nardi, R., & Langhi, R. (2011). Interpretando reflexões de futuros professores de física sobre sua prática profissional durante a formação inicial: a busca pela construção da autonomia docente. Investigações em Ensino de Ciências, 16(3), 403-424. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/218/151

Leis, H. R. (2005). Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de pesquisa interdisciplinar em ciências humanas, 6(73), 2-23. DOI 10.5007/2176

Lenoir, Y. (2005). Três interpretações da perspectiva interdisciplinar em educação em função de três tradições culturais distintas. Revista E-Curriculum, 1(1). Recuperado de http://www.redalyc.org/html/766/76610117/

Lenoir, Y., & Hasni, A. (2004). La interdisciplinaridad: por un matrimonio abierto de la razón, de la mano y del corazón. Revista iberoamericana de educación, 35(1), 167-185. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6203617

Marchelli, P. S. (2017). Base nacional comum curricular e formação de professores: o foco na organização interdisciplinar do ensino e aprendizagem. Revista de Estudos de Cultura, (7), 53-70. Recuperado de https://seer.ufs.br/index.php/revec/article/view/6555

Marcuzzo, P. (2008). Diálogo inconcluso: os conceitos de dialogismo e polifonia na obra de Mikhail Bakhtin. Cadernos do IL, (36), 2-10. DOI: 10.22456/2236-6385.18908

Minayo, M. C. D. S. (1994). Interdisciplinaridade: funcionalidade ou utopia?. Saúde e sociedade, 3(2), 42-63. DOI: 10.1590/S0104-12901994000200004

Morin, E. (2000). A cabeça bem-feita. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 99.

Mozena, E. R. (2014). Investigando enunciados sobre a interdisciplinaridade no contexto das mudanças curriculares para o Ensino Médio no Brasil e no Rio Grande do Sul. (Tese de doutorado, Instituto de Física. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre). Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/104588

Muhr, T. ( 2001) ATLAS.ti. Scientific Software Development. Berlin.

Nascimento, T. G., & Von Linsingen, I. (2006). Articulações en tre o enfoque CTS ea pedagogia de Paulo Freire como base para o ensino de ciências. Convergencia Revista de Ciencias Sociales, (42). Recuperado de https://convergencia.uaemex.mx/article/view/1396

Peleias, I. R., de Fátima Mendonça, J., Slomski, V. G., & Fazenda, I. C. A. (2011). Interdisciplinaridade no ensino superior: análise da percepção de professores de controladoria em cursos de ciências contábeis na cidade de São Paulo. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 16(3). Recuperado de http://submission.scielo.br/index.php/aval/article/view/42353

Pimenta, S. G., & Ghedin, E. (2002). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez.

Pinto, A (2003). Da interdisciplinaridade em Ciências da Educação: um estudo das representações sobre teoria e prática na Licenciatura em Ciências da Educação da U.P. (Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação.) Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto.

Pombo, O. (2008). Epistemologia da Interdisciplinaridade. In Pimenta, C. (Org.). Contributos para a elaboração de uma tese interdisciplinar. Ideação–Revista do Centro de Educação e Letras da Unioeste. Foz do Iguaçu: UNIOESTE.

_________ (2004). Interdisciplinaridade: Ambições e limites. Lisboa: Relógio d’água.

_________ (2006). Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em revista,1(1).

Ricardo, E. C., & Zylbersztajn, A. (2007). Os Parâmetros Curriculares Nacionais na formação inicial dos professores das Ciências da Natureza e Matemática do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 12(3), 339-355.

______.(2008). Os parâmetros curriculares nacionais para as ciências do ensino médio: uma análise a partir da visão de seus elaboradores. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 257-274.

Roman, A. R. (1993). O Conceito de Polifonia em Bakhtin - O Trajeto Polifônico de Uma Metáfora. Revista Letras, 42.

Santomé, J. T. (1998). Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre, RS: Artmed.

Saraiva, K.B.G. (2014). A interdisciplinaridade nas licenciaturas das áreas constituintes das ciências naturais: Um estudo de caso na Universidade Federal do ABC. (Dissertação de Mestrado, Interunidades em Ensino de Ciências. Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-27042015-154447/en.php

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional. (17a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Tardif, M., & Lessard, C. (2005). O trabalho docente. Petrópolis, RJ: Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n3p01

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License