AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) DO SUBPROJETO DE BIOLOGIA DA UFES PARA A PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE DE SEUS BOLSISTAS E FORMAÇÃO CONTINUADA DO COORDENADOR DE ÁREA

Daniely Bollis Rabelo, Geide Rosa Coelho

Resumo


Este estudo objetiva compreender como o programa PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência), que tem como base a articulação entre as Universidades (docentes e licenciandos) e as escolas de educação básica, pode contribuir para a profissionalização docente de seus bolsistas e para a formação continuada do coordenador de área do subprojeto de Biologia do campus Goiabeiras da UFES. Para atender a esse objetivo central realizamos uma pesquisa qualitativa de caráter narrativo. Para a produção dos dados, realizamos entrevistas narrativas com bolsistas, ex-bolsistas e uma das coordenadoras de área do subprojeto supracitado. Para análise dos dados, pautamo-nos na Análise Textual Discursiva (ATD). As narrativas evidenciam que a participação no PIBID potencializou o reconhecimento do "saber" e "saber desenvolver" atividades práticas como uma profissionalidade fundamental do professor de Ciências. Além disso, saber diversificar as atividades na sala de aula, contextualizar os conhecimentos da disciplina com o cotidiano dos alunos e potencializar a dimensão dialógica na sala de aula foram reconhecidas pelos pibidianos como fundamentais para a formação e o trabalho do docente em ciências. Além do mais, saber se relacionar aparece como importante profissionalidade a ser desenvolvida pelo professor no processo de formação. Destacamos também o fato da experiência da coordenadora de área no contexto do programa contribuírem para o seu desenvolvimento profissional e para a (re) construção de sua identidade docente.


Palavras-chave


PIBID; Formação inicial e continuada de professores de Ciências; Narrativas docentes; Profissionalidade docente; desenvolvimento profissional

Texto completo:

PDF

Referências


Abrahão, M. H. M. B. (2003). Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. História da Educação, 7(14), 79-95. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/30223/pdf

Amado, J., Freire, I., Carvalho, E., & André, M.J. (2009). O lugar da afectividade na Relação Pedagógica. Contributos para a Formação de Professores. Revista de Ciências da Educação, 08, 75-86. Recuperado de https://www.researchgate.net/profile/Isabel_Freire3/publication/28320319_O_lugar_da_afectividade_na_Relacao_Pedagogica_Contributos_para_a_Formacao_de_Professores/links/544050360cf2fd72f99dd589/O-lugar-da-afectividade-na-Relacao-Pedagogica-C

Ambrosetti, N. B., Nascimento, M. D. G. C. D. A., Almeida, P. A., Calil, A. M. G. C., & Passos, L. F. (2013). Contribuições do PIBID para a formação inicial de professores. Revista Educação em Perspectiva, 4(1), 151-173. Recuperado de https://educacaoemperspectiva.ufv.br/index.php/ppgeufv/article/view/405/106

Antunes, F. O (2013). Trabalho docente em Ciências: de Técnico a Investigador. In Güllich, R. I. C., & Hermel, E. E. S. (orgs.). Ensino de Biologia: construindo caminhos formativos (pp. 63-95). Curitiba, PR: Prismas.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de Professores de Ciências: tendências e inovações (10a ed.). São Paulo, SP: Cortez Editora.

Connelly, M. F.,& Clandinin, J. D. (1990). Stories of Experience and Narrative Inquiry. Educational Researcher, 19(5), 2-14. :DOI: 10.3102/0013189X019005002

Crepalde, R. S., & Aguiar Jr., O. G. (2013). A formação de conceitos como ascensão do abstrato ao concreto: da energia pensada à energia vivida. Investigações em Ensino de Ciências, 18(2), 299-325.

Cunha, M. I. (1997). Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, 23(1-2). São Paulo, Jan./Dec. DOI: 10.1590/S0102-25551997000100010.

Driver, R., Asoko, H., Leach, J., Mortimer, E., & Scott, P. (1999). Construindo conhecimento científico na sala de aula. Química nova na escola. 9(5),31-40. Recuperado de http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc09/aluno.pdf

Flick, U. (2008). Introdução à pesquisa qualitativa. (3a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Fontoura, H. A. (2016). Narrativa de professores: constituintes de docentes participantes da residência pedagógica da faculdade de formação de professores da UERJ. In Vicentini, P. P., Cunha, J. L., & Cardoso, L. A. M. (Orgs.) Experiências formativas e práticas de iniciação à docência (pp.195-204). Curitiba, PR: Editora CRV.

Gonçalves, E. N. (2014). Estudo sobre as contribuições do “Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência” – PIBID, para a formação inicial de discentes de licenciatura em Ciências Biológicas, à luz da Pedagogia de Projetos. (Dissertação de Mestrado. Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória). Recuperado de http://educimat.ifes.edu.br/images/stories/Publica%C3%A7%C3%B5es/Disserta%C3%A7%C3%B5es/2014_Emerson_Nunes_da_Costa_Gon%C3%A7alves.pdf

Hodson, D. (1988). Experimentos na ciência e no ensino de ciências. Educational philosophy and theory, 20 (2), 53-66. Recuperado de http://www.iq.usp.br/palporto/TextoHodsonExperimentacao.pdf

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. (9a ed.) São Paulo, SP: Cortez.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2002). Entrevista narrativa. In Bauer, M. W.,Gaskell, G. (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático (pp. 90-113). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lima, M. E. C. C., Geraldi, C. M. G., & Geraldi, J. W. (2015). O trabalho com narrativa na investigação em Educação. Educação em revista, 31(1),17-44. DOI: 10.1590/0102-4698130280

Malusá, S.; Mora, I. M., Tavares Júnior, M. J., & Alves, T. S. (2014). O professor Biólogo no curso de Ciências Biológicas: situando sua profissionalização docente. Diversa Prática, 2(1), 69-102. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/diversapratica/article/view/25091

Melo, T. M. (2015) Experiências formativas no início da docência mediadas pelo PIBID Educação Física da Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia. (Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória). Recuperado de http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/1424/1/Experi%C3%AAncias%20formativas%20no%20in%C3%ADcio%20da%20doc%C3%AAncia%20mediadas%20pelo%20PIBID%20educa%C3%A7%C3%A3o%20f%C3%ADsica%20da%20Universidade%20Estadual%20de%20Feira%20de%20Santana%2c%20Bahia.pdf

Monteiro, F. A. (2016). Narrativas e desenvolvimento profissional docente: significações experienciadas em contextos situados. In Vicentini, P. P., Cunha, J. L., & Cardoso, L. A. M. (Orgs). Experiências formativas e práticas de iniciação à docência. (pp.119-132). Curitiba, PR: Editora CRV.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211. DOI: 10.1590/S1516-73132003000200004

Munford, D., & Lima, M. E. C. C. (2007) Ensinar ciências por investigação: em que estamos de acordo? Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 9(1), 72-89. DOI: 10.1590/1983-21172007090107

Nóvoa, A. (2009). Para uma formação de professores construída dentro da profissão.. Recuperado de http://www.revistaeducacion.mec.es/re350/re350_09por.pdf.

Nóvoa, A. (1995). O passado e o presente dos professores. In Nóvoa, A. (org.). Profissão professor. (2a ed.) (pp.13-34). Porto, POR: Porto Editora.

Nóvoa, A. (1992-a). Os professores e as histórias da sua vida. In Nóvoa, A. (org.). Vidas de Professores. (pp.11- 30).Porto, POR: Porto Editora.

Nóvoa, A. (1992-b) Formação de Professores e profissão docente. In Nóvoa, A. (org.). Os professores e a sua formação. (pp.13-33). Lisboa, POR: Dom Quixote.

Paredes, G. G. O. (2012). Um estudo sobre o PIBID: saberes em construção na formação de professores de ciências. (Dissertação de Mestrado, Setor de Ciências Exatas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba). Recuperado de http://www.exatas.ufpr.br/portal/ppgecm/wp-content/uploads/sites/27/2016/03/009_GiulianaGionnaOliviParedes.pdf

Porto, R. T. (2012). Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: ensinar e aprender matemática. (Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande). Recuperado de http://www.ppgeducacaociencias.furg.br/images/stories/dissertacoes2012/robson.pdf

Sacristán, J. G.(1995). Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In Nóvoa, A. (Org.). Profissão Professor. (2a ed.) (pp. 63-92) Porto, POR: Porto Editora.

Scheid, N. M. J. (2013). A História da Ciência e a Formação Docente em Ciências Biológicas. In Güllich, R. I. da C., & Hermel, E. E. S. (orgs.). Ensino de Biologia: construindo caminhos formativos. (pp.169-183). Curitiba, PR: Prismas.

Stanzani, E. L. (2012). O papel do PIBID na formação inicial de professores de Química na Universidade Estadual de Londrina. (Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Londrina, Londrina). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000182026

Souza, E.C.(2007). (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In Nascimento, A.D., & Hetkowski, T. M., (orgs.). Memória e formação de professores (pp.9-74). Salvador, BA: EDUFBA. Recuperado de http://books.scielo.org/id/f5jk5/pdf/nascimento-9788523209186-04.pdf

Tinti, D. S. (2012). PIBID: um estudo sobre suas contribuições para o processo formativo de alunos de Licenciatura em Matemática da PUC-SP. (Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo). Recuperado de https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/10931/1/Douglas%20da%20Silva%20Tinti.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n2p190

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Investigações em Ensino de Ciências (IENCI) - ISSN: 1518-8795 

Creative Commons License